António Zambujo na Ilha

Por enquanto ainda não tínhamos escrito nada da Ilha e não é por ela não ter festivais: O Festival do Norte e O Mar numa flor estão sedeados nesta pérola da ria. Já agora, permitam-me questionar o nome de Festival do Norte, Norte? é o Norte da Galiza a Ilha de Arouça? Enfim…falemos do Mar numa flor.
O Mar numa flor é um festival que decorre nos últimos dias de julho e fusiona arte, música e natureza. É desses eventos ainda jovens, porque a primeira edição data de 2015.
A Ilha de Arouça pode ser um lugar de referência de intercâmbio cultural no Atlântico e nesse sentido a capitã Uxía Senlle está à frente deste navio, que parece ser um irmão pequeno do Cantos Na Maré, tanto no espírito quanto na contratação de artistas.

Há pouco alguém criticava no fio do meu Facebook a contratação dos The Gift por parte da Câmara Municipal de Compostela. Por uma parte estava a questão (para algumas pessoas incómoda) de eles cantarem em inglês, por outra a pouca empatia da banda quanto à identidade da Galiza. Pronto, eu gosto muito da banda e não vou pedir a pessoas de fora que tenham mais compromisso do que nós próprios. Não acho justo. Também gostaria de sublinhar (mais uma vez) que na Galiza temos uma ideia muito reduzida (e até folclorizante) da música portuguesa atual.

Com isto quero dizer que gosto da existência de novos eventos que abram caminhos e ajudem a criar sinergias, mas esses novos eventos têm de trazer também novas vozes.

Qual é a proposta do Lusopatia? chegamos tarde para falar de Falua, mas ainda vamos a tempo de confirmar a presença do António Zambujo às 21h este sábado dia 29.

Lá vai um dos seus últimos clipes.

Anúncios

Compostela em festas

Em muitos países orientais ser impontual é uma coisa horrível. Eu também não gosto de pessoas que não chegam nas horas combinadas…pouco perdão tenho hoje. Queria há dias fazer um artigo sobre as festas em Compostela, mas umas férias improvisadas têm-me afastado do teclado por uns tempos.

Então, fiquem a saber que já não dá para eu falar de Selma Uamusse (Moçambique), Bixiga 70 (Brasil), Vânia Couto (Portugal) ou Celina da Piedade (Portugal). Andei nas nuvens…pelo menos ainda chego para vos dar três recomendações:

-dia 22, sábado, Maria Gadu (21h, Praça 8 de março). Quem não conhece o Shimbalaiê? Shimbalaiê é Maria Gadu. A cantora paulistana, criadora de grandes sucessos da MPB, virá a Compostela com um repertório de clássicos, mas também com o seu novo álbum no braço: Guelã.

-dia 24, segunda, The Gift (22h, Praça da Quintana). Necessitam qualquer apresentação? amamo-los e queremo-los sempre de volta. O grupo português com mais presença no mundo inteiro chega de Alcobaça à Quintana para fazer barulho e tocar teremim.

A máquina desta banda está bem azeitada e funciona muito bem. Altar é o seu novo trabalho e a verdade é que a canção Big Fish é dessas para dar pulinhos.

-dia 25, terça, Bifannah (22h, Praça da Quintana). Uma banda da Galiza sedeada em Londres com canções escritas na influência da poesia experimental portuguesa. Como não havia de falar deles? Maresia é o seu trabalho mais recente. Toques de psicodelia, atlantismo e tropicália.

The Gift na Festa do Marisco

O Concelho de Ogrobe fez da apresentação da Festa do Marisco outra festa mais. Na festa não há de faltar o ingrediente principal, isto é, o marisco e a boa música.

A Festa do Marisco é dessas veteranas no panorama de eventos galegos. Desde 1963 milhares de pessoas marcam presença nestas terras para experimentarem o bom sabor das lagostas, sapateiras, amêijoas… Os ecos da festa chegaram também a Portugal e há muitos portugueses de bom garfo que se deslocam até ao Salnés. Este motivo e o facto de os de The Gift serem uns habitués nos verões galegos fez com que a banda lusa estivesse dentro do programa, acho eu.

No sábado 8 de outubro, eles e os espanhois León Benavente sobem a palco.

