Festival de Poesia no Condado

Entre 1 e 2 de setembro decorre um dos festivais mais representativos do fim do verão, porque…assumamos…as férias não vão durar sempre. O Festival de Poesia no Condado não é apenas a maior mostra de lírica do ano, é um evento multidisciplinar: audiovisual, artesanato, exposições e música.

Amanhã, dia 1, teremos em Salvaterra às 20h30 a apertura de exposições que contam com projetos de Clara Não e Mariana Malhão entre outras. Clara Não é uma ilustradora, escritora, desenhista, escultora e performista do Porto. Mariana Malhão é desenhista e ilustradora de Coimbra. Deixo-vos com uns exemplos dos seus trabalhos que para mim foram um achado, agora que voltei a brincar com a minha caixinha de aguarelas e que ando na procura de referentes femininos.

Já na noite às 23h poderemos ir ao concerto dos Baleia, baleia, baleia. Esta banda do Porto faz música tipo punk-rock e foi para mim uma coisa nova.

Li sobre eles que «pegam nos elementos mais alegres e coloridos que o rock alguma vez engendrou, agitam-nos numa garrafa com gasosa e tiram a tampa para molhar toda gente». Promete dar barraca…

https://youtu.be/xP7M8RP4fCc

No segundo dia de festival, entre música e poesia, há a projeção do documentário Mulheres da Raia de Diana Gonçalves às 19h.

Apanhem as suas trouxas e vão lá, que isto vai começar!

10.000 russos em Compostela

Não, isto não é uma invasão de sovietes. Por vezes parece que o universo liga as coisas do meu passado mais imediato. Há pouco tempo estava a falar da Rússia e agora…

O sugestivo nome de “10.00o russos” pertence a uma banda portuense de rock psicadélico. Coisas da criação de nomes mediante a técnica do cadáver esquisito.

10000

O batalhão de 10.000 russos é realmente formado por duas pessoas: Pedro Pestana, na guitarra, e João Pimenta, voz. Segundo os próprios membros da banda, 10.000 russos é “o equivalente sonoro a uma aldeia do centro da Europa que é atacada por Hunos”. A coisa não podia ser mais vintage, porque o projeto nasceu com uma cassette com 4 temas gravados. Sim, cassette, o universo hipster é mesmo assim: “O CD está completamente morto e o vinil era demasiado caro para uma edição pequena. Optámos pela cassete, porque nos remete para um lado DIY [do-it-yourself]”.

Suponho que a austeridade, o cinema e os ares de Leste são algumas das influências desta experiência musical eclética. Deixo-vos com esta canção. Escolhi-a porque no título aparece a palavra Spartak e foi impossível não me lembrar do meu adorado Moscovo.

Amanhã, dia 17, no Bar Embora às 21h. Não percam, tovarish!

 

 

Pega Monstro em Burela

Não há duas sem três, é claro. O Festival Osa do Mar em Burela sagra-se nesta terceira edição como o festival de música underground da Galiza. Longe de ser um fenómeno esporádico, uma terceira edição já demonstra um assentamento e interesse no público.
O cartaz deste ano é também muito variado e há grandes nomes de músicos/as da Galiza, junto deles encontramos as Pega Monstro, banda de Lisboa que são “habitués” do verão galego.
Conhecemos as Pega Monstro por terem estado no Festival da Poesia do Condado e no Wosinc.
As irmãs Júlia e Maria Reis estão a ganhar um espaço cada vez maior no garage internacional. O som do seu último disco, “Alfarroba”, é um rock direto, descarnado e sujo, uma estética que a Galiza não está habituada a ver da mão de cantores/as portuguesas. Ainda bem que existem festivais que fazem contratações variadas que saem do comum de samba-fado-fado-samba.

Pega Monstro faz letras diretas que nos fazem revoltar. Poeira nos olhos, baldes de água fria.

Deixo-vos com És tu, eu sei: “E és tu, já sei, não vou foder com mais ninguém”


<p><a href=”https://vimeo.com/133539040″>PEGA MONSTRO &Eacute;s Tu, J&aacute; Sei</a> from <a href=”https://vimeo.com/user4542559″>Nuno Leal</a> on <a href=”https://vimeo.com”>Vimeo</a&gt;.</p>

Sábado 20, em Burela.

Escola do Rock de Paredes de Coura em Vigo

image

Paredes de Coura é conhecido por ter um dos melhores festivais deste mundo, mas talvez não saibam que este município vai muito à frente em muitas outras iniciativas.

A “Escola do Rock” é um projeto municipal que foi desenhado e tem a direção artística do Space Ensemble, permite a um conjunto de músicos portugueses em potência, desenvolver competências musicais e criativas, em especial na área da música rock.

Em volta desta escola há pequenos concertos, workshops, ensaios e muita experimentação. Já agora, tenho que dizer que a página tem um design impecável. Quanto temos que aprender!

A partir deste projeto nasce uma tour com o mesmo nome, um espetáculo que tem já circulação confirmada na Galiza, proporcionando assim uma hipótese única aos músicos participantes de entrar em digressão por algumas das melhores salas de além e aquém Minho.
O senão que uma pessoa como eu pode ver nisto é o espetáculo ser no mesmo dia que os Cantos na Maré, porque eu, sinceramente, gostava de ir às duas coisas. Programadores e programadoras culturais, por favor, amai-vos e uni-vos!

Voltamos ao ponto. A Escola do Rock estará em Vigo no sábado às 19h no Auditório Municipal. Vai dar barraca, migas!

<p><a href=”https://vimeo.com/117187676″>Escola do Rock [ Rock School ] Paredes de Coura 2014 (English subtitles)</a> from <a href=”https://vimeo.com/canal180″>Canal180</a&gt; on <a href=”https://vimeo.com”>Vimeo</a&gt;.</p>

Linda Martini

Linda-Martini3Uma das coisas bizarras que eu faço (e tenho muitas bizarradas) é colecionar músicas que falem de olhos no título. Nessa lista que tenho no Spotify e que guardo como um tesouro, há músicas como My father’s eyes, Dois olhos negros, Aquellos ojos verdes…Tenho mais de 120 canções.

Um dia, tentando engrossar essa coleção, dei com um álbum: Olhos de Mongol, de Linda Martini e aí…tive que criar uma nova playlist só para esta banda.

Linda Martini pertence ao novo rock português. De tempos em tempos surgem bandas como esta que evidenciam que a música portuguesa é um projeto aberto, grande e experimental que é capaz de envolver muitos estilos. Eles têm a força trovadora dos Toranja, as guitarras pungentes dos The Vicious Five e o experimentalismo dos Paus.

Longe das comparações que a crítica faz com os Ornatos Violeta, o tema Amor Combate foi um habitué das horas de música da Antena 3, estação que já agora, recomendo vivamente para estarem a par de todas as tendências e festivais.

No dia 24, na Quintana às 22h Dá-me a tua melhor faca e Dez tostões.