Cineuropa 2019

Começa o Cineuropa. Desta vez, na edição 33, temos novo pessoal na capitania, mas o festival conserva toda a sua magia.

O Lusopatia faz uma folha de navegação para quem quiser estar a par de todo o conteúdo lusófono. Falaremos dos prémios, dos filmes e dos espetáculos…o critério é a língua aparecer. Confiram!

PRÉMIOS

Neste ano o prémio Cineuropa 2019 será para a realizadora Rita Azevedo Gomes. No Lusopatia estamos muito felizes, porque ela ocupa e ocupará sempre um espaço entre os nossos post. É só pesquisarem entre os nossos artigos e verão que ela já andou na Numax, no Encontro de Mulheres da Lusofonia…

A entrega será no dia 16 às 20h.

Muitos parabéns, Rita!

FILMES

Um dia mais com vida (quinta 14, 19h15), Raúl de la Fuente, Damian Nenow; Espanha, 2018, Animação. Kapuściński é um reporter polaco que em 1975 viaja a Angola. Lá conhece a guerrilheira Carlota, que vai mudar a sua vida para sempre e propiciará uma mudança profissional: ele agora será um escritor.

-Tras las luces (sexta 15, 16h), Sandra Sánchez, 2011, Espanha, Documentário. A diretora segue a vida da Lourdes, uma feirante que anda nas feiras com uma atração de carrinhos de choque.

Danses macabres, squelettes, et autres fantaisies/ danses macabres, sketetons and other fantasies (sábado 16, 20h), Pierre León, Rita Azevedo, Jean-Louis Shefer; França, Portugal, Suíça, 2019, Documentário. E se a dança da morte não fosse só realmente a posta em cena da morte na Idade Média? e se fosse a criação da Europa moderna?

A vingança de uma mulher/A woman’s revenge (quarta 20, 22h), Rita Azevedo, Portugal, 2012, Drama. O filme não é novo entre as nossas linhas, recordam-se? Podem ver a sinopse nesta ligação.

Vitalina Varela (domingo 24, 22h, e segunda 25, 18h15), Pedro Costa, Portugal, 2019, Drama. O filme conta a história de uma mulher de 55 anos que chega a Lisboa depois do enterro do seu marido.

A portuguesa/The portuguese (quarta 27, 20h15), Rita Azevedo, Portugal, 2018, Drama. Um dos filmes mais reconhecidos da realizadora portuguesa. A fita leva-nos à Idade Média, onde a nova esposa de Lord Von Ketten vive num castelo da Ilátia à espera de o seu homem voltar da guerra. Podemos ver como é que ela passa o seu tempo, nesse embaraço do jogo do amor.

MÚSICA

Maria de Medeiros and The Legendary Tigerman (quarta 13, 20h30, Auditório da Galiza) o guitarrista e a atriz e cantora fazem este troca-troca de músicas de cinema no trabalho 24 milla baci.

Com toda esta informação…não quero agora ninguém perdido!

Maria de Medeiros em Compostela

15491_1_crop.pngMaria de Medeiros é uma das atrizes que marcaram a minha adolescência. Pulp Fiction foi desses filmes inesquecíveis para mim: drogas, histórias fragmentadas, palavrões…e Maria de Medeiros. Gostei muito do papel dela na fita e anos depois soube que esta musa de Tarantino era portuguesa.

A Maria de Medeiros chega da França com um disco intitulado A Little more blue,  o último trabalho musical da multifacetada atriz. Tem canções de resistência contra a ditadura militar brasileira. As letras são temas do Chico Buarque, Gilberto Gil e Caetano Veloso, com isto consegue fazer uma homenagem aos grandes criadores da bossa-nova. Ela própria define o álbum como: “Uma homenagem azul matizada pela distância que nos separa dos anos revolucionários, manchado pela saudade da minha cultura lusa, pela minha percepção de intérprete de língua portuguesa que se situa necessariamente numa perspetiva diferente, diferente também talvez porque eu própria sou uma expatriada”

Este concerto completa a programação do festival de cinema Cineuropa, de facto, a atriz é uma das premiadas nesta edição. Se tiverem uma tarde de folga e quiserem conhecer o trabalho dela como realizadora, recomendo o visionado do filme Capitães de Abril, sobre a Revolução dos cravos.

Segunda, no teatro Principal, pelas 20h30 podem ver a Maria de Medeiros cantar ao vivo. Deixo aqui a versão que ela faz da música do Chico Buarque “O que será”