Prémios Nobel da Literatura…brasileiros e brasileiras?

Este artigo é uma otimização de recursos. Faz parte de um trabalho académico de uma disciplina que estou a estudar atualmente.

A professora pediu-nos esta semana, a semana do Nobel, que déssemos quatro nomes. Quatro candidatos e candidatas brasileiros a essa honra e explicássemos os nossos motivos.

Antes sequer de começar as pesquisas para iniciar este trabalho, decidi investigar os requisitos para uma pessoa chegar a ser Prémio Nobel de Literatura. Isto era uma questão incontornável.

Depois disto, veio imediatamente uma outra curiosidade, porque é que o Brasil sendo uma potência literária e um país continental nunca ganhou antes um Prémio Nobel. Aí cheguei a este artigo, que apontou várias questões interessantes sobre hábitos de leitura e deu a pista de vários nomes. Mas não quis ficar só na tona. 

Debrucei-me sobre os apontamentos das aulas, os temas abordados. Graças às explicações consegui ter em conta o fator editorial, o contacto com o livro como produto entre o grande público e o volume de traduções feitas para o exterior como índice de consolidação autoral.

Portanto, as palavras chave que utilizei no Google foram estas e com elas obtive estes resultados:

  • autores-brasileiros-mais-vendidos-atuais (que me levou ao artigo 1 da minha webgrafia)
  • livros-brasileiros-mais-lidos (com estas chaves fui ao artigo 2)
  • brasil-literatura-prémio-nobel (com estas cheguei ao 4 e 5)

Após a leitura destes escritos e algumas visitas na wikipédia para ver as biografias e percursos literários de cada autor nomeadamente, reparei em que os resultados apontavam sempre para o mesmo perfil: homem e branco.

Apurei a pesquisa com estas novas palavras:

  • mulheres-escritoras-mais-lidas-brasil (artigos 6 e 7)
  • mulheres-negras-literatura-brasil (artigo 8)

A continuação apresento a minha nómina de autores e autoras:

Lygia Fagundes Telles

O século XXI é a vez das mulheres, os movimentos sociais assim o confirmam. Se só tivesse que dar um nome, não teria dúvida nenhuma, seria este.

A Lygia Fagundes vai em primeira posição nesta nómina porque, do meu ponto de vista, se uma mulher brasileira de 97 anos recebesse um Nobel a imagem do país e das mulheres brasileiras mudaria radicalmente. E seria vantajoso até para para as duas partes, estando o Prémio Nobel tão masculinizado.

Mas vamos à questão literária, que é que interessa. A Lygia Fagundes já foi indicada ao prémio com anterioridade, isso significa que é uma das escritoras atuais mais conceituadas do Brasil. Fora do país também coletou prémios como o Camões e o Jabuti. Falta é concretizar esse Nobel.

É conhecida como a “dama da literatura brasileira”. Explora temas universais que chegam ao grande público,  mas também focou no assunto feminino num tempo em que havia poucas vozes que o fizessem. 

Se seguirmos os critérios da tradução para exterior, tem obras traduzidas para o alemão, espanhol, francês, inglês, italiano, polaco, sueco ou tcheco. Também conta com obras adaptadas ao cinema.

As Meninas ou Ciranda de pedra são livros que já têm um espaço no imaginário coletivo brasileiro.

Raduan Nassar

É autor de três livros Lavoura Arcaica, Um Copo de Cólera e Menina a Caminho. Do meu ponto de vista, esta nomeação rompe com o esquema do escritor atual. Nos dias de hoje, parece que um escritor tem de ser um indivíduo muito produtivo, que cada ano tem que ter um lançamento para continuar a lubrificar a máquina do sistema literário. A ideia do livro como produto sacrifica muitas vezes a criatividade e a qualidade.

Além do seu compromisso contra a repressão política, foi também merecedor do Prémio Camões em 2016 e finalista do Man Booker Prize. Isto fez com que a sua obra fosse traduzida para inglês e publicada na Penguin.

Chico Buarque

Multifacetado e comprometido com as causas sociais e a cultura, Chico Buarque pode ser um caso análogo ao de Bob Dylan. As letras das canções são também poesia e este prémio pode ser um impulso para toda a gente chegar a perceber isso. Não há demérito nisso.

Recebeu o Prémio Camões no meio de uma enorme polémica no Brasil e essa decisão foi até contestada por Jair Bolsonaro. 

Ele pôs todo o seu talento literário e artístico na luta pela democratização do país. 

Criou na sua obra um “eu lírico feminino”, muito infrequente na altura. 

Budapeste ou Leite Derramado contribuiram para a formação cultural de muitas pessoas do âmbito lusófono. Este prémio pode ajudar a espalhar a obra deste autor e vê-la no seu conjunto, não só na vertente musical.

É uma ativista feminegra, indicada para outro ramo do Nobel, o da Paz, pela Associação 1000 Mulheres para o Prêmio Nobel da Paz. É uma referência contra o racismo e a violência de género. A legitimação de um papel mais representativo para mulher negra na sociedade brasileira é uma constante na sua obra como podemos ver no seu poemário Eu, mulher negra, resisto, que virou quase uma citação.

Alzira Rufino

É ensaista, contista, cronista, romancista e poeta. Foi a primeira escritora negra a ter o seu depoimento registrado pelo Museu de Literatura Mário de Andrade.

Se o Nobel é uma plataforma de visibilidade, a obra de Rufino merece estar naquele patamar para os leitores e leitoras de todo o mundo conhecerem os problemas das mulheres e mais ainda das mulheres racializadas.

Webgrafia que usei, por se quiserem dar uma vista de olhos:

  1. https://www.designdoescritor.com/post/10-autores-nacionais-vivos-que-faturaram-mais-de-1-milh%C3%A3o-de-reais-com-seus-livros
  2. https://blog.saraiva.com.br/mais-lidos-brasil/
  3. https://editoraalbatroz.com.br/escritores-brasileiros-mais-vendidos-no-mundo/
  4. https://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,qual-escritor-brasileiro-merecia-um-premio-nobel-de-literatura,70003037925
  5. https://www.publishnews.com.br/materias/2019/08/13/premio-nobel-de-literatura-quando-sera-a-nossa-vez
  6. https://www.mundodek.com/2017/03/20-grandes-escritoras-brasileiras.html
  7. http://saopauloreview.com.br/150-mulheres-que-estao-fazendo-literatura-hoje-no-brasil/
  8. https://mdemulher.abril.com.br/cultura/escritoras-negras-brasileiras-que-voce-vai-adorar-conhecer/

Enfim, o prémio foi dado ontem à Louise Glück, poeta americana.

Será 2021 o ano do Brasil?