Sabe Deus pintar o diabo

Sabe Deus Pintar o Diabo-02-50Abel Neves vem amanhã a Compostela com a companhia do Teatro de Braga para encenar a peça Sabe Deus pintar o diabo.

Para aquelas pessoas que desejarem ir, fiquem a saber que é amanhã, às 20h30 no Salón Principal, em Compostela.

Na peça é representada a história de dois amigos de circunstância que se julgam “portadores de uma razão capaz de dar acerto ao mundo” e que se entenderam para jogar um “jogo de extermínio”. Eles fecham-se no último andar de um prédio e decidem ser os autores do fim do mundo. Conseguirão acabar com ele? só vão saber se lá forem.

Troca por troca

troco x troco

É assim como o povo diz quando quer dar uma coisa por outra,  sem que haja qualquer outra compensação, e é assim como o governo galego apresentou um projecto de circuito organizado de teatro entre a Galiza e Portugal, devia ser o natural, não devia ser notícia mas infelizmente é, e ainda bem. Quatro teatros galegos, quatro salas portuguesas e oito companhias de ambas as margens do Minho participam neste programa com 32 representações que decorrerão neste outono e ainda no primeiro semestre de 2014.

As companhias vão entrar em palco em Narón, Ourense, Compostela, Tui, Braga, Coimbra, Évora e no Porto. O protocolo foi já assinado entre a Agência Galega de Industrias Culturais, o Centro Dramático Galego e a Cena Lusófona- Associação Portuguesa para o intercâmbio teatral. Os eventos visam recuperar (se é que alguma vez houve) e normalizar as relações entre as cenas galega e portuguesa, para conseguir que o diálogo teatral possa transcender o âmbito exclusivamente profissional e envolva também o público.

Para além do acto institucional de apresentação no Salón Teatro da capital, no que nos diz respeito,  entre as companhias portuguesas que nos visitarão, destaque para a Companhia de Teatro de Braga que vai chegar à Galiza com as peças “Concerto “a la carte””, do dramaturgo alemão Franz Xaver Kroetz e “Sabe Deus Pintar o Diabo”, texto inédito do Abel Neves estrito de propósito para a Companhia de Teatro de Braga, e para a Seiva Trupe, a companhia portuense traz-nos “Adivinhe que vem para rezar”, do autor brasileiro Bid Carneiro Neto. As companhias A Escola da Noite e o Cendrev participarão no TrocoxTroco com espectáculos que serão estreado na próxima temporada teatral.

O projecto começou a ser desenhado no início deste ano, e desde um começo contou com uma participação muito activa dos oito teatros envolvidos numa iniciativa que, em tempos de grande depressão, procura a racionalização da gestão administrativa no âmbito da difusão e distribuição do teatro. Ainda falta um bocadinho para que cheguem mas façam marcação nas vossas agendas, confiram aqui locais, dias e horas.

Deixo aqui um pequeno excerto de uma das mais bem sucedidas peças da única companhia que já vi e recomendo, a Seiva Trupe.

 

 
 

Mire e veja amanhã em Compostela

São 24 histórias curtas, fragmentadas e entrelaçadas, que falam da vida na metrópole e de pessoas de diversas origens e classes sociais que nela habitam. Com cerca de 30 personagens que não se encontram, as histórias encadeiam-se como flashes no tempo impossível de São Paulo. Um mosaico a partir do qual é possível vislumbrar uma parte desse universo tão densamente povoado pela diversidade.
Mire Veja é uma livre adaptação de eles eram muitos cavalos, livro de Luiz Ruffato contemplado com os prémios APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e Machado de Assis (Biblioteca Nacional). Decorre das duas criações anteriores (O Ó da Viagem e Antigo 1850), fechando um ciclo e formando uma trilogia. Depois do sertão nordestino e das áreas periféricas urbanas, em Mire Veja chega-se ao coração da metrópole, num zoom sobre histórias de vida de pessoas anónimas. Estreou em 2003 na Mostra Oficial do Festival de Teatro de Curitiba e recebeu no mesmo ano os prémios APCA (melhor espetáculo) e Shell (Categoria Especial – por sua conceção e criação).

Pois é amigos, depois deste prefácio, que pôde ser resultado um bocado chato e técnico, eis que tenho boas notícias, a companhia paulista Teatro do Feijão vai encenar esta peça em Compostela, no Salón Teatro da capital nacional o dia 5 às 20:30. As boas notícias partem muitas vezes de uma assim assim, desde que Manuel Guede voltou a dirigir o Centro Dramático Galego está a apostar em parcerias com instituições portuguesas, nomeadamente com o colectivo Cena Lusófona, entre outros motivos (espero que não sejam únicos) pela dramática situação económica do C.D.G, e assim preencher a programação do único!!! (vejam lá) espaço para o teatro propriedade do governo da Galiza.

Depois do desabafo, relaxem, e quem puder que vá ao teatro amanhã, terça é um dia bem bom (como todos os outros) para a lusopatia.