Pekagboom em digressão

O rapper são-tomense Pekagboom vai estar na Galiza para uma pequena digressão de concertos graças ao trabalho da Associação Beco da Língua. Vejam o percurso dele:  

– 4 abril no festival Português Perto. Aquelas nossas músicas em Ourense 
– 5 abril Aturuxo Bar (Bueu)
– 6 abril C.S. Gomes Gaioso na Corunha  
– 7 abril Fundaçom Artábria em Ferrol

 

Pércio Sousa Neves e Silva, a.k.a Pekagboom, é um rapper são-tomense radicado em Lisboa. Desde cedo desenvolveu uma paixão pelo rap. Em 2003 quando morava na “Quinta do Mocho”, na capital portuguesa, formou a banda Império Suburbano com outros emigrantes.

Para Pekagboom os seus referentes são o Sam The Kid, Valete (não podia ser de outra maneira!), Azagaia, Kendrik Lamar e Eminem. Ele fala de temas sociais e políticos: os direitos humanos, as desigualdades, a corrupção…podemos considerá-lo um ativista com rimas e batidas.

Atualmente tem um álbum e uma mixtape a solo. O seu último trabalho, Banho Público, fez-lhe ser homenageado em 2017 como melhor rapper de intervenção social na II Gala “África is more” e considerado pelo site Planeta Rap Luso como melhor rapper são-tomense do ano 2016. É considerado também o melhor álbum de rap são-tomense.

Capicua e Pedro Giraldes em Compostela

Eu sabia que depois de terem ouvido Capicua no Aritmar 2016 os/as programadores/as culturais não iam demorar em contar com ela mais vezes.

Neste domingo dia 26, às 18h, a minha ídolo e Pedro Giraldes, guitarrista dos Linda Martini, chegarão a Compostela ao Centro Sociocultural de Santa Marta.

Compostela Miúda é um espaço que programa atividades para famílias e no marco da sua programação de concertos, estes músicos subirão a palco para encenarem as músicas do seu último trabalho conjunto: Mão Verde.

Não sei se sabiam, mas “Mão Verde” é aquilo que dizemos quando alguém é talentoso/a com a jardinagem. E nesta dupla talento é que não falta!

A Ana e o Pedro construiram um cd cheio de amor às plantas, à quinta, à ecologia e também às crianças. Este é, sim, um livro-cd para crianças que visa espalhar uma certa consciência ambientalista entre os mais novinhos. Mas (advirto) não se trata de um desses cd’s lamechas. Não, não é um Avô Cantigas nem uma Florbella a cantar. Em palavras dos autores: “é para crianças, mas não é infantil”.

Miúdos e graúdos podem gostar das músicas e desfrutá-las juntos, folheando cada página do livro, porque cá cada página é muito valiosa: ilustrações de Maria Herreros e pequenas notas do agricultor Luís Alves, para dar a conhecer os bichos e as plantas cantados, ao mesmo tempo que são explicados os significados de termos mais complicados como compostagem ou o aquecimento global. O ano passado comprei-o no concerto e eu, que já estou na casa dos -intas, ouço-o e olho para ele como um tesouro. A edição, os desenhos, as letras, os arranjos musicais…tudo está feito com o máximo cuidado.

 

Bora’! rap ecológico para todas as idades!

 

 

 

Lusopatia entrevista Capicua

capicua2-1000x400

Hoje o Lusopatia está de parabéns! Conseguimos entrevistar a Capicua, a estrela do rap português. Tomara que este fosse o espoletar de muitas outras entrevistas!

Ela sobe a palco hoje às 20h no Teatro Principal. Estávamos curiosos/as com alguns aspetos da sua visita e aí foi que perguntamos…

  1. Lusopatia: Há tempo que o público galego estava à espera da chegada da Capicua aos nossos palcos. Qual foi a reação quando soube destes prémios?

Capicua: Fiquei muito feliz porque também eu estou há muito tempo à espera para tocar na Galiza! Estou ansiosa!

  1. L: Sabemos que é a primeira vez que a Capicua canta na Galiza. Tem alguma ideia a priori sobre nós?

C: Já fui à Galiza algumas vezes e a ideia que eu tenho é que não há grandes diferenças culturais entre os galegos e a gente do norte de Portugal. É um mesmo povo e portanto sinto-me sempre em casa quando aí estou.

  1. L: A Capicua identifica-se muitas vezes com a voz da mulher do norte. Como é que é essa mulher?

C: Em Portugal há esse mito da “mulher do norte”. Diz-se que as mulheres do norte são muito espontâneas, aguerridas e senhoras de si. Que são desbocadas, respondonas e dizem alguns palavrões… E como eu acho piada a essas características e acho que são muito aconselháveis a qualquer mulher, brinco muitas vezes com esse “rótulo”. Mas acredito que há “mulheres do norte” em todo o lado e isto acaba por ser mais uma brincadeira do que outra coisa!

  1. L: Fale-nos do Cantinho das Aromáticas e do seu último projeto, Mão Verde.

maoC: O “Mão Verde” é um disco de música para crianças que fiz em parceria com o Pedro Geraldes (guitarrista da banda Linda Martini). São 12 canções muito engraçadas, que falam sobre a natureza, alimentação, agricultura e ecologia. O disco vem acompanhado por um livro, com ilustrações da espanhola Maria Herreros e com algumas notas informativas, que explicam o conteúdo das canções e que foram feitas com a ajuda do Luís Alves (um agricultor do Porto que tem uma grande produção de ervas aromáticas). Essa quinta chama-se “Cantinho das Aromáticas” e, além de ser totalmente orgânica e muito premiada internacionalmente, está aberta ao público que a queira visitar!

