Os meus podcast portugueses favoritos

Ando agora com a cabeça ocupada com muita coisa. Poucas vezes tenho concentração ou tempo para ler, quando vejo séries dou por mim a mexer no telemóvel e quando vejo vídeos de Youtube que duram mais de três minutos reparo em que no minuto dois já estou a ver a secção de comentários com pouca paciência para ver o final.

Há uns dias recebi uma mensagem no meu Twitter. Uma pessoa que conheço pedia para me unir a um projeto de podcast. Abrir aquela mensagem foi como abrir o cofre de um tesouro. Aquilo tudo brilhava com muita força e logo disse sim. Sem ter refletido muito antes, na verdade. Mas é que o projeto é muito empoderante.

Já sabia o que era um podcast. Conhecia o formato, mas nunca tinha reparado nas suas vantagens de edição. E agora que estou por dentro, comecei a acrescentar no meu Spotify mais podcast portugueses. Fiz até uma seleção e quero partilhá-la convosco.

O É preciso ter lata de Mariana Soares Branco é um espaço onde ela fala dos seus interesses, dá as suas opiniões sobre aqueles temas onde precisamos de uma dose de coragem ou…lata, sim. Tem um episódio sobre os idiomas.

O Valium da Sara Vicário é um desabafo. Fala de coisas que a tiram do sério. Coisas irritantes: os vizinhos, os exames, o trânsito…Afinal toda a gente partilha os mesmos desapontamentos.

Assim a nível linguístico, gosto muito porque dá para me manter atualizada da fala mais descontraída e aprendo muitos bordões. Parece que o programa não tem mais continuidade, mas lá estão os episódios.

A mãe é que sabe é um podcast com chefia feminina. Joana Paixão Brás e da Joana Gama falam de muita coisa e, às vezes, de maternidade.

O Maluco Beleza é desses programas veteranos nisto dos podcast. É um projeto do multifacetado Rui Unas que sabe levar o programa sem constrangimentos de tempo. Podem acompanhar isto no Spotify e também no Youtube. Se quiserem estar a par de quem é celebridade e quem não em Portugal este é vosso podcast.

A minha vida dava um filme é uma criação da Joana Miranda que tem conversas sobre cinema, atuação, elites artísticas…

Reconheço que num primeiro momento vim ao programa como uma traça, atraída pelo brilho do seu título e depois fiquei porque aprendo muito mesmo e eu quero deixar de ser burra.

Perguntar não ofende é um programa sobre matéria política criado pelo Daniel Oliveira, portanto, se quiserem ficar por dentro dos equilíbrios de poder este é o vosso podcast. Em cada programa há diferentes pessoas convidadas que achegam pontos de vista bem interessantes

E no último lugar deixo este tesouro da minha amada Marta Bateira aka Beatriz Gosta, #quem vai acredita. Não me ocorre mulher do norte mais genuína do que esta. Rapper, youtuber e futura mamã. Saboreiem bem estes episódios porque o programa acabou, mas fiquem com a dica e…com esse sotaque!

Espero que gostem da seleção e que também me sugiram mais podcast novos!

Pórtico do Paraíso

raquel alão

Para quem tiver o azar de não ser de Ourense, o Pórtico do Paraíso é um conjunto escultórico românico situado na entrada ocidental da Catedral de Ourense, que reproduz a estrutura da do compostelano Pórtico da Glória mas conservando mais hieratismo românico, apesar de ser posterior.

O nome do pórtico serve de mote para um festival de música internacional que desde 2008 traz a Ourense solistas e grupos de grande qualidade e que utiliza como cenários dos concertos locais menos habituais para receber estes eventos como a Sé, a igreja de Santa Maria Mãe, na de Santa Eufemia, no Liceu ou no Teatro Principal. Centrado na música sacra, acompanha ao festival uma série de eventos paralelos a não perder, como conferências e workshops.

O dia 6 de Março, terça-feira, na Igreja de Santa Eufemia do Centro, pelas 20:30 recebemos à soprano Raquel Alão e ao organista Daniel Oliveria. Raquel Alão estudou o curso de canto na Escola de Música do Conservatório Nacional e recebeu a nota de vinte valores em 2004.Ganhou o 3.º Prémio para Voz Feminina no Concurso Nacional de Canto Luísa Todi de 2007.Fez parte do Programa Jovens Intérpretes do Teatro Nacional de São Carlos, temporada de 2009/2010.Apresenta-se frequentemente em concerto, como solista, com diversos agrupamentos, orquestras e coros. Em Agosto de 2011 cantou a Rainha da Noite na ópera da Flauta Mágica de Mozart, no Seefestspiele Berlin.

Daniel Oliveira é licenciado em Musicologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.Estuda actualmente com João Vaz na Escola Superior de Música de Lisboa. Docente na Escola de Música de Torres Vedras, no agrupamento Visconde de Chanceleiros e no Atelier de Música Antiga de Alenquer. É actualmente organista titular do órgão histórico Bento Fontes da Igreja da Misericórdia em Torres Vedras e organista assistente na Basílica da Estrela em Lisboa. Apresenta-se frequentemente em concertos vários como solista ou em colaboração com vários agrupamentos e orquestras.