Poucas bandas podem dizer que têm 20 anos de história juntas e The Gift é uma delas. Os de Alcobaça vieram para ficar.

Deixo-vos com este vídeo sobre eles.

The gift voltam a Compostela

the giftUma das bandas lusas mais internacionais volta a Compostela. É com incontido orgulho que gosto de falar dos The gift e faço-o porque acho que eles arvoram a bandeira do Portugal moderno e do sucesso internacional.

Dizer que os The gift são uma das melhores bandas portuguesas está fora de toda questão. Dogmaticamente digo que é assim e ao vivo são ainda melhores. Se com todas as vezes que cá vieram ainda alguém não os tem visto, por favor, façam agora: a música, a estética, o ambiente e…a voz (A VOZ, com maiúsculas!) de Sónia Tavares. Podem também ouvi-la no projeto Amália Hoje (álbum com fados à luz da sonoridade pop)

Em 2012 a banda de Alcobaça lançou o seu álbum mais recente, talvez avancem neste concerto algum tema novo em que estejam a trabalhar. Sabe-se lá…

Amanhã, dia 30 de maio, sobem a palco no Recinto Feiral de Ámio. Depois de terem tocado no local da Festa do Queijo de Arçua, esta experiência de desautomatização da arte não há de ser nova para eles. Estão no cartaz com The National e os galegos Best Boy. Esperemos que o festival Lapso se repita num breve lapso de tempo.

The Gift e Paus na Sala Capitol

A Sala Capitol em Compostela é já um referente de eventos musicais na Galiza, mas nestes últimos tempos tem oferecido uma programação musical que inclui o melhor da música de Portugal e do Brasil. Não há muito falávamos das Cansei de Ser Sexy, dos A Jigsaw…

The GiftNesta semana há dois encontros musicais muito recomendáveis. Na sexta vêm os The Gift (21h30). Não é a primeira vez da banda de Alcobaça na Galiza, já tivemos oportunidade de vê-los no Vigo Transforma, no Port-América…e agora voltam à Sala Capitol com temas do álbum Explode:

indexNo dia a seguir, no sábado (20h), teremos a oportunidade de ouvir os Paus. Eles chegam à Galiza no âmbito do Primavera Sound Touring Party, um programa de atuações associado ao festival Primavera Sound.

Paus é uma banda conformada por pessoas que tocam noutras bandas e que talvez conheçam. A propósito desta investida no mercado internacional, os Paus editam este mês um vinil com as músicas «Bandeira Branca» e «Negro», tema feito para a curta-metragem «Ponto Morto», de André Godinho.

The Gift

Antes de que a “Associação de Danificados pela Falta de Bilhetes de Concertos Anunciados no Lusopatia” nos ponha uma queixa-crime, vamos colocar um post sobre os The Gift, não porque seja uma das minhas bandas favoritas, mas porque na próxima quinta dia 2, de hoje a oito, têm concerto marcado no Teatro Principal de Compostela.

Pois é amigos, os The Gift voltam aos palcos nacionais depois de terem marcado presença o ano passado no Vigo Transforma. É bom não perder esta oportunidade, pois a banda de Alcobaça são junto como os Buraka Som Sistema, a formação de música popular mais cotada fora daquele rectângulo. Para quem não conheça eles fazem música pop-alternative e levam no activo desde 1994, embora só tenham saltado à ribalta portuguesa em 2004, quando a Antena 3 decidiu apostar em força no single “Driving You Slow”, foi todo um sucesso. Em 2006 chegou o seu primeiro grande hit cantado em português “fácil de entender”, nos últimos dois anos lançaram dois álbuns e o concerto vai estar dedicado na primeira parte ao “Explode” e a segunda ao “Primavera”, que foi gravado há pouco quase na íntegra no CCB.

Uma outra coisa boa para comentar é que a capa do Explode foi eleita na 27ª posição entre as capas de discos de 2011 pelo site Art Vinil, é linda mesmo, confira aqui.

Para quem não puder ir por ser uma quinta-feira, sim, ainda há pessoas que têm emprego, os nossos The Gift continuam digressão pelo mundo fora, dia 3 de Fevereiro em Arcos de Valdevez, 10 em Vila Real e 25 em Braga, por dizer locais bem aqui ao lado, não percam, são bons, garantidamente.