Colocação dos pronomes II: mesóclise

mesoclise modifiedÉ pouco intuitivo e por isso custa aprendê-lo. Acontece só na língua escrita e é então um fenómeno que parece que tem rasteira e que nos atraiçoa. Temos mesmo que estar de olho, é assim.

Há tempo que na Galiza não sabemos o que é isso da Mesóclise. O livro do Valentim R. Fagim, assinala uma mesóclise em Rosalia de Castro: cantar-te-ei, Galiza. Piscaram já qual é o fenómeno gramatical?

Vimos com anterioridade um post sobre a colocação do pronome e disse, na altura, que não dava a explicação por fechada. A mesóclise é a colocação do pronome no meio do verbo: entre a raiz e a desinência.

Esta classe de palavra tem vida própria em português e pode ir antes, no meio e depois do verbo. Há pessoas nesta vida que viajaram bem menos. O pronome é assim, não tem força por ele próprio e tem que roubar energia de outras palavras. Vampiriza-as.

Esta estrutura forma parte sobretudo da língua escrita e só é aplicada em dois tempos verbais: Futuro de Indicativo e Condicional.
Farei a tarefa> fá-la-ei (Futuro de Indicativo)
Faria a tarefa> fá-la-ia (Condicional)

As normas com a Mesóclise são as mesmas que vimos no artigo da Colocação do Pronome. Portanto, se houver uma negação ou qualquer outra estrutura que impedir, não faremos a mesóclise: não farei a tarefa; não faria a tarefa.

Assim sendo, se quisermos substituir “a tarefa” por um pronome, a conjugação verbal ficaria assim nos dois casos:
Futuro: Eu farei a tarefa (substituímos a palavra “tarefa” por um pronome)
Condicional: Eu faria a tarefa (ídem)

FUTURO

eu fá-la-ei
tu fá-la-ás
ele/ela/você fá-la-á
nós fá-la-emos
eles/elas/vocês fá-la-ão

CONDICIONAL

eu fá-la-ia
tu fá-la-ias
ele/ela/você fá-la-ia
nós fá-la-íamos
eles/elas/vocês fá-la-iam

Isto seria assim com qualquer forma verbal, só mudaria a forma do pronome, obviamente (farei o exercicío> fá-lo-ei; farás as encomendas> fá-las-ás).
De um lado e outro do hífen, cada palavra segue as normas de acentuação independentemente: fá-lo-á; dar-se-ão…

E recordem também que os verbos Fazer, Dizer e Trazer têm raízes especiais no Futuro e no Condicional: Far-, Dir-, Trar-.

Contudo, estas são formas próprias (e obrigatórias) da língua escrita e de um registo elevado. Na oralidade mais quotidiana, os tempos verbais de Futuro ou Condicional são evitados. Costumamos dizer Vou fazer, eu Ia fazer, Vamos viajar, Íamos viajar…
Mesmo assim, não está correto dizer: *farei-no, *faria-o…Escrevemos fá-lo-ei e fá-lo-ia, e no dia da dia dizemos Vou fazê-lo e Ia fazê-lo.

Vamos com esta música d’Os golpes, que hoje estou muito indie:

Futuro

imagesÉ tão inquietante a vida. Muda tanto, tantas vezes.

Predizer coisas distantes no tempo e no espaço, as nossas incógnitas. A adivinhação busca determinar o significado ou as causas ocultas dos acontecimentos, predizendo às vezes o futuro, por meio de práticas variadas de consulta aos oráculos.

Nas religiões afro-brasileiras, como o candomblé, o jogo de búzios é um exemplo de artes divinatórias. 16 búzios são arremessados sobre uma mesa. O adivinho, antes reza e saúda todos os Orixás e durante os arremessos, conversa com as divindades e faz-lhes perguntas. Considera-se que as divindades determinam o modo como os búzios se espalham pela mesa para dar as respostas.

No cinema, muitos filmes refletiram esta inquietação. Regresso ao futuro ou o Efeito Borboleta falam de como cada ação que fazemos pode alterar drasticamente o nosso futuro. Pronto, não sei se acredito no destino e essas coisas, mas neste momento da minha vida gostava de me ver por um buraco e saber como estarei dentro de uns meses. A adivinhação é isso, prevenir-se para o pior. Mas se o destino é assim e não pode ser alterado…para que queremos sabê-lo?

Não poderei resolver neste post estas questões, só posso ajudar a verbalizar o futuro. Podemos exprimir ideia de futuro por várias vias, vou explicar algumas:

-verbo IR + Infinitivo: é a forma mais comum de exprimir futuro. Vou fazer um curso de português. Na nossa vida diária (reparem bem), poucas vezes conjugamos verbos no futuro. Usamos muito esta construção.

-verbo HAVER + de+ Infinitivo: havemos de ir a Viana.

-com o verbo conjugado no Futuro de Indicativo: deixo aqui uma tabela em PDF com os verbos mais frequentes. Conjugamos verbos no futuro para exprimir hipóteses.os verbos- futuro de indicativo.

Só sei uma coisa: a melhor maneira de predizer o futuro é criá-lo. Então, vamos fazer o que ainda não foi feito!