Não é degradê, é o brilho da Pongo

Este sábado é a grande final do Festival da Canção. Como confessei na publicação anterior eu torço pela dupla formada pelo Tristany e a Pongo.

Ok, talvez ainda estejas a te recuperar da surpresa de saberes que a Pongo é a menina e o Tristany é o rapaz. Acontece. Um dia falaremos também do Mia Couto e de muitas pessoas surpreendidas.

Pongo & Tristany não têm (ainda) muita popularidade na Galiza, mas hoje vais descobrir que já conhecias a Pongo. Só que tu não sabias disso. Escrevi esta thread na minha conta pessoal de Twitter onde comento alguns dados biográficos sobre a cantora e explico alguma referência angolana de uma das suas letras.

A Pongo não é degradê, ela toda tem intensidade e brilho.

Este pode ser o meu post do 8M onde sempre falo de mulheres que me inspiram? Pode. Sei que chega atrasado, mas chega.

Tenho muitos desejos em volta do conteúdo deste post:

  • que a Pongo chegue aos palcos de Turim
  • que faça uma digressão de concertos pela Galiza
  • que o kuduro seja um estilo musical mais conhecido nestas terras

Vejam o Festival da Canção amanhã na G2. Não se esqueçam da Lusofesta!

Lusofesta na TVG

Marquem nas vossas agendas: hoje temos #Lusofesta no canal de Twitch da TVG. Chegou um momento histórico, a TVG e a RTP de mãos dadas a retransmitirem o Festival da Canção 2022. A boa sintonia de galegos e portugueses aquando o Benidorm Fest deu os seus frutos e agora temos esta oportunidade que tanto pedíamos. Oxalá tenhamos num futuro ainda mais colaborações para a Paz Andrade ser uma realidade.

Esta noite temos só o começo, a primeira meia-final às 21h445. No dia 7 temos a outra meia-final e no dia 12 a maior gala de sempre, onde poderemos saber quem é que vai representar Portugal em Turim no Festival de Eurovisão. Este último evento poderemos segui-lo também no canal G2. Acompanharão estas galas Esther Estévez e Rodrigo Paganelli, caras conhecidas do DígochoEu e ApuntamentoLusófono, e também Manu Mahía e Ricardo Saavedra, dois jornalistas fãs de Eurovisão e especialistas portanto neste tema.

Nesta primeira fase vão concorrer:

  • Maro – Saudade, saudade (Maro)
  • Norton – Hope (Norton)
  • The Mister Driver – CaliSun (The Mister Driver)
  • Os Quatro E Meia – Amanhã (Tiago Nogueira)
  • Valas & Os Astronautas – Odisseia (Valas)
  • Aurea – Why? (Aurea)
  • Fado Bicha – Povo pequenino (Fado Bicha)
  • FF – Bom esperar alguém (FF)
  • Diana Castro – Ginger Ale (Joana Espadinha)
  • Kumpanhia Algazarra – A minha praia (Kumpanhia Algazarra)

O Lusopatia vai torcer por: Saudade, Saudade; Povo Pequenino e Amanhã. Estamos a ver que entre estas linhas há velhos conhecidos deste blogue, seja por terem vindo à Galiza em digressões ou por terem participado no Aritmar nas suas diversas edições.

Fado Bicha ainda não veio à Galiza, mas fizeram a música para a campanha da Joacine Katar Moreira (Livre).

Na segunda fase teremos:

  • Jonas – Pontas soltas (Fábia Rebordão)
  • Inês Homem de Melo – Fome de viagem (Pedro Marques)
  • Pepperoni Passion – Código 30 (Pepperoni Passion)
  • Vampiro Submarino – Ao lado de mim (PZ)
  • Os Azeitonas – Solta a voz e canta (Os Azeitonas)
  • Syro – Ainda nos temos (Syro)
  • Milhanas – Corpo de mulher (Agir)
  • Blacci – Mar no fim (Blacci)
  • Cubita – Uma mensagem tua (Cubita)
  • Pongo & Tristany – Dégrá.dê (DJ Marfox)

Neste evento temos os que, a meu ver, devem ser os ganhadores e representantes de Portugal: Pongo & Tristany. Uma canção que para mim representa o Portugal atual.

Há uma playlist do Spotify onde podem acompanhar todas as músicas. Vou deixá-la cá.

5 séries da Netflix na nossa língua

As pessoas que aprendem português perguntam muito como manterem o contacto com a língua durante as férias.

Por outro lado, quem tem conta na Netflix também me pergunta a maneira lusopata de otimizar a sua experiência.

Se tiverem oportunidade de viajar a algum país lusófono, estão de parabéns. Mas se as vossas férias forem um bocado menos ambiciosas, podem usar Netflix como ferramenta de aprendizagem.

