Isabela Figueiredo à conversa na EOI de Compostela


Isabela Figueiredo nasceu no ano 63 numa terra que na altura era chamada de Lourenço Marques. Depois da independência de Moçambique, deixou Maputo e rumou a Portugal.

Foi jornalista, é professora de português e bloggista de Novo Mundo, portanto, já tem pontos para eu gostar dela.
Desenvolve workshops de escrita criativa e participa em seminários e conferências sobre as suas principais áreas de interesse: estratégias de poder, de exclusão/inclusão, colonialismo dos territórios, géneros, corpo, culturas e espécies.
Hoje estará na sala 5 da EOI de Compostela às 18h30 e poderemos meter conversa com ela sobre o seu último livro, A gorda, e outros.

Anúncios

A imagem de Portugal na Galiza, a Imagem da Galiza em Portugal

14708369_956983354429597_966880708796920073_n

Se pudessem ter um superpoder…qual seria? voar? ser invisível? ter muita força? eu pensei nisto muitas vezes. Na escola, cada vez que tinha um exame queria ler as mentes de todos os meus colegas de turma para assim obter a melhor resposta a cada questão. Eu não era gaja de estudar muito.
Infelizmente, não podemos ler as mentes, mas se a curiosidade é saber o que os galegos e galegas pensam dos vizinhos e o que os portugueses pensam de nós…podemos ler os livros A imagem da Galiza em Portugal de Carlos Pazos-Justo e A imagem de Portugal na Galiza de Carlos Quiroga, os dois editados na Através Editora.

Hoje há uma dupla apresentação em Compostela, na Faculdade de Filologia às 12h e na EOI às 20h. Vão! Sabe-se lá…talvez saiamos dela com um superpoder.

Ari(t)mar

arritmar

Há tanto tempo que quero fazer este artigo. Pensei tantas vezes em como iria começar, em como dar esta notícia…dei tantas voltas que agora o único que quero é que a emoção chegue aos meus dedos e estes me permitam escrever rapidamente.

Tudo nesta história é lindo. Tudo mesmo.

Ari(t)mar é um projeto nascido na EOI de Santiago de Compostela onde docentes e discentes selecionaram o melhor da música e da poesia de 2016 dos dois lados do Minho. Depois…umas votações, e agora uns resultados. Uns premiados e uma gala.
Essa seria a notícia objetiva. Mas por trás disso há um trabalho imenso de pesquisa. Ler e ouvir horas a fio. Uma vontade de aproximar mundos que sempre foram próximos e uma aprendizagem inconsciente para muitos e muitas.

De um ponto de vista pessoal, já disse que agora começava com o plano subjetivo, para mim não pode haver uma coisa melhor. Uma das premiadas no ramo musical é a Capicua. Nas três primeiras posições temos três mulheres e a primeira é ela. Capicua, o meu tótem, a minha rapper de referência. Como dizer: o meu ídolo, se me permitirem o regresso quase à idolatria adolescente.

capicua

Capicua é um palíndromo. Igual que Ana. Ana Matos é essa mulher do Norte que entra com força e diz as coisas tintim por tintim. E igual que os palíndromos, aquela mensagem não tem fim.

Num momento da minha vida em que eu estava mesmo de rastos…ir a um concerto dela foi um elixir mágico. A minha energia voltou dos pés à cabeça, da cabeça aos pés, dos pés…

A parte complicada agora? selecionar uma música. Só uma para esta notícia. Já postei milhares de vezes músicas dela, mas nunca para falar da sua chegada. Seria óbvio demais colocar a música vencedora (Medusa) e como para mim a sereia é um símbolo de muita coisa, vou deixar-vos com a Sereia Louca, por toda essa poesia contida.

Escreveria montes de coisas mais, mas não seria justa com o resto dos premiados, então vamos agora com o José Ricardo Nunes.

img_3066José Ricardo Nunes nasceu em Lisboa, mas mora em Caldas da Rainha. É licenciado em Direito e mestre em Cultura e Literatura Portuguesas. A Companhia das Ilhas editou o seu último livro de poemas “Três oito e setenta e cinco”. O final de um número de telefone? Os números da sorte grande? sabe-se lá. Essa é a magia da poesia, a coragem de nos fazer descobrir e pensar.

