Português no verão da EOI de Compostela

maxresdefaultO verão é mesmo longo e podemos chegar a pensar que não o aproveitámos bem. Chega agosto e parece que passámos os meses na pasmaceira sem fazer nada de útil. Ai…que sensação feia!

A Associação de Antigos Alunos da EOI de Compostela organiza um ano mais os seus cursos de verão. O antídoto contra o tédio estival.

Este julho serão ofertadas as mesmas línguas que se podem estudar na EOI durante o ano com uma nova incorporação: um curso de chinês inicial. Eu estudei lá japonês e foi uma experiência muito marcante, adorei.

E com português? o que é que se passa? estamos com sorte, neste verão, pela primeira vez, há dois níveis: inicial e intermédio. Inicial é para quem nunca tenha estudado antes português e intermédio é para aquelas pessoas que já tenham um contacto, umas noções…

Com uma abordagem comunicativa e inovadora e dois professores que já têm trabalhado juntos em projetos de inovação educativa e criação de materiais didáticos, os cursos têm como objetivo fornecer as ferramentas linguísticas necessárias para iniciar o caminho no estudo da língua portuguesa ou aperfeiçoar os conhecimentos já adquiridos.

Se está à espera de um curso tipo fill the gaps…este não é o seu. Ora bem, quer aprender, conversar, saber das culturas lusófonas? Então, confira nesta ligação para saber que documentação precisa para formalizar a inscrição.

 

Malas de contos

Bom domingo a toda a gente, é um bom dia, domingo, no que estamos em off, mas é óptimo para marcar coisas boas a fazer no futuro imediato, fica aqui uma sugestão, de uma actividade diferente e certeza que muito divertida. Os professores da Escola de Línguas de Compostela, como é hábito, organizam um outro acto para ficarmos mais próximos da cultura lusófona, para que nos resultem mais familiares outras pronúncias e podermos assim derrubar alguns muros. Na terça-feira dia 27, pelas 18:30, na sala de leitura da Escola, podemos ouvir o que tem para dizer o contador de contos alentejano Carlos Marques.

O espectáculo chama-se Mala de Contos, e tem como protagonista a Carlos Marques, ele está a contar contos desde 2005, mas tem um dilatado percurso como actor, formado em Estudos Teatrais, depois de ganhar as habilidades requeridas para contar histórias, começou na Universidade de Évora a fazer espectáculos de rua, e a frequentar Workshops, fazendo espectáculos nos que experimentou técnicas de Bufões, Clown, Commedia dell´Arte, Novo Circo e Biomecânica. Dai deu o salto para o Institut del Teatre, na Catalunha e depois trabalhou, já de regresso a Portugal, no núcleo de actores A Escola da Noite continuando, já com uma trajectória individual, em várias companhias como actor e encenador. Não vos vou ralar mais com as inúmeras experiências de um currículo muito bem preenchido. Chegados a este ponto, só resta saber que o projecto da Mala de Contos visa o trabalho com todos aqueles que apreciam ouvir histórias, por ser uma tradição oral genuína, e por colocar ao contador e ao ouvinte numa partilha mais íntima e pessoal. Nesta sociedade completamente atafulhada de informação, que nos conta muita coisa de uma maneira nada isenta, e que pelo seu excesso e falta de profundidade nos idiotiza, era bom ter uns bons momentos para ouvir coisas que estão perto de nós, sinceras, sem mais artifícios do que os da arte de contar.