Tenho cá uma lista de cinco séries que eu vi e gostei. Evidentemente, deve haver muita mais coisa no mundo Netflix, mas cá vai a minha recomendação lusopata. Uma vantagem destas plataformas é que podem parar, voltar a ouvir ou colocar legendas também em português. Na boa, sem pressas.

A seleção é propositadamente diversa: documentários, ficção distópica, ambiente musical vintage, uma série policial galega e uma série de animação LGBTIQ com a voz do Pabllo Vittar.

Contudo, ainda não temos exemplos de séries portuguesas. É pena. Espero bem que nos próximos anos tenhamos incorporações.

Para navegarem no painel e verem melhor podem expandir no botão da direita. Cada imagem tem informação adicional (+) e um trailer.

Conhecem alguma outra série? recomendam?

“Morangos com açúcar” é o fruto proibido que tu vais querer provar

Andei mesmo desligada estes dias por causa do trabalho e não consegui escrever sobre eventos bem interessantes que houve. Este sábado tocou mais trabalho, mas já com o alívio que supõe ter as férias da Páscoa perto.

Ontem soube que a série portuguesa Morangos Com Açúcar vai ser emitida na TVG2 de segunda a sexta às 19h30. Fiquei de boca aberta.

Quando a TVG e a RTP rodaram juntas Vidago Palace foi, acho, um facto importante para aquelas pessoas que pedem mais intercâmbios culturais entre as duas margens do Minho. Agora com a receção da série Morangos Com Açúcar avançamos um pouco mais nesse caminho.

Não sei se a TVG tem vendido direitos dalguma das suas produções à RTP alguma vez. Só sei, em conversas que tive com portugueses/as, que aquelas pessoas que conseguiam receber o sinal da TVG em Portugal, por estarem próximas da fronteira, viam alguns programas como o Xabarín ou Pratos Combinados. Não, o último exemplo não é o nosso melhor produto, eu sei, e há quem diga que o que de lá vem, Morangos Com Açúcar, também não é grande coisa. Mas antes de analisar o conteúdo ou qualidade da série, pensemos no que isto significa para nós: consumo cultural e achegamento à lusofonia. Começa a ser mais palpável a cooperação entre o audiovisual galego e o português e talvez isso dignifique a visão que nós temos da própria língua. Tomara que sim!

Por outra parte, a velha reivindicação da receção das tvs portuguesas na Galiza pode voltar a se ativar.

Explico um bocadinho o que é isso dos Morangos Com Açúcar para quem não souber.

Na TV Globo do Brasil existia (e existe ainda!) uma série tipo novela destinada ao público mais jovem: falo de Malhação. 26 temporadas de novela, amigas!. Eu tive catos que morreram em três dias! A TVI gostou do produto e decidiu fazer um formato similar em Portugal, assim nasceram os Morangos. A versão portuguesa não foi tão longeva quanto a brasileira, mas foi mesmo longa: 9 temporadas e mais de 2000 capítulos. De facto, até me atrevo a afirmar que foi a novela mais duradoura da tv portuguesa, sendo emitida na Rússia, no Brasil (paradoxalmente com dobragens em português brasileiro) e Angola. Esta é a nossa vez e a TVG decidiu emiti-la com legendas à galega (não sei se necessárias).

O formato da série, é normal, teve muitas variações. Começou nas primeiras temporadas com um argumento bem simples: casal de adolescentes que namoram no Colégio da Barra com os seus problemas típicos de betinhos. As histórias das personagens principais eram estabelecidas durante o ano letivo e resolvidas nas Férias de Verão. A cada ano letivo, o elenco da série era renovado ou algumas personagens eram mantidas de maneira episódica.

A partir da sexta temporada há uma mudança muito drástica: é eliminado boa parte do elenco anterior e o cenário é outro. Estavam na moda séries tipo Glee ou os filmes da High School Musical e os Morangos não quiseram ficar atrás. Assim, a novela começa a ser também um musical e muitos dos cantores/as pop que hoje são conhecidos em Portugal começaram a sua carreira nesta série, um exemplo é o David Carreira, o filho do Tony. De facto, há quem fale da Geração Morangos.

Falamos do valor linguístico e cultural, mas não queria deixar de parte o fator saudade. Rever a série é também voltar à década de noventa, que reconheçamos…durou até bem entrados os 2000. Crop-tops, madeixas, diademas de ziguezague, peças de roupa sobrepostas…assim é que éramos os/as adolescentes ou post-adolescentes daquela altura. Vejam só o visual do Pipo e da Joana.

Mordemos o fruto proibido?