II Encontro de mulheres da lusofonia

É com incontido orgulho que venho por este meio anunciar o II Encontro de mulheres da lusofonia. Um espaço de reunião e partilha para mulheres que partilham(os) uma língua comum.

Este ano o tema será Mulheres, territórios e memórias.

 

Entre a Lila de Lilith, a Casa da palavra comum e a Casa das mulheres Xohana Torres temos um bom ciclo de palestras hoje, sábado e domingo.

Hoje e amanhã o programa decorre na livraria Lila de Lilith em Compostela. Hoje às 19h30 temos a projeção de Era uma vez um arrastão e o posterior colóquio com a realizadora, Diana Andriga, e Luzia Oca. Amanhã na mesma hora e lugar vão ser lidos poemas por escritoras galegas.

Na Casa da palavra comum, também amanhã, três palestras: Diásporas lusófonas na Galiza, com Jéssica Azevedo e Sónia Mendes da Silva; Entre o ativismo e a pesquisa: mulheres na resistência, com Diana Andriga e Teresa Sales e Entre o ativismo e a pesquisa: prisões políticas e democracia, com Luís Farinha e Mariola Mourelo.

E no domingo, na Casa das mulheres Xohana Torres, duas mesas redondas para partilhar ideias: Feminismos em Compostela Feminismos no espaço lusófono. Encerram o ato Maria Dovigo e Joana Sales.

Não têm como não gostar!

Dormir com Lisboa

dormir

Fausta Cardoso Pereira é uma lisboeta de gema. Estudou Publicidade e Marketing, Comunicação Social e Sustentabilidade. É formadora na área da escrita criativa e antes foi responsável pela gestão de projetos educativos na Fundação PT.

O seu livro último livro, Dormir com Lisboa, foi o vencedor do II Prémio Antón Risco de literatura fantástica. Este certame, convocado pela Urco Editora e a Fundación Vicente Risco, é desses poucos na Galiza que aceitam manuscritos em português.

O argumento da obra parte de um enigma simples: o desaparecimento inexplicável de cidadãos comuns na cidade. Lisboa é aqui uma personagem mais que se apresenta como um grande mural de histórias encaixadas e que parece engolir as pessoas. O romance é, então,  um canto contra as cidades europeias estandardizadas e turistificadas.

Esta sexta-feira, às 20h, poderemos  falar na Lila de Lilith com a autora e o editor, David Cortizo.

 

 

 

 

Estrela Leminski e Téo Ruiz

14448824_1169481059793472_1352577234230493931_nEstrela Leminski e Téo Ruiz são uma dupla brasileira de rock poético, ou isso é como eles se auto-definem. As composições deles são difíceis de encaixar num padrão ou uma etiqueta. Podemos dizer que nos fazem lembrar os “novos paulistas”  e também os compositores curitibanos que misturam o som e o poder da palavra poética.

“São sons” é o seu último trabalho, um cd com composições mais maduras que foi eleito um dos melhores discos do ano 2011 no Brasil.

Esta quarta-feira vão estar na livraria Lila de Lilith às 20h para tocar as canções do seu último trabalho junto com o também brasileiro Fred Martins.

Caboverdianas em Burela

caboverdeCaboverdianas en Burela (1978-2008), migración, relacións de xénero e intervención social é um livro escrito por Luzia Oca.

Luzia Oca fez um trabalho de investigação que teve vários reconhecimentos, entre eles o prémio Vicente Risco de Ciencias Sociais de 2014.

A imagem que temos da comunidade cabo-verdiana em Burela é muito idílica. Entendemos que é uma realidade livre de conflitos e onde as mulheres têm a faca e o queijo. Acreditamos nisso porque é uma realidade confortável para nós, mas temos que ver também o outro lado da moeda. Será que os galegos e galegas não somos assim tão hospitaleiros? a boa integração da comunidade cabo-verdiana em Burela é um mito? esta comunidade é matrifocal? estes e mais aspetos estão recolhidos nas teses da investigadora, que falará na livraria Lila de Lilith esta sexta às 20h.

 

 

Olhares sobre Portugal: género, ciências sociais e literatura

12009579_893034810771433_2589248003559346226_nE começamos setembro com uma proposta muito corajosa, dessas que convidam a sair de casa, mas é para estarmos num local igualmente aconchegante.

As livrarias compostelanas Lila de Lilith e Ciranda à volta do português organizam entre 14 e 23 de setembro um ciclo de apresentação de livros e autores que toca vários temas, mas sempre de uma ótica que reúne as sensibilidades de ambas as empresas: feminismo e lusofonia.

A “comissária” desta exposição de ideias é Paula Godinho, que trabalha no Departamento de Antropologia e Instituto de História Contemporânea da FCSH da Universidade Nova de Lisboa. A visão da Paula seleciona autores e ideias condensados num programa que se irá desenvolver sempre de tarde, às 19h durante vários dias.

Exponho cá o programa para vocês conferirem:

14 de setembro:
. Fotobiografia de Alves Redol – de António Redol (com a presença do autor)
. Alves Redol – O olhar das ciências sociais – coordenado por Paula Godinho e Antonio Mota Redol (com a presença dos coordenadores e de Luísa Tiago de Oliveira, autora de um texto da obra)

15 de setembro
. Militares e Política: O 25 de Abril – de Luisa Tiago de Oliveira (com a presença da autora)

17 de setembro
. Call centers – Trabalho, domesticação e resistência – de João Carlos Louçã (com a presença do autor)

18 de setembro
. Gente comum, uma história na PIDE – de Aurora Rodrigues (com a presença da autora)

21 de setembro
. Antropologia e Performance – organizado por Paula Godinho (com a presença da organizadora)
. Festas de inverno no nordeste de Portugal: património, mercantilização e aporias da “cultura popular” – de Paula Godinho (com a presença da autora e apresentação de Luzia Oca)

22 de setembro
. O mar é que manda: Comunidade e perceção do ambiente no litoral alentejano – de Paulo Mendes (com a presença do autor)
. No Rasto da Draga – exploração mineira e protesto popular numa aldeia da Beira Baixa (1912-1980) – de Pedro Gabriel Silva(com a presença do autor)

23 de setembro
. Frontera y Guerra Civil de España. Dominación, resistencia y usos de la memoria – de Dulce Simões (com a presença da autora)
. Saal e autoconstrução em Coimbra – de João Baía (com a presença do autor)