Bd portuguesa em Ponte Vedra e Vila Garcia

image

As Eoi de Vila Garcia e Ponte Vedra trazem uma atividade super-interessante para aqueles e aquelas que amamos desenhar e ler bd.Sessões em Pontevedra

Entre hoje e amanhã o crítico português de banda desenhada, Pedro Moura, fará uma panorâmica do melhor da bd portuguesa.

Crítico e escritor em blog lerbd, para além de outras publicações e outras funções associadas a essa área, assim como a ilustração e animação, o Pedro Moura fez uma tese de Mestrado em Filosofia Estética (na Nova) sobre a “Memória em sete casos da banda desenhada francófona contemporânea”.

Para já, o blogue Ler Bd é desses que recomendo vivamente para aqueles leigos na matéria que começam nisto da banda desenhada. Uma visão crítica, contemporânea e sempre bem informada do que está a dar neste género. Na minha época de livreira era daqueles blogues que tinha nos marcadores e nunca deixei de ler, é por isso que fico muito feliz por este autor nos visitar.

Vejam as expetativas que ele coloca: “O propósito tem mais a ver com a conhecer a realidade da língua portuguesa, mas espero ter oportunidade de despertar o interesse de novos leitores pelos trabalhos existentes na nossa “cena contemporânea”, sejam livros mais críticos da nossa sociedade e atentos à situação económica-social, sejam livros que procurem de alguma forma criar ficções bem-dispostas, ou mesmo aqueles autores que viverão em espaços intermédios em termos de forma e conteúdo”

Ana Lage em digressão

ana lageAna Lage não é uma estranha para nós. Já falámos dela noutras ocasiões como no Festival Atlântica e gostamos muito de reescrever o seu nome nestas linhas.

Nesta semana fará uma mini-tour por escolas oficiais de idiomas da Galiza.

Amanhã estará na EOI de Vila Garcia às 20h e depois de amanhã na EOI de Ponte Vedra às 19h30. Quem perdeu a chance de vê-la em Compostela, agora tem a oportunidade de ouvi-la no seu melhor: com um público reduzido e entre alunos e alunas de português.

 

Livros à mostra em Vila Garcia

Livros é coisa que todos gostamos, lá isso é verdade. Uma exposição de livros pode soar um bocadinho bizarro à partida, mas quando se trata de livros lusófonos na Galiza, o assunto já começa a fazer mais sentido. Não resulta muito simples adquirir livros em português sem recurso à Net, para remediar o problema há iniciativas boas como a que aqui vimos apresentar: uma exposição de livros que está a ter lugar na Escola de Línguas de Vila Garcia durante os dias 11 e 12 de Janeiro, tudo por causa de uma parceria entre a Escola e a empresa Traz Traz, que vai ter como convidado o escritor Hugo Girão.

A empresa Traz Traz, com sede na Estremadura espanhola, é uma firma dedicada à difícil tarefa de aproximar Portugal a Espanha, fazem traduções, trâmites administrativos e são representantes da Cofina, uma das empresas de media mais importantes em Portugal, responsável entre outros por títulos tão importantes como o Record ou o Correio da Manhã. Mas a actividade principal é expor livros e outros produtos portugueses, contam com contratos com editoras das mais conceituadas como a Presença, a Bertrand ou Europa-América, um evento que de certeza fará as delícias dos amantes das letras.

Em companhia da morte

Depois do surpreendente “Entrelínguas” que nos descobriu pessoas a falar galego em províncias espanholas como Cáceres ou Salamanca, Filmes de Bonaval apresenta um novo documentário, com o que se deixa ficar claro que o grupo composto por João Aveledo, Eduardo Maragoto e Vanessa Vila Verde não foi sol de pouca dura e veio para ficar.

Hoje vamos colocar neste post uma outra assinatura convidada, esta vez não é uma crítica de cinema conceituada, mas são os próprios autores os que nos deixam aqui um pequeno resumo do conteúdo e do intuito do filme:

Algures nas montanhas ainda há famílias que sabem que falecer forma parte da vida, e dulcificam o pior de todos os contratempos com histórias sem cabimento na sociedade em que a morte é levada para longe dos nossos olhos, recluída em hospitais e tanatórios. Trata-se de histórias inquietantes em que o mais implacável inimigo humano se mostra em figuras compreensíveis para a mente das pessoas.

O acompanhamento é um dos nomes populares que ainda recebe um mito que a literatura galega renomeou como Santa Companha. Como as estântegas ou as candeias, trata-se de um sinal anunciador da morte. As pessoas que deles nos falam vivem longe da nossa maneira de ver a realidade, mas nem tanto das nossas casas. Onde habitam estas mulheres vestidas de negro que fogem da morte tratando-a por tu?

Para já temos uma data, a da estreia mundial, dia 28 de Novembro, na Escola de Línguas de Vila Garcia, pelas 19:00, não percam.

em companhia da morte

em companhia da morte