6 filmes da Netflix na nossa língua

Lá por julho escrevemos um post especial com dicas da Netflix. O intuito era treinar a nossa compreensão oral noutras variedades da língua. O artigo teve muito sucesso e a empolgação trouxe novas ideias. Portanto, hoje estamos cá para falar sobre filmes.

Esta é uma recomendação de seis filmes que eu vi e gostei, porque não me atrevo a falar sobre aquilo que não visualizei. Sei que há mais opções e até podem falar-me nos comentários doutras obras que tenham visto.

Se já viram outros posts com animações minhas, sabem que há uma maneira de navegar por eles: podem expandir no botão da direita. Cada imagem tem informação adicional (+) e um trailer.

Tentei que a seleção fosse bastante variada quanto a géneros: biopics, documentários, ficção científica, romance… Infelizmente, só encontrei filmes brasileiros. Espero que, aos poucos, mais países da CPLP tenham produção na Netflix.

Quem é que faz as pipocas?

Arthus Fochi em Compostela

Arthus Fochi estará amanhã em Compostela no Festival Feito a Man. Poderemos vê-lo às 21h na Praça da Quintana (se chover, no Teatro Principal). Trata-se de um carioca filho de pai guarani paraguaio e suponho que destas raízes vem a sua curiosidade musical e vontade de fusão com os diversos países da América do Sul. A sua criatividade de poeta-cantor passa pela música brasileira, o jazz e o rock.

O compositor faz a sua primeira turnê pela Europa, com paragens em Lisboa, Compostela e o Porto. É, portanto, a sua primeira vez na Galiza.

No Brasil tem uma carreira assente, com três álbuns publicados: Êxodo urbano, Suvaco do mundo e atualmente trabalha na divulgação de Arthus Fochi e os Botos da Guanabara, gravado ao vivo. Contudo, em Compostela os e as espetadoras verão um trabalho mais intimista com o espetáculo Ano Sabático: um projeto em parceria com outros músicos graças ao qual tocará com o produtor musical e pianista Guilherme Marques.

5 séries da Netflix na nossa língua

As pessoas que aprendem português perguntam muito como manterem o contacto com a língua durante as férias.

Por outro lado, quem tem conta na Netflix também me pergunta a maneira lusopata de otimizar a sua experiência.

Se tiverem oportunidade de viajar a algum país lusófono, estão de parabéns. Mas se as vossas férias forem um bocado menos ambiciosas, podem usar Netflix como ferramenta de aprendizagem.

Tenho cá uma lista de cinco séries que eu vi e gostei. Evidentemente, deve haver muita mais coisa no mundo Netflix, mas cá vai a minha recomendação lusopata. Uma vantagem destas plataformas é que podem parar, voltar a ouvir ou colocar legendas também em português. Na boa, sem pressas.

A seleção é propositadamente diversa: documentários, ficção distópica, ambiente musical vintage, uma série policial galega e uma série de animação LGBTIQ com a voz do Pabllo Vittar.

Contudo, ainda não temos exemplos de séries portuguesas. É pena. Espero bem que nos próximos anos tenhamos incorporações.

Para navegarem no painel e verem melhor podem expandir no botão da direita. Cada imagem tem informação adicional (+) e um trailer.

Conhecem alguma outra série? recomendam?

Zuco 103 e Bnegão em Caldas

Num novo município, mas com a mesma filosofia: volta o Portamérica.

Havia tempo que este evento tinha sido deixado de parte e agora poderemos desfrutá-lo em Caldas de Reis. Como se fossem bonecas russas, este ano o festival está encaixado dentro do programa do Cultura Quente. Boa cozinha, música e projetos criativos não hão de faltar no carvalhal.

Há pouco vi o programa de um festival galego que se chama Atlantic Fest e fiquei um bocado brava…porque realmente o catálogo de artistas não tinha nada de atlântico. O Portamérica visa ser um portal entre a Galiza e a América Latina e realmente cumpre essa promessa. A proposta lusopata deste ano faz-me muito (muito) feliz. Temos duas bandas bué de fixes: Zuco 103 e BNegão & Seletores de Frequência.

Zuco 103 não é uma banda brasileira…e tanto faz! Radicados na Holanda e com líder brasileira (Lilian Vieira) o grupo tem influência de electro-pop, samba e bossa nova. “Outro lado”, “Treasure” ou “Nunca mais” foram os meus mantras universitários, numa fase de música eletrónica que eu tive (quem nunca…?). Eles são os criadores de um estilo novo: o brasilectro.

Deixo-vos com o vídeo de “Na Mangueira”. Podem permanecer com os pés quietos? impossível!

Bnegão poderia ser confundido com uma sigla política, mas é o nome artístico do carioca Bernardo Santos. O rap e o hip hop são a sua praia. Ele foi, junto com Marcelo D2, um dos vocalistas do grupo Planet Hemp, lembram-se? Quando largou a banda fundou BNegão & Seletores de Frequência, desta vez misturando rap, hardcore, dub e funk, com letras carregadas de crítica social.

Ouçam, na íntegra, o álbum Sintonize lá.

E esta toda maravilha quando vai ser? esta sexta!

 

Gabi Buarque nas Crechas

Esta semana na Casa das Crechas em Compostela haverá dois concertos lusófonos. Vamos começar pelo primeiro e guardo a surpresa para o segundo. Então, fiquem a saber, amanhã estará a cantora carioca Gabi Buarque às 22h.

Gabi foi dessas crianças prodigiosas, já nos verdes anos cantava num coro na escola. Aos 17 anos ela começa a cantar profissionalmente, inicia a faculdade de Desenho Industrial e o Curso Técnico de Canto Popular. Não faltou muito pra que a música falasse mais alto. No entanto, concluiu ambos os cursos e desde esta época só vive de música: gravações, shows, eventos e aulas de canto.

Em 2011 publica o seu primeiro trabalho “Deixo-me acontecer” e em 2014 temos o seu segundo disco, “Fiandeira”. Atualmente,  a cantora e compositora carioca está imersa numa turnê internacional que a trará até nós amanhã.

Amanhã…deixem-na acontecer…

 

Rodrigo Amarante

Rodrigo Amarante é um nome que talvez não vos diga muito a priori, mas ele é integrante da banda carioca Los Hermanos. Aí já deveriam começar a tirar conclusões.

Los Hermanos é uma das formações independentes mais conhecidas no Brasil. Ska, punk e rock são as suas influências.


Atualmente, o Rodrigo Amarante faz carreira a solo e com muito bons resultados. É compositor e intérprete da canção Tuyo da série de Netflix Narcos.

O seu último disco, Cavalo, está cheio de nostalgia e canções com um toque de mistério.

Deixo-vos com esta canção, Tardei. Desculpem a formatação, que isto seja um link, mas estou a escrever o post com o telemóvel ainda não descobri como fazer embeed de vídeos…

https://youtu.be/H-rZgarPTdA

Hoje no Riquela, em Compostela, às 20h30.