Curtocircuito 2016

curtocircuito-2016-8734e0fb

O regresso às aulas é definitivo, mas estamos a viver uma época um bocado estranha. Está um calor de morrer em Compostela e aquela visão outoniça da locomotiva das castanhas ainda não apareceu. O guarda-chuvas continua no bengaleiro e os casacos…pronto, os casacos nem vê-los!

Ainda bem que voltou o Curtocircuito para nos lembrar a realidade: outubro está mesmo pertinho. Entre 3 e 9 do corrente mês teremos uma boa seleção de filmes para ver.

Como é costume, faço-vos uma seleção das curta-metragens lusófonas.

Nas secções que vão a concurso, temos:

  • Radar 1, 3 de outubro, Teatro Principal, às 20h15.

Excursões, Portugal-Canadá. Uma curta sobre guias turísticos, Lisboa e encontros por acaso.

O pássaro da noite, Portugal-França. A curta-metragem mais esperada por mim. Cada vez que visito Lisboa tento ir ao Finalmente, um local onde atua Fernando a.k.a. Deborah Krystal. Esta curta fala-nos da sua vida e metamorfoses.

deborah-manchete

  • Radar 4, 7 de outubro, Teatro Principal, 20h15.

NYC 1991, Portugal. Filmada em super 8 na cidade de Nova York em 1991, poderemos ver graças a esta curta todos os passos que a nossa sociedade deu.

  • Radar 5, 8 outubro, Teatro Principal, 20h15.

A brief story of a Princess X, França-Portugal-Reino Unido. Trata-se de uma breve história sobre a escultura do mesmo nome, Princess X, do escultor Constantin Brancusi. Vejam a foto…não, não vou dizer mais nada.

download

 

Nas secções fora do concurso, temos também:

  • Explora 2, 4 de outubro, Teatro Principal, às 18h30.

Cabeça d’asno, Portugal. Um exercício experimental que mistura a narrativa de um diário com um ensaio sobre a natureza das imagens.

  • Explora 3, 5 de outubro, Teatro Principal, 18h30.

Exodus, Portugal- Países Baixos. Uma evocação da paisagem e das viagens onde Provost parece andar. A técnica é quase como a de uma apresentação de slides.

An aviation field, Portugal, Brasil, EUA. A história de um campo de aviação na periferia de algum lugar desconhecido.

 

Em secções paralelas temos toda uma seção dedicada à brasileira Ana Vaz, que já apareceu pela Galiza com motivo do Play-Doc. O Curtocircuito recolhe em duas sessões a obra completa da brasiliense, sempre em volta de duas linhas temáticas: o ambientalismo e o colonialismo.

Assinalo-vos aqui as obras onde o Brasil ou Portugal é produtor.

  • Púlsar Ana Vaz 1, 5 de outubro, Numax, 22h.

Sacris Pulso: baseada no texto Brasília de Clarice Lispector, a curta-metragem dá conta do positivo e negativo da história da cidade, sempre a caminho entre a memória e o esquecimento.

A Idade da Pedra, França-Brasil. Uma viagem ao extremo ocidental do Brasil leva-nos a uma estrutura monumental. Curta-metragem inspirado na construção épica da cidade de Brasília.

  • Púlsar Ana Vaz 2, 7 de outubro, Numax, 22h

Occidente, França-Portugal. Este foi o documentário que passaram no Play-Doc. Podem ler o argumento cá.

Amérika, Bahía de las Flechas, Brasil- República Dominicana. Uma história ambientalista do marco da baía de Samaná aonde, pelos vistos, Colombo chegou e foi recebido por montes de setas enviadas por índios taínos. O antes e o depois com a câmara como flecha.

 

Noutras secções especiais haverá um espaço para o português Pedro Maia onde poderemos ver toda a filmografia dele.

No Numax no dia 6 de outubro às 20h haverá uma sessão inteira dedicada ao autor para ver: Memory, Arise (Zona), Plant in my head, Love & Light, Dare-Gale, Inventário, You and I, e Drowned in the water light.

Outra das secções especiais é SexTapes, onde são exibidos filmes que visam fazer-nos refletir. Dentro disto, está Spunk do português António da Silva. Trata-se de uma obra experimental onde os protagonistas realizam as suas fantasias sexuais. Poderemos ver esta obra no Numax o dia 5 às 20h.

 

Mas o Curtocircuito não é apenas cinema, é também música e eventos.

Equations é uma banda que já esteve connosco no ano passado no Wosinc. Esta vez os portuenses repetem, voltam a Compostela para tocar o seu  space rock e pop psicadélico. Podem ouvi-los no dia 8 na Sala Capitol às 21h30.

inkomodoNo dia 7 de outubro, no Riquela Club, poderemos ir ao concerto dos Dragão Inkómodo. O coletivo La Melona volta ao ataque e traz esta banda de Lisboa. No seu Bandcamp, é notório o uso (des)equilibrado de colagens de som, algum plunderphonics e muito nonsense.

Começam a tocar na meia-noite.

O Vila do Conde Soundsistem é um evento que tratá o melhor da música do festival de cinema de Vila do Conde ao Riquela Club da rua do Preguntoiro. Miguel Dias e Sérgio Gomes espalharão os ritmos do ghetto-funk, glitch-hop e future beats o sábado 8 às 02h30.

 

Depois disto…não falem de aborrecimento. Apaguem essa palavra do vosso vocabulário!