Com Tinta da China também publicou “Andar a par” e aí é onde poderemos ler o poema vencedor do Ari(t)mar deste ano: Não sei, minha filha.

Nesta festa da cultura, partilharão o mesmo espaço, igual que partilham a mesma língua, premiados galegos e portugueses, já sabem. Quem são os nossos? Na parte da literatura temos a María do Cebreiro com “O Corazón” e na parte da música o Xabier Díaz e as adufeiras do salitre com “Cantiga da montanha”.

O espetáculo será apresentado pela Isabel Risco e o Carlos Meixide.

Todas estas coisas boas vão acontecer amanhã às 20h, no Teatro Principal.

À conversa com escritores na EOI de Compostela

image
A Escola de Idiomas de Santiago de Compostela começa hoje umas sessões de convívio Galiza-Portugal em volta do tema literário. Hoje teremos a presença de Pedro Guilherme Moreira. A sessão continua depois em dezembro na cidade invicta, para quem quiser fazer um bocado de turismo.

Advogado e escritor, o portuense foi dos primeiros advogados a ganhar o Prémio João Lopes Cardoso e como escritor, estreou-se em 2011 com o romance A Manhã do Mundo. Ele e a galega Ledicia Costas estarão esta tarde na Eoi numa sessão aberta para conversar com os que lá forem.

O escritor também estará na livraria Ciranda à volta do português hoje das 18h às 19h15 e amanhã das 11h30 às 12h30 para assinar livros.

Português no verão da EOI de Compostela

maxresdefaultO verão é mesmo longo e podemos chegar a pensar que não o aproveitámos bem. Chega agosto e parece que passámos os meses na pasmaceira sem fazer nada de útil. Ai…que sensação feia!

A Associação de Antigos Alunos da EOI de Compostela organiza um ano mais os seus cursos de verão. O antídoto contra o tédio estival.

Este julho serão ofertadas as mesmas línguas que se podem estudar na EOI durante o ano com uma nova incorporação: um curso de chinês inicial. Eu estudei lá japonês e foi uma experiência muito marcante, adorei.

E com português? o que é que se passa? estamos com sorte, neste verão, pela primeira vez, há dois níveis: inicial e intermédio. Inicial é para quem nunca tenha estudado antes português e intermédio é para aquelas pessoas que já tenham um contacto, umas noções…

Com uma abordagem comunicativa e inovadora e dois professores que já têm trabalhado juntos em projetos de inovação educativa e criação de materiais didáticos, os cursos têm como objetivo fornecer as ferramentas linguísticas necessárias para iniciar o caminho no estudo da língua portuguesa ou aperfeiçoar os conhecimentos já adquiridos.

Se está à espera de um curso tipo fill the gaps…este não é o seu. Ora bem, quer aprender, conversar, saber das culturas lusófonas? Então, confira nesta ligação para saber que documentação precisa para formalizar a inscrição.

 

António Zambujo à conversa na EOI

uxia-antonio-zambujo-y-sergio-tannusNa intimidade e aconchego da EOI e da Sala de Atos de que dispõe, teremos a oportunidade de ouvir e falar com o António Zambujo, fadista português.

Vem acompanhado da nossa cantora Uxía, que magistralmente tem tecido pontes entre a Galiza e os países lusófonos com o festival Cantos da Maré.

Nestes tempos em que anda tanto na moda jantar com uma celebridade ou pagar por poder estar a 15cm de distância, que a EOI de Compostela e o Departamento de Português nos deem esta oportunidade é quase um luxo.

Então, fãs destes dois cantores, já ficam a saber. Dia 23, às 20h15 na Sala de Atos da EOI de Compostela.

Vamos à fonte beber água?

Cursos de verão na EOI de Compostela

lendo-na-praiaAcaba o verão e tens a sensação de que não tens aproveitado bem o tempo? sempre quiseste aprender uma língua mas deixas tudo para mais logo? Nestas férias podes fazer a diferença!

Na EOI de Compostela abriram antes de ontem o prazo de inscrição para os cursos de verão. Entre a oferta de línguas está também o português.

