Toques do Caramulo em Redondela

image Em novembro do ano passado os Toques do Caramulo apareciam entre as linhas deste blogue por vez primeira. O que eu não sabia é que eles andavam a fazer uma pequena digressão pela Galiza que ia durar até estas datas. A banda de Águeda chega a Redondela no marco do evento Rede de músicas soltas.

O melhor da música serrana volta à Galiza neste sábado 16 de abril no Auditório da Junqueira, pelas 21h.

A cumprir 15 anos de estrada, os Toques do Caramulo reinventam-se continuamente, fazendo música nova das velhas cantigas e levando o público a surpreender-se com o repertório esquecido da Serra do Caramulo. Com amplo reconhecimento nacional e internacional, este é um espetáculo de forte energia musical e interação com o público, fazendo de cada concerto uma grande festa para todas as idades.

Deixo-vos este vídeo. Achei um cenário muito fofo…

 

 

 

Coladera em digressão

wp-1455549430072.jpgA banda brasileira Coladera começa nesta semana uma pequena digressão pela Galiza. Casa das Crechas (Compostela), Arca da Noe (Vilar de Santos), Rede de músicas soltas (Redondela), A casa colorida (Nigrão) já estão a preparar os seus palcos.

O discurso musical da banda vai desde a música brasileira e cabo-verdiana ao jazz e flamenco. A equipa formada por João Pires, Vitor Santana  e Marcos Suzano fusiona três mundos com a língua portuguesa como veículo.

Portugal, Rio de Janeiro e Belo Horizonte misturam-se com Cabo Verde no mais novo voo destes três músicos.

Coladera, nome escolhido para o projeto, é um estilo musical e de dança cabo-verdiano e uma das matérias-primas do disco e da cultura daquele país.

A música autoral brasileira de Vitor Santana, a música ibérica e lusofónica do guitarrista e compositor português João Pires e a experiência e modernidade do conceituado percussionista brasileiro Marcos Suzano dão ao disco um acabado perfeito, fazendo da obra um cd de altíssima qualidade.
Confiram nas datas e lugares e não percam esta delícia para os ouvidos.

Olive Tree Dance em Redondela

CARTEL-FESTIVAL-MILLO-VERDE-2015-2-03Uns com tanto e outros com tão pouco. Redondela não pára. Não deixa de programar coisas interessantes, desde um festival internacional de títeres a um festival musical alternativo.

O Festival Alternativo Milho Verde vai pela nona edição. Música, grafitti, ateliês, danças africanas…constroem o bom ambiente deste evento em Chao das Pipas.

O cartaz inclui bandas galegas como Sancha na Horta e também portuguesas como Olive Tree Dance. Estes são uma banda do Porto, que já tocaram em Redondela em épocas anteriores ao nascimento deste blogue.f32d2e57-609b

O trio fusiona música jazz, afro-brasileira com música eletrónica. Pelos vistos, a primeira atuação deles no festival foi todo um sucesso e nesta edição os organizadores cairam na tentação de convidá-los novamente.

Olive Tree Dance faz música orgánica com didgeridoo, melodias diferentes que estão fora das rádio-fórmulas e acabam com uma grande dança grupal. Energia positiva para este sábado 13.

XVI Festival Internacional de Títeres de Redondela

11146491_10153287375347431_2170157695834032795_nÉ já um clássico e para nós é sempre uma magnífica notícia comprovar a continuidade que este festival tem ano após ano. Não deve ser fácil manter um festival assim nas condições em que está a ser tratada a cultura na Galiza. E o teatro de marionetas é a margem da margem…!

O Festival Internacional de Títeres de Redondela começa na próxima semana. Para abrir o calendário de eventos, há programação escolar durante os primeiros dias. Contudo, o bom do festival é que é para miúdos e graúdos. E…há peças dos países de língua portuguesa, claro. Cada ano Redondela faz uma aposta forte na lusofonia e aquilo deve dar bons frutos, porque sempre há companhias portuguesas e brasileiras no cartaz.

Este ano temos duas obras muito diferentes. Por um lado a tradição religiosa mais ancestral e por outro a modernidade conceptual e renovação estética. Vejam:

Quinta, 28 de maio, às 21h no Auditório da Xunqueira:
“Bonecos do Santo Aleixo”, Centro Dramático de Évora (Portugal). +12 anos.

Este tipo de representação e bonecos tem uma origem rural e muito antiga. Existem registos da sua existência já no século XVIII, como nos diz Padre Joaquim da Rosa Espanca in “Memorias de Vila Viçosa”, onde refere terem sido apreendidos e mandados queimar títeres de Santo Aleixo, em 1798. Provavelmente teriam nascido na aldeia que lhes dá nome. Santo Aleixo é uma freguesia do concelho português de Monforte, no Alto Alentejo.bonecos santoaleixo04

Pelo que vi nas informações do Museu da Marioneta, estas pequenas marionetas de varão atuam num pequeno retábulo e a iluminação é feita como antigamente, com candeias de azeite. Nem que seja por interesse puramente antropológico vale bem a pena ver esta encenação. O acompanhamento musical é feito por uma guitarra portuguesa.