Anúncios

Cuca Roseta em Compostela

Cuca RosetaConheci a figura de Cuca Roseta há uns tempos com o filme Fados de Carlos Saura. Esta colaboração, como nos melhores casos, nasceu por acaso quando o Carlos Saura viu Cuca numa casa de fados.

Tinha o nome dela um bocado esquecido até que um dia, não recordo quem, alguém me disse que uma fadista portuguesa tinha feito um dueto com David Bisbal. Pelos vistos a colaboração foi mesmo famosa (eu sem saber, porque ando noutro mundo). Se por cantar com o Pablo Alborán, mais pessoas conhecem o fado e a Carminho, também me terei que alegrar por isto. Bom, fora destes comentários de revista Lux, tenho que dizer-vos que a Cuca Roseta é conhecida por ser “a nova voz do fado”e dar-lhe aquele toque pessoal que o torna (se isto for possível) ainda mais universal. Entre os dados da sua carreira, temos que destacar que tem colaborado o Tiago Bettencourt nos Toranja e também atuou no Festival RTP da Canção.

resize.phpNesta semana chega à Sala Capitol em Compostela no MusicShowCase que organizam na sala. Estará a partilhar cartaz com os também lusopatas e brasilegos Sérgio Tannus Trio. Como podem ver na imagem, os concertos começam às 18h. Os bilhetes custam 10 euros se os comprarem com antecedência e 13 se forem à bilheteira.

Vamos ouvir agora a voz da Cuca e deixar que ela nos leve a Lisboa.

The Gift e Paus na Sala Capitol

A Sala Capitol em Compostela é já um referente de eventos musicais na Galiza, mas nestes últimos tempos tem oferecido uma programação musical que inclui o melhor da música de Portugal e do Brasil. Não há muito falávamos das Cansei de Ser Sexy, dos A Jigsaw…

The GiftNesta semana há dois encontros musicais muito recomendáveis. Na sexta vêm os The Gift (21h30). Não é a primeira vez da banda de Alcobaça na Galiza, já tivemos oportunidade de vê-los no Vigo Transforma, no Port-América…e agora voltam à Sala Capitol com temas do álbum Explode:

indexNo dia a seguir, no sábado (20h), teremos a oportunidade de ouvir os Paus. Eles chegam à Galiza no âmbito do Primavera Sound Touring Party, um programa de atuações associado ao festival Primavera Sound.

Paus é uma banda conformada por pessoas que tocam noutras bandas e que talvez conheçam. A propósito desta investida no mercado internacional, os Paus editam este mês um vinil com as músicas «Bandeira Branca» e «Negro», tema feito para a curta-metragem «Ponto Morto», de André Godinho.

Cansei de ser sexy em Compostela

css-plantaNão, o título do artigo não é um alegato transgressor em primeira pessoa. Cansei de ser sexy é uma das bandas brasileiras com maior repercussão internacional e esta próxima semana chega à capital nacional.

CSS é uma dessas bandas em que ninguém sabia tocar instrumentos, exeto uma pessoa. Este facto e o nome escolhido fazem da formação uma herdeira do punk, na minha opinião.

Através do seu Fotolog (lembram-se do Fotolog?) começaram a espoletar. Depois disso começaram a criar canções que incluiam nomes de celebridades como “I wanna be your J.Lo” ou “Meeting Paris Hilton”, música que a própria Paris incluiu no seu reality. A partir de aí chegou o sucesso.

Eu descobri a banda graças ao hit Alala e a uma confusão. Sim, confundi Alala, com Alalá e entre isso e o nome da banda, pensei que a formação era galega. Alguém teve a mesma confusão? Eu adoro essa música,  nunca falta na minha playlist. O video foi dirigido por Cat Solen, e mostra a banda em uma briga mortal em efeito inverso. A temática em si foi simples, só que foi usado em diversos personagens do clipe e da banda uma forte maquiagem em efeitos decaptativos e luxativos, podendo até se confundir com um filme de horror ou terror.

Esta quarta às 21h30, na sala Capitol em Compostela. Eu não vou perder!

Concerto de fado

A aprendizagem do português não só dá como fruto um bom domínio da gramática, quem já estudou numa EOI sabe disto. Cada turma é uma nova rede de amizades unida por um interesse comum, por outras palavras, cada turma é uma ilha lusópata.

Contaremos as coisas do início. Tudo começou quase como uma queixinha, sempre há quem dedure. O pessoal de básico de português da EOI de Compostela soube um dia que entre eles havia uma menina cantora de fados. Imaginem que grande sorte, estudar uma língua e ter essa oportunidade tão perto. Sara de Sousa tinha que cantar. Assim é que se inicia a ideia de fazer um concerto. De facto, o espetáculo é organizado pelo alunado da EOI.

Sara de Sousa, Paulo Gomes e António Reis conhecem-se de Meta-fado, projeto onde colaboram muitos fadistas galegos e portugueses. Uma ideia que visa derrubar muros culturais e espalhar o amor por este género musical, recentemente declarado património da humanidade. Os três têm uma dilatada experiência nos palcos por separado, mas só estão juntos há pouco, por isso não dispomos de material audiovisual da banda inteira, infelizmente.

O concerto será esta quarta, na Sala Capitol, pelas 21.30. Podem comprar os bilhetes (3 euros) na ReixaTenda.

Diz a canção que um “peito que canta o fado/tem sempre dois corações”. Façam contas esta quarta com a Sara.