O curso, focado nas competências comunicativas, decorrerá todo o mês de julho e tem uma duração de 40h repartidas em 2h ao dia de 10h00 a 12h00 de segunda a sexta. Um horário perfeito para aquelas pessoas que não gostam de ter que renunciar a um bom dia de praia.

No final, há um diploma acreditativo com valor de 40h e com carimbo da escola. Se eu fosse a ti não perdia!

Se estás a pensar em fazer a inscrição, tens que passar pela escola antes do dia 20 de junho. Mas não deixes passar muito tempo, porque o curso apenas tem 20 vagas!

Moçambique em Compostela

Esta semana chega um pedaço de Moçambique a Compostela. Gosto imenso de dar estas notícias, porque adoro dar uma imagem ampla, descentralizada e multicultural das coisas. Aliás, tenho um fraquinho por este país, que por voz da minha irmã parece que conheço um bocado: licor de amarula, machibombos, ventoinhas e músicas que podem durar oito minutos.

Gervásio Chambo e Félix Tembe, membros da associação Bantu Mosambiki, estarão na EOI de Compostela e na Gentalha do Pichel. Irão falar da situação cultural de Moçambique e das línguas bantas que lá são faladas. Em Moçambique foram identificadas diversas línguas nacionais, todas da grande família de línguas bantu, sendo as principais (de sul para norte): XiTsonga, XiChope, BiTonga, XiSena, XiShona, ciNyungwe, eChuwabo, eMacua, eKoti, eLomwe, ciNyanja, ciYao, XiMaconde e kiMwani.

O Departamento de Português da EOI organiza nesta semana duas palestras em horários diferentes, para facilitar a nossa presença:

15 de novembro (5ª-feira) 20h na Sala de Atos
16 de novembro (6ª-feira) 9:45h na Sala de Atos

Por sua vez, na Gentalha do Pichel, na sexta-feira, pelas 20h30, haverá uma palestra, um concerto de Narf (que tocará músias em línguas de Moçambique) e ainda culinária típica. É só curtir!

Só resta dizer “kanimambo” à Gentalha e Departamento de Português da EOI

Benevides Maurício na EOI de Compostela

Benevides Maurício, professor, leitor de português e cantor angolano, visitará hoje a EOI de Compostela.

Não é o primeiro contacto que ele tem connosco, Benevides e a Galiza levam anos de relacionamento, como podem ver neste artigo. Ele já esteve em associações culturais, na USC e na escola de ensino secundário Rosalia de Castro…

…e também no Émundial:

Hoje estará na EOI de Compostela para explicar a situação atual de Angola. Será na sala 5, pelas 18h. Esta segunda já lá esteve em horário de manhã e hoje repetirá a experiência. Quem estiver interessado no processo de paz angolano e nos índices de desenvolvimento deste país poderá ir à palestra. Uma ótima oportunidade para estreitar relações lusófonas.

Concerto de fado

A aprendizagem do português não só dá como fruto um bom domínio da gramática, quem já estudou numa EOI sabe disto. Cada turma é uma nova rede de amizades unida por um interesse comum, por outras palavras, cada turma é uma ilha lusópata.

Contaremos as coisas do início. Tudo começou quase como uma queixinha, sempre há quem dedure. O pessoal de básico de português da EOI de Compostela soube um dia que entre eles havia uma menina cantora de fados. Imaginem que grande sorte, estudar uma língua e ter essa oportunidade tão perto. Sara de Sousa tinha que cantar. Assim é que se inicia a ideia de fazer um concerto. De facto, o espetáculo é organizado pelo alunado da EOI.

Sara de Sousa, Paulo Gomes e António Reis conhecem-se de Meta-fado, projeto onde colaboram muitos fadistas galegos e portugueses. Uma ideia que visa derrubar muros culturais e espalhar o amor por este género musical, recentemente declarado património da humanidade. Os três têm uma dilatada experiência nos palcos por separado, mas só estão juntos há pouco, por isso não dispomos de material audiovisual da banda inteira, infelizmente.

O concerto será esta quarta, na Sala Capitol, pelas 21.30. Podem comprar os bilhetes (3 euros) na ReixaTenda.

Diz a canção que um “peito que canta o fado/tem sempre dois corações”. Façam contas esta quarta com a Sara.