Homenagem a Rosália de Castro e José Afonso

12705527_799737653488283_7482409823561378660_n Este é um desses artigos que me vai na alma.

Os meus dois amores juntos: Galiza e Portugal, Rosália e Zeca…os dois…na minha terra.

Este sábado na minha vila padronesa haverá uma homenagem a estes dois vultos da cultura galego-portuguesa com motivo dos atos rosalianos. Juntamos um amigo em cada esquina e a figura do Zeca será homenageada conjuntamente com a da cantora do Sar. Recordemos a frase do intérprete do Grândola: “a Galiza é a minha pátria espiritual”.

Começamos às 18h com uma palestra com Eduardo Pires Oliveira intitulada “Minho-Galiza: 2000 anos de mãos dadas”.

E como todo bom evento, acabamos com música.  Canto d’Aqui dará um concerto.

Unidos pela paixão pela música e pelo prazer de tocar e de cantar, o grupo Canto D’Aqui, surge como uma associação cultural, que procura transmitir à cultura portuguesa aquilo que existe de mais profundo nas suas raízes, deixando um importante tributo para as gerações futuras.

Natural de Braga, foi fundado em 1984, e desde aí tem vindo a desenvolver um trabalho de pesquisa e divulgação da música tradicional e popular portuguesa, desde o Minho até às Ilhas. É composto atualmente por 11 elementos, que executam instrumentos como guitarras, bandolins, viola braguesa, cavaquinho, baixo, flauta transversal, clarinete e percussões. O cariz tradicional dos instrumentos, associado aos arranjos musicais e à originalidade com que interpretam as canções, atribui-lhe uma sonoridade única, sendo já uma referência no panorama nacional. No sábado chegarão a Padrão para oferecer-nos um um repertório baseado nas canções do Zeca e em vários poemas rosalianos.

Venham mais cinco eventos como este!

Falso amigo: estufa

No passado dia 31 fiz contas de cabeça sobre como tem sido o tempo nos últimos anos. Nesse dia recordo-me de esperar um autocarro em Taragonha (Rianjo) com frio, muito frio, chuva…mas nunca como neste ano, com tanto calor. Não há maneira de negar a mudança do clima.

efeitoestufa2O efeito de estufa é um processo que ocorre quando uma parte da radiação infravermelha emitida pela superfície terrestre é absorvida por determinados gases presentes na atmosfera. Como consequência disso, parte do calor é irradiado para a superfície, não sendo libertado para o espaço.

O efeito de estufa dentro de uma determinada faixa é de vital importância pois, sem ele, a vida como a conhecemos não poderia existir. Serve para manter o planeta aquecido, e assim, garantir a manutenção da vida. É uma solução que o planeta oferece a uma ferida que nós fazemos. estufa

Eu sou de terra de estufas, em Padrón há quilómetros de plástico. A estufa é uma estrutura capaz de produzir o microclima ideal para o cultivo de plantas. Ela pode ser usada para o plantio e também para o armazenamento e a manutenção vegetal. Esse microclima faz com que os nossos pimentos possam ser produzidos mais meses. Estas condições (entre outras) também influenciam o sabor deles e assim, uns picam e outros não, como diz o ditado.

Deixo-vos cá um WikiHow sobre como construir uma estufa e também um vídeo que explica como fazê-lo de uma maneira muito ambientalista: aproveitando garrafas de PET.

E numa opção mais turística, a estufa que aconselho para visitarem é a Estufa fria de Lisboa, um jardim em estufa situado no Parque Eduardo VII, entre a Alameda Engenheiro Edgar Cardoso e a Alameda Cardeal Cerejeira. O seu nome provém de ter sido pensada como uma zona de abrigo de plantas diversas e de não ser usado um sistema de aquecimento (na zona fria). Azáleas, cameleiras, mangueiras…um acervo de plantas que é uma maravilha da botânica. Consultem horários e preços.

Com esta mudança do clima tenho imensa vontade de ligar o aquecimento, mas acho que toca esperar…

Música e pimentos com Ensemble Rosa del Ciel

1044015_291330917678583_1721308912_n

Todas as sextas-feiras do mês de julho o convento de Herbón acolhe uma série de concertos de música clássica, ou por melhor dizer, de música com instrumentos clássicos. A oferta é muito vairada, desde recitais líricos e quartetos de vento até duetos de piano e gaita de foles.

recitais líricos, cuartetos de vento, música barroca ou un dúo de piano e gaita – See more at: http://ocioengalicia.com/coruna/i-festival-de-musica-de-herbon-as-notas-do-pemento/#sthash.TVi8JoaQ.dpuf

O festival não pode ter um nome mais delicioso: As notas do pemento. O convento de Herbón foi o primeiro a cultivar os nossos cotados pimentos, que fazem de Padrón um lugar dos que se podem encontrar no mapa. Antes de cada atuação há uma desgustação desta prezada iguaria de verão e uma visita guiada pelo convento.

A organização tem uma grande missão. Por um lado valorizar o nosso produto culinário (que as pessoas conheçam a história e labor do convento franciscano, mas também o sabor autêntico do pimento), e por outro lado desautomatizar a música. A música clássica é para  toda a gente e também pode ser interpretada entre as plantas, campos, estufas… Esqueçam os preconceitos!

A parte lusópata disto é o concerto desta sexta-feira às 20h30. Ensemble Rosa del Ciel é um grupo formado por uma rapariga galega e dois rapazes portugueses,  todos alunos do curso de Música Antiga da Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo na cidade do Porto.

A banda nasceu da vontade latente de experimentar o cancioneiro europeu e as práticas musicais do séc. XVI e XVII, respectivamente Renascença e início do período Barroco. O grupo propõe uma abordagem plural desse repertório, onde une música, poesia, teatro e dança. Com três vozes, alaúde, guitarra barroca, e por vezes também violoncelo barroco e viola da gamba, Esperanza Mara, Guilherme Barroso e Thiago Vaz contam a vida e o mundo dos nossos antepassados.