Festival internacional de teatro em Gondomar

ponte na escena“Ponte…na escena” é um spin off da iniciativa Ponte…nas ondas. Uma experiência educativa que se vem desenvolvendo desde o ano 1995 graças à cooperação entre escolas de primário e secundário da Galiza e do norte de Portugal, com a participação de outras escolas de outros países. Trata-se da emissão de 12 horas de programação radiofónica realizadas integramente por alunos e alunas galegos e portugueses. Mais uma ponte entre a Galiza e a lusofonia. Uma iniciativa lusópata pioneira no nosso país.

“Ponte…na escena” é a continuidade do trabalho destas pessoas e uma nova oportunidade para dar a conhecer as expressões do nosso património comum. O projeto é muito importante porque a partir de aqui abre-se a porta à realização de co-produções entre companhias da lusofonia. Construir uma dramaturgia comum pode ser um dos objetivos a atingir num futuro.
Será o primeiro festival de teatro lusófono na Galiza. No auditório Lois Tobio de Gondomar serão encenadas peças galegas, portuguesas e brasileiras. Diferentes propostas cénicas contadas numa mesma língua com diversos sotaques.
24, 25 e 26 deste mês, Gondomar será a capital do teatro com nh.
Dia 24 é para peças galegas e sábado e domingo serão os dias mais internacionais. No sábado poderemos ver as obras brasileiras “Quando se abrem os guarda-chuvas” e “Olympia”. No domingo “Labirinto de amor e morte” e “A visita”, duas peças portuguesas.
Podem ver aqui o programa inteiro: 20130527_ponte-na-escena
Para os que lá forem, fiquem a saber que o bilhete é 4 euros uma peça. Se arranjarem um bónus, podem ver todas as peças que forem encenadas nesse dia por 6 euros.

Sebastião Antunes na Carvalheira

Não é exactamente um festival, nem uma festa daquelas com banda musical pimba, é uma Festa, uma Festa com muita tradição. Quando penso na idade que eu já tenho e nos anos que leva a Festa da Carvalheira de Sás, apercebo-me de que há mesmo uma data de anos que isto se faz, e que as pessoas gostam, acreditem.

Na mais popular e veterana das festas que pelo país fora honram a música folk, o sábado 4 de Agosto e a partir das 9 da noite na lendária Carvalheira vai aparecer Sebastião Antunes e Quadrilha, já com seis álbuns editados, apresentam música popular baseada na tradição portuguesa com as suas diferentes influências, da chamada música de raiz celta àquela que provém do Norte de África. O espectáculo da Carvalheira de Sás será uma óptima oportunidade para ouvir as canções do álbum “Com um Abraço”, a ser lançado a 24 de Setembro. Este disco é também fortemente marcado pela ida do músico ao Mali, onde fez uma grande pesquisa e recolha de novas sonoridades e instrumentos e que resultam numa versão do tema tradicional “Senhora do Almortão”  que Sebastião acompanha com um Ngoni (instrumento tradicional) e que mostra a semelhança entre a música tuaregue e da Beira Baixa.

Quem quiser saber mais que vá à Festa da Carvalheira de Sás, ainda vai a tempo, e espaço.

O português está perto, mesmo aqui ao lado

Hoje trazemos um outro festival que nos vai aproximar à língua portuguesa, à sua riqueza e diversidade. Com o mote de “aquelas nossas músicas” apresenta-se em Ourense a segunda edição do Festival “Português Perto”. O evento visa dar a conhecer músicas (e não só) que nos ponham em contacto com as sonoridades de Angola, Brasil, Portugal e Galiza. As actividades dividem-se em dois grandes blocos, actuações e workshops. O 7 de maio, às 20:30, vai contar histórias com pronúncia da Arousa o actor Carlos Blanco, o dia 9 às 20:30 tocará NARF, também da Galiza. No dia a seguir é a vez dos Terra Morena subir a palco, sempre às 20:30. Para terminar, a presença portuguesa estará a cargo dos Andarilhos, o 10 de Maio.

No que diz respeito aos workshops, o dia 8, Sandra Diéguez e Sérgio Tannus, galega e brasileiro, vão mostrar as diferenças e/ou semelhanças entre a percussão dos dois lados do atlântico, começa às 19 horas. O dia nove de Maio é o turno da nossa Aline Frazão, também às 19, fazer outro dos seus cacimbos, dos que já demos devida conta neste Lusopatia.

Os festival, e apesar dos cortes, é organizado pela Vice-Reitoria do Pólo de Ourense da Universidade de Vigo, os workshops serão leccionados na ludoteca do Edifício de Faculdades em Ourense e os concertos serão na sala Emília Pardo Bazán, no mesmo prédio, a gente encontra-se lá, quero ver a todos.

Pórtico do Paraíso

raquel alão

Para quem tiver o azar de não ser de Ourense, o Pórtico do Paraíso é um conjunto escultórico românico situado na entrada ocidental da Catedral de Ourense, que reproduz a estrutura da do compostelano Pórtico da Glória mas conservando mais hieratismo românico, apesar de ser posterior.

O nome do pórtico serve de mote para um festival de música internacional que desde 2008 traz a Ourense solistas e grupos de grande qualidade e que utiliza como cenários dos concertos locais menos habituais para receber estes eventos como a Sé, a igreja de Santa Maria Mãe, na de Santa Eufemia, no Liceu ou no Teatro Principal. Centrado na música sacra, acompanha ao festival uma série de eventos paralelos a não perder, como conferências e workshops.

O dia 6 de Março, terça-feira, na Igreja de Santa Eufemia do Centro, pelas 20:30 recebemos à soprano Raquel Alão e ao organista Daniel Oliveria. Raquel Alão estudou o curso de canto na Escola de Música do Conservatório Nacional e recebeu a nota de vinte valores em 2004.Ganhou o 3.º Prémio para Voz Feminina no Concurso Nacional de Canto Luísa Todi de 2007.Fez parte do Programa Jovens Intérpretes do Teatro Nacional de São Carlos, temporada de 2009/2010.Apresenta-se frequentemente em concerto, como solista, com diversos agrupamentos, orquestras e coros. Em Agosto de 2011 cantou a Rainha da Noite na ópera da Flauta Mágica de Mozart, no Seefestspiele Berlin.

Daniel Oliveira é licenciado em Musicologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.Estuda actualmente com João Vaz na Escola Superior de Música de Lisboa. Docente na Escola de Música de Torres Vedras, no agrupamento Visconde de Chanceleiros e no Atelier de Música Antiga de Alenquer. É actualmente organista titular do órgão histórico Bento Fontes da Igreja da Misericórdia em Torres Vedras e organista assistente na Basílica da Estrela em Lisboa. Apresenta-se frequentemente em concertos vários como solista ou em colaboração com vários agrupamentos e orquestras.