Primeiro encontro de Lusópatas

 

Este é, sem dúvida nenhuma, o artigo mais bizarro que tenho feito em anos. Não sei como se sentiu o Justin Bieber quando ouviu pela primeira vez a palavra “belieber”…mas começo a ter uma ideia.

Como não pensamos nisto antes? Uma conta no Meetup, vontade e paixão pelo português foi o que levou a Roberto Brenlla, estudante de português da EOI que morou na infância no Brasil, a organizar isto tudo. Falo do Primeiro encontro de Lusópatas na Corunha.

O evento vem definido como “Encontros em português. Grupo para praticar a língua portuguesa em todas as suas variantes. Não importa o nível. Nativos de países de língua portuguesa são muito bem-vindos, mas também pessoas de cá sem qualquer relacionamento prévio com ela. A vantagem do português é que se pode começar por falar galego e ir a pouco e pouco modificando-o até conseguir falar português como língua própria”. Eu não o poderia explicar melhor.

Então, se tiverem tempo e vontade no dia 31 às 20h podem ir ao Mandatory Galera na Corunha e meter dois dedos de conversa. Eu até estou a pensar em pintar as unhas, amigas!

25 de abril também em Caldas

10881504_965672606785171_7820461643892575838_nAdoro fazer estreia de tags. Hoje escrevo uma nova: Caldas.

Nunca tinha feito um artigo sobre este município e é sempre bom alargar a família dos lugares lusopatas e mais ainda dos lugares lusopatas que não são cidades, porque isso significa que há qualquer coisa nas sensibilidades que está a mudar.

Este post é especial por vários motivos. Vejam só o cartaz da imagem. Nesta semana o Lusopatia tem dois eventos a falar dele próprio (ontem fomos à EOI de Compostela) e será uma tal Carmen Saborido que fale disso.  O nome dela nunca foi escrito junto com entidades tais como a RTP, mas pelo que me disse, vai dar o seu melhor.

No marco da programação cultural da Associação Zona Afectada com motivo do 25 de abril, daremos uma pequena palestra sobre a Revolução dos cravos e cultura portuguesa.

De aqui, muito obrigada à associação por pensar em nós para tal desafio.

O nosso pequeno colóquio serve como introdução a um ciclo de cinema que vem logo a seguir. O programa de atividades inclui noticiários, curtas e documentários de vários países lusófonos. Encerramos, obviamente, com o Grândola. Vejam:

  •       Noticiário RTP do 25 de abril de 1974
  •       Documentário da Revolução dos Cravos
  •       Tudo que movimenta, de Thamara Pereira
  •       Ana Monstro, de Francisco Miranda
  •       Assinado Inês, de Rita Fernandes
  •       Igual, de Ruben Sabrão
  •       Grândola, Vila Morena, de Zeca Afonso

Este domingo, às 19h, a gente vê-se no Hotel O Cruceiro de Caldas. Traz um amigo também!

Experiências de escrita em português: Lusopatia na EOI

dia do livroNo marco das atividades organizadas pelo Departamento de Português da EOI de Compostela com motivo do Dia do livro e do 25 de abril, faremos uma breve apresentação sobre este blogue. Ex-alunos/as da escola falaremos num colóquio sobre as nossas experiências de escrita fora das salas de aula.

Na verdade, fiquei muito grata pelo convite e assumi como um fruto do trabalho destes três anos.

Desde a nomeação no concurso de blogues Aventar como 5º melhor blogue estrangeiro em língua portuguesa, esta é uma das melhores coisas que o Lusopatia me tem dado.

Comecei a escrever em 2011 e com uma política de factos consumados. Nunca cheguei a explicar os meus motivos àquelas pessoas que me leem, portanto, também vi o convite como uma oportunidade para esclarecer certas coisas da minha escrita, qual foi a origem do blogue, como é que escrevo sobre uns temas e não outros, que dificuldades tenho, que polémicas surgem com cada post…(porque nem tudo é paz)

Falarei amanhã (às 18h30 na Sala de Atos) para alunos e alunas de português da EOI e espero que as minhas palavras ajudem a alargar o universo WordPress em português, por vezes tão pouco representado.

Depois de amanhã as atividades continuam. Há um concurso por equipas sobre literatura em português e também um troca-troca de livros. Traz o teu livro também!  🙂

Os números de 2012

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blogue.

Aqui está um excerto:

4,329 films were submitted to the 2012 Cannes Film Festival. This blog had 37.000 views in 2012. If each view were a film, this blog would power 9 Film Festivals

Clique aqui para ver o relatório completo

Boas entradas lusópatas! feliz 2013!

Fizemos um ano!

“Numa mão bombons e sonhos
Na outra abraços e parabéns” como diz a música de Vanessa da Mata.

Há um ano, uma tarde de novembro, quase como quem não quer nada nasceu este blogue. Foi feito para atender duas necessidades muito claras: espalharmos o bom uso do Ç e organizarmos uma agenda de eventos lusófonos. Na altura, o nosso primeiro post (Bom dia viajantes da língua) só foi visto por…nós.

Um ano depois e com 125 artigos publicados estamos muito satisfeitos com a resposta dos nossos leitores, que sempre nos surpreendem, dão dicas, corrigem (não somos infalíveis, quem nos dera!) e comentam. Ver cada dia as estatísticas e os países de procedência de cada visita é já quase um hobby e uma maneira de aprender geografia.

Vamos fazer um balance do ano, da nossa curta vida. Vamos recordar!

O post mais comentado: ficaram quites Falso amigo roxo e Falso amigo talher. Os falsos amigos trazem uma ou outra polémica às vezes. Mas da discussão nasce a luz.

O post mais lido foi sem dúvida nenhuma Falso amigo salsa com 1898 visitas, também Sepultura (964) e Lenços de Namorados (863)

Normalmente colocamos muitas ligações para facilitarmos o acesso à informação e esclarecer alguns temas. Os nossos leitores e leitoras carregaram insistentemente no Priberam, na Wikipédia, no Google e na Imperdível.

A página mais visitada deste blogue é a de Início (na verdade as outras são páginas estáticas) mas também teve muito bom acolhimento a nossa seleção de webs em Recursos.

A etiqueta com maior sucesso é, com certeza, falsos amigos, mas também: concertos, escrever, Compostela…

Mais uma vez, muito obrigada. Vamos planejar um belo futuro juntos, ainda mais lusópata.