O repertório compreende peças de tradição secular, de teor mais especificamente religioso, bem como textos pertencentes à chamada literatura de cordel. No programa do festival a orientação de idade recomendada diz que é para maiores de 12 anos, mas eu penso que isto está mais virado para adultos. Por vezes pensamos que marionetas e crianças são sinónimos e…qual nada!

Os seus personagens carismáticos são o Padre Chancas, representante da autoridade eclesiástica, e o Mestre Sala, o mestre de cerimónias, que por tradição tem uma moca, com a qual castiga ou abraça o Padre, enquanto o mesmo prega.

Podem ver uns minutinhos da representação.

Sexta, 29 de maio “TitiriNoite ”. Auditório da Xunqueira “O Quadro de uma família”, da companhia Pigmalião Escultura que Mexe. (Brasil).  A lotação é limitada para 80 pessoas. Tem um preço de 3 euros.

O grupo de teatro de bonecos de Belo Horizonte vem ganhando espaço no velho continente apresentando-se e ministrando ateliês desde 2011. Tal como acontecia com o mitológico Pigmaleão, eles parecem ter verdadeira paixão pelas marionetas que fazem, que por vezes são já um espetáculo propriamente. Nas bases da companhia há uma vertente conceptual e filosófica muito forte: visam criar uma ilusão cénica que leve à reflexão de temas quotidianos. Podem ver alguns dos seus trabalhos neste canal do Youtube.cd636f_205d7b456b7639814fad35459a42c67e.jpg_srb_p_285_185_75_22_0.50_1.20_0.00_jpg_srb

Na página da companhia aparecem umas breves linhas sobre a peça: “Certos de serem uma família, os componentes desse quadro posam já automaticamente eternizados. Todas as análises que serão feitas sobre cada um deles tornarão mais clara a sua compreensão. No momento basta observá-los individualmente. ”

“O quadro de uma família” pode ser visto às 20.30-21.00-21.30-22.00-22.30. A duração não é para deixar ninguém com fadiga: 15 minutos. É uma cena curta.

 

Também nessa mesma sexta podem ver de novo “Bonecos do Santo Aleixo” às 21h no Auditório do Piñeiral.

11182144_10153287376067431_4840919172917892857_n

S.A. Marionetas em Redondela

robertosS.A. Marionetas tem como objetivo proteger e divulgar o teatro de marionetas. Eles e elas investigam, vão às fontes da tradição popular portuguesa. É por isso que encenam peças do teatro português mais popular: Dom Roberto. Para quem não souber, Dom Roberto está emparentado com fórmulas teatrais como a de Barrigaverde.

O Teatro de Robertos representa, seguramente, uma das tradições mais antigas das artes cénicas, não só na sua vertente portuguesa e europeia, mas também nos heróis populares do oriente. De facto, a origem desta forma de arte popular de representação remonta, na tradição europeia à Commedia dell’ Arte italiana do século XVI e não parece ser improvável que as tradições orientais tenham tido, de alguma forma, influência na evolução deste tipo tradicional de representação.

S.A. Marionetas é uma companhia de Alcobaça que tem corrido muito mundo nos últimos tempos: Alemanha, Macau, Italia…e agora chegam a Redondela, a capital nacional do títere, para dar o seu melhor.

No marco do Festival de Títeres de Redondela, poderão ver as performances de rua desta companhia. Amanhã começa!

Marionetas descontroladas em Redondela

Há pessoas que não gostam, que acham que é infantil, mas essas pessoas prestam? certeza que não. As marionetas são fixes, é uma sorte de teatro em que cada actor tem uma voz e um corpo em duas almas diferentes. Gosto de todas, marionetas de vara, manipuladas à vista, as de fios, de luvas, de sombras… e todas vão andar no festival internacional de títeres de Redondela que apresenta este ano companhias do país, do Reino Unido, Dinamarca, Bulgária, Espanha e Catalunha, entre outros.

As actuações serão nas ruas e praças da cidade assim como no Auditório Multiusos da Junqueira do 14 ao 20 do corrente Maio, também haverá exposições e actividades nos centros de ensino da região. No que respeita à nossa proposta lusópata, às 21 e às 23 da sexta-feira 18, no citado Auditório Multiusos da Junqueira, actuará a companhia TFA, O Teatro das Formas Animadas de Vila do Conde, que é é uma companhia teatral profissional que trabalha a partir das técnicas do teatro de marionetas, fantoches, máscaras, sombras, etc. Criado em 1998, tem desenvolvido um intenso trabalho tanto na formação quanto na criação de peças, tendo na actualidade uma parceria com o Teatro Nacional São João, no projecto Teatro Nacional em Papel. Desta feita trazem a última peça deles, Prometeu, um belíssimo espetáculo de teatro de marionetas centrado em Prometeu, figura mítica da transgressão e montada em colaboração com o Estaleiro e a Casa da Música, deixo aqui em baixo um excerto.