  1. L: Esta é a primeira vez da Capicua na Galiza. Será que algum dia poderemos vê-la numa pequena digressão de concertos?

Espero que sim! Tudo depende dos convites que nos vão fazendo! Tenho mesmo muita vontade de percorrer a Galiza e partilhar a minha música com quem partilha do mesmo idioma e da mesma raiz cultural!

cap

Salas de concertos da Galiza, por favor, não percam a oportunidade de terem esta artista convosco. Música e intervenção numa mesma pessoa.

Gabriel o Pensador no Revenidas

cartel revenidas 2016 No início pensei que era simplesmente um boato, mas quando vi o cartaz…fiquei maravilhada.

Este é um verdadeiro Brinde à amizade, onde a Galiza, até que enfim, materializa-se no mundo lusófono. Obrigada, Revenidas.


Gabriel o Pensador, um dos rappers de referência da década de 90 no Brasil, virá à Galiza. E como a minha vida é uma contínua lei do desperdício, ele chega numas datas em que não poderei vê-lo. Não tenham dó de mim, esta que escreve já o viu em palco duas vezes: há dois anos no Festival o Sol da Caparica (Almada) e no ano passado no Festival Aveiro é Nosso.gabriel-o-pensador

A primeira vez que o vi era no mês de agosto, numa noite que qualquer mulher do Norte (por exemplo, eu) definiria como noite de calor. O homem estava a cantar vestido de kispo, não quero nem imaginar o frio que vai passar no Revenidas.

Quando eu comecei a gostar do Gabriel? bom, para alguém que estudou Filologia e andava nas noites compostelanas mais genuínas, Até quando? é um dos hinos do Avante e aí foi que a coisa começou para mim. Depois de tê-lo ouvido pela primeira vez, perguntei quem é que ele era, escrevi o nome num papel e fui no dia a seguir (ok, uns dias a seguir, que a noite também me destruía) a discos Gong para comprar um compilatório. Sim, eu comprava cd’s. E com todas estas informações, acabei de reparar na minha idade, já não sou criança. Hoje com um telemóvel na mão faria isto tudo muito mais rápido, mas na altura havia aquele charme das coisas não-imediatas, e tinhas que ir a uma loja, falar com o lojista e “namorar o cd”.

Depois do compilatório, vieram outros cd’s e letras. Músicas que ainda andam na minha app do telemóvel e que uso quase como temais motivacionais. Se tivesse que escolher uma (uma!) canção…qual escolhia? está difícil. Gosto muito de Solitário surfista (com o Jorge Ben Jor), Sem crise, Tás a ver, Linhas tortas, Assaltaram a gramática…todas têm alguma coisa que me faz refletir. Mas…eu fico com Muito orgulho, meu pai, porque é uma letra que me traz recordações muito boas. Fala de paternidade e dos ensinamentos que um pai deixa nos filhos e eu tenho um fraquinho por esse tema. Deixo-vos com o vídeo. Vejam e ouçam a letra porque é autobiográfica e aparecem o pai e o filho do Gabriel.

E como será vê-lo num palco galego? como falará? improvisará algumas músicas com Malandrómeda? contem-me tudo e brindemos à amizade!

Dia 19, às 22h, no palco Mahou. Revenidas!!!

Mundo Segundo (Dealema)

Nunca antes me tinha acontecido, confesso.

Como sabem, Compostela está em festa. Estes dias andei em concertos e atividades. Noutros anos não ligava muito à programação “oficial” da cidade e andava por espaços mais alternativos. Desta vez reparti melhor o meu tempo e deu para ver um pouco de tudo. Tenho que dizer que é a primeira vez que gosto mais da proposta do concelho do que das outras. Quero dar os parabéns por uma programação variada onde há espaço para muitas propostas estéticas.

Ontem na Quintana senti com os Linda Martini e Kumpania Algazarra que aquela era a minha sintonia, porque como dizia Adrião Solóvio, num dos nossos melhores bildunsroman, “ser galego, é ser universal”.

imagesMas isto não acaba ainda, amigos e amigas. Até para uma pessoa como eu, que adora rap e hip-hop, isto ainda está para começar!

Capicua, M7, Boss Ac, Bob da Rage Sense, Sam the Kid e Dealema são daqueles nomes do hip-hop que vale a pena decorarem.

Dealema é uma banda de Vila Nova de Gaia/Porto, uma área que deu ao panorama musical luso muitos artistas relacionados com este género urbano. É dos grupos mais antigos do hip-hop português, levam a “representar” desde 1996 demonstrando que também bom hip-hop pode ser feito na língua de Camões. Há 18 anos que se mantêm no ativo com a mesma formação e para quem estiver distraído esclareço que Mundo Segundo é um dos seus integrantes. MC e produtor é um dos mais antigos embaixadores do movimento. Sem abandonar a sua banda de filiação, também cria músicas a solo e colabora com outros artistas como Sam the Kid.

Amanhã, em Vite, pelas 20h chega Mundo dos Dealema para dar o seu melhor e mostrar o seu flow num entardecer de hip-hop.