A felicidade através de onze músicas

Começo com uma declaração. Esclareço que é uma opinião minha, aviso. Acho que a felicidade não é um sentimento muito galego-português, a nossa praia é sermos saudosos e é por isso que somos conhecidos no mundo fora. Contudo, neste mês tenho recebido notícias muito boas. Alegrias de pessoas amigas que senti quase como êxitos meus e até um regresso ao trabalho que assumo com muito otimismo.

Hoje é 1 de setembro, o primeiro dia do ano para muitas pessoas que, como eu, se dedicam à docência. Há quem ache que este é um dia difícil, porque contém muitos desafios. Para afugentar essa má onda, lá vão umas músicas que de uma maneira ou outra falam da felicidade.

Podem ver os vídeos um por um ou simplesmente ouvirem a seleção no botão do Spotify. Cá em baixo explico cada canção.

  • Hélder, O Rei do Kuduro: Felicidade. O pioneiro do kuduro em Portugal tem esta música contagiante. Já vos disse muitas vezes que o kuduro não foi inventado por Dom Omar, é um ritmo tipicamente angolano, que hoje ultrapassou fronteiras. A felicidade é dançar esta música e aprender algumas palavras como maka.
  • Seu Jorge: Felicidade. Coloquei a versão com o Alexandre Pires, porque gostei mais do vídeo. O Seu Jorge tem no seu disco Músicas para churrasco, vol I e II, esta letra tão linda sobre este sentimento, definido em pequenas porções e momentos de alegria. Ainda não sei bem como o Seu Jorge não é um deus na Galiza tendo um disco que se chama Músicas para churrasco. Preciso explicações.
  • Tom Jobim, Vinícius, Toquinho e Miúcha: A Felicidade. Esta canção do Tom Jobim e o Vinícius de Moraes foi interpretada por inúmeros artistas ao longo da história da música. Tristeza não tem fim, felicidade sim é a descrição melhor feita da nossa maneira de estar no mundo.
  • Natiruts: Quero ser feliz também. O reggae brasileiro tem nos Natiruts uma boa representação. Se o reggae é a música da felicidade, esta letra não fica atrás. Toda a gente quer navegar nas águas desse mar.
  • Ceumar: Feliz e triste. Penso que é uma das letras que melhor definem o carácter galego-português. Uma felicidade que não é completa, a felicidade das coisas pequenas, a felicidade com a tristeza também presente.
  • MTM: Só sei ser feliz assim. MTM significa Marco, Tóny e Música. Isto já prometia coisas. Só sei ser feliz assim foi a canção de Portugal em 2001 na Eurovisão. Obtiveram um posto 17, não foi um resultado muito feliz, mas eu gostava da música.
  • Marisa Monte: Feliz, alegre e forte. Este é um canto ao verdadeiramente importante. Na voz da Marisa Monte tudo soa bem positivo e calminho.
  • Rony Fuego. Bem disposto. É dessas canções que há que ouvir logo que acordamos de manhã. Recarrega energias e ajuda a encarar o dia com outra disposição. Enfim, sorriso no rosto sempre que aparecer no meu Spotify.
  • Aleh Ferreira: Sou do bem. Tive o meu primeiro contacto com esta canção através de um CD da minha adorada coleção de music world Putumayo. E lembro-me de estar a reproduzi-la sempre em modo repeat, porque me dava muita felicidade ouvi-la.
  • Inês de Vasconcellos: Estou bem. Foi a descoberta deste ano para mim. Que música tão contagiante e que vídeo tão cuidado. Talvez isto me reconcilie com o fado. A letra fala de estar sozinha e ser feliz, uma mensagem que devíamos espalhar mais.
  • Ferrugem: Eu sou feliz assim. Um classicão desses de amor, onde alguém não sabe viver sem a pessoa amada cuja companhia identifica com a felicidade. Não é uma baladona, ainda se pode dançar.

Espero que gostem desta seleção. E se tiverem alguma música mágica dessas de atrair felicidade, digam!

A minha playlist para receber o verão

Na semana passada pensava que o verão não ia chegar mais e qual índigena pataxó decidi invocá-lo com música. Acho que funcionou, porque levo quase sete dias de sandálias.

Hoje começa oficialmente a estação mais quente no nosso hemisfério e criei uma lista de músicas para lhe dar as boas-vindas. São canções que eu associo, sem dúvida nenhuma, às férias e à praia. Dez músicas de estilos muito diferentes e um toque piroso, porque isso nunca deve faltar numa lista de música estival. Podem ouvi-las à solta (se carregarem em cada círculo de cor) ou por junto (se carregarem no centro da vitrola).

Eis os meus motivos…

1. Tom Jobim: Garota de Ipanema. Realmente existe alguém que não conheça esta música? se existir, essa pessoa não presta. Um canto à beleza e à saudade que ambienta sempre uma zona chill out.

2. A fúria do açúcar: Eu gosto é do verão. Descobri esta canção quando estava à procura de músicas que tivessem estruturas de ênfase: “eu gosto é”. Viciou-me o humor e o ridículo da letra. Acho que hoje é ainda de conteúdo muito atual, se pensarmos no fenómeno Instagram.

3. Peste e Sida: Sol da Caparica. Fugir de Lisboa e ir à praia da Caparica. Traz-me recordações de tempos melhores.

4. Deolinda: Corzinha de verão. Tirar férias com o infortúnio de termos só dias de chuva. Não ligar bronze nunca. Enfim, pequenos dramas das viagens.

5. Natércia Barreto: Óculos de sol. A protagonista da letra diz que usa óculos de sol…para o sol, mas tem um triste segredo. Uma melodia vintage e doce.

6. Natiruts: Um céu, um sol e um mar. Um bocado de reggae é sempre relaxante. O paraíso é um lugar na praia.

7. José Malhoa: Baile de verão. O pimba é o meu guilty pleasure e o José Malhoa é um rei. A canção conta o princípio de um namorico num arraial. Cada domingo, durante anos, foi top na feira padronesa.

8. Skank: Vamos fugir. Mandar tudo às urtigas e ir a um lugar paradisíaco, quem não quer?

9. Gabriel o Pensador: Solitário surfista. O clássico de Jorge Ben Jor foi versionado pelo rapper e também surfista Gabriel o Pensador. Gosto muito dessa sensação de liberdade do surf, quanta paz me dá esta música.

10. Marisa Monte: Lenda das sereias. Imaginem só ser uma sereia e ter todos os mares para viver? Esta é uma canção dedicada à orixá Yemanjá.