Falso amigo: coma

Uma das coisas que mais chamou a minha atenção nas aulas de Linguística do primeiro ano de Filologia foi estudar a afasia bilingue.

Não sei se sabem, mas há pessoas que estão em coma e acordam tempo depois a falarem outras línguas. Mesmo línguas com que não tiveram muito contacto. Isto é que é a afasia bilingue. Ocorre alegadamente quando uma área do cérebro que aprende uma língua está danificada, enquanto outra permanece ilesa.

O coma também pode produzir o efeito contrário em pacientes políglotas. Quer dizer, as pessoas acordam e só conseguem falar numa língua. Chama-se afasia monoglótica.

O cérebro é maravilhoso e as áreas de Wernicke ou Broca, aquelas ligadas à fala, sempre me pareceram quase mágicas.

Neste momento devem já imaginar a que me estou a referir com coma. Vou fazer agora uma revisão de conceitos do que isto significa em português.

  • Coma: estado sem consciência que pode ter diferentes graus de gravidade.

  • Coma: Presente do Conjuntivo ou Imperativo do verbo Comer. Coma mais fruta fresca.

  • Então que palavra usamos para (,)?Para o signo ortográfico que marca uma pausa breve na escrita usamos a palavra vírgula.

A etimologia da palavra é simples. No latim virgula era o diminutivo de virga, “verga, vara, trave, ramo”. O nome, como o de tantos atos da revolução da escrita, é uma metáfora.

  • Lembrem também que quando fazemos uma comparação ou uma oração de modo, usamos sempre a conjunção como. A Joana é tão alta como a sua irmã /Faz isso como tu quiseres/ Ele não fala como tu/ Assim é como nós cozinhamos este prato sempre