Falso amigo: filhós, filhoses

Não sei se repararam, mas culinária e isoglossas por vezes fazem um bom par. Um dos sonhos da minha vida é termos uma história da culinária escrita por profissionais. Sabermos a origem de muitos pratos, porque o que é considerado totémico na nossa cultura se calhar é bem mais recente do que estamos a pensar.

Talvez vos tenha acontecido. Chegam a uma casa portuguesa ou restaurante e alguém oferece filhoses. No vosso imaginário está uma sobremesa de entrudo, redonda e de massa fina…mas a realidade mostra outro produto.

Uma filhó (plural filhós) ou filhós (plural filhoses), é uma especialidade gastronómica portuguesa, muito comum nas regiões do interior e no Seridó por altura do Natal. Filhoses e rabanadas são os produtos estrela na sobremesa da consoada. Realmente, a filhó recebe muitos nomes no país vizinho e há também muitas “modas” para prepará-las. Há quem lhe chame simplesmente “fritos” ou “bolos fritos”.

Coloco os ingredientes que normalmente aparecem, a filhó “padrão”, por assim dizer. Ela costuma ser feita com farinha e ovos, por vezes também com abóbora e raspa de laranja. É frita em azeite, ou outros óleos vegetais. Tem também os seus toppings porque podem ser polvilhadas de canela e açúcar.

Podem ver a receita do Pingo Doce que vos deixo cá ou, se forem mais da geração millennial e precisarem de vídeos podem conferir a Teleculinária.

Existe um outro prato típico do entrudo madeirense que é a malassada. Parece-se com os donuts, as bolas de Berlim ou as “chulas” da minha zona. Era confecionado, igual que as “filhoas” galegas para aproveitar toda a banha que restava antes da Páscoa. A sua história e relação com o Havaí é bem interessante. Não percam.

Anúncios

Réveillon e tradições de Natal

Chega para mim um dos momentos mais esperados do ano: o Natal. Doçaria típica, prendas, ver pessoas que poucas vezes tenho oportunidade de ver no resto do ano…são essas coisas que me fazem gostar da festa. Sei que há quem não goste, mas eu adoro. Até gosto do presépio e dos Reis, sem ser eu uma pessoa religiosa, mas para mim é como uma continuação de andar a brincar com bonequinhos.

Nos outros anos já dei algumas notas culturais sobre o Natal. Neste post quero falar do réveillon e das tradições mais enraizadas de Portugal.

Vamos com o réveillon. Vou dar uma lista de “superstições” deste dia. Que coisas bizarras é que se fazem para atrair a sorte?

Há pequenas coisas que não devem deixar de fazer ao soar das 12 badaladas, segundo as tradições mais enraizadas de passagem de ano:

-Comer 12 passas e pedir correspondentes 12 desejos. Esta e a segunda que vos comento talvez seja a superstição mais conhecida.

-Subir a uma cadeira, porque é sinal de ascensão. Assim progredimos na vida.

-Brindar com champanha.brinde

-Ter uma nota no bolso ou no sapato para garantir a prosperidade económica no resto do ano.

-Fazer barulho com tampas de panelas. Assim afugentamos os espíritos maus.

-Levar roupa interior nova. Mas aqui o consenso é difícil de se encontrar, no que diz respeito à cor. Alguns defendem que deve ser azul, outros de cor vermelha. Supostamente o azul traz boa sorte, o vermelho sucesso amoroso, o amarelo garantias económicas, o branco paz, o verde saúde e o castanho melhora a carreira profissional.

-Dar um mergulho no mar. Carcavelos, Nazaré, Figueira da Foz e Matosinhos ou Vila Nova de Gaia são alguns dos locais que mantêm viva a tradição.

  • OUTRAS TRADIÇÕES que vão do Natal até ao Entrudo.

Como sabem, todas estas tradições têm uma origem pagã e estão ligadas ao solstício de inverno. Algumas delas ficaram no conceito “Natal” outras no de “Entrudo” uma vez que chegou o cristianismo.

Principalmente gosto muito destas últimas. Tenho andado nestes dias a mergulhar na net horas e horas a fio a ver vídeos e ler artigos. Todos muito interessantes. Queria, se me permitirem, monopolizar um bocado o artigo e falar da festa dos Rapazes, porque encontrei um bocado de mim, de nós, nessa celebração.

É em Trás-os-Montes que permanecem mais enraizadas as tradições ancestrais desta épica. A Festa dos Rapazes ou dos Caretos levada a cabo no Nordeste Transmontano é uma delas, com diversos desfiles de mascarados a acontecer em várias aldeias. Na verdade, eu já conhecia esta festa, mas não sabia que começava já em muitas aldeias no Natal ou Ano Novo. Gostei muito de conhecer este dado, porque alguns dos ciclos de entrudo galego mais autênticos também começam nos primeiros dias do ano.

Festa-dos-Rapazes

Como é esta festa? Em forma de “caretos”, “máscaras”, “chocalheiros” ou “mascarados”, os jovens percorrem os caminhos da terra vestindo fatos de serapilheira, máscaras de latão ou madeira e chocalhos à cintura. A sua missão neste ritual de passagem para a idade adulta passa por louvar os mortos, castigar os males sociais e purificar os habitantes. Também fazem “loas”, cantos satíricos onde denunciam os fatos mais importantes acontecidos na comunidade.

Feliz Natal e boas entradas, quer seja com anjos, quer com diabretes.