Chega o Português Perto!

1902857_700958079967294_3485373403572724489_nUm dos nossos clássicos ataca de novo: Português Perto.
Para aquelas pessoas leigas nisto da lusopatia, vamos dizer que o Português Perto é um festival multidisciplinar de palestras, arte, música e literatura lusófona. Realiza-se em Ourense cada ano em parceria com a Universidade de Vigo, a Câmara Municipal, a Agal, a Pró-Academia…este ano imagino que depois da ILP o ambiente será mais festivo ainda.
A programação começa já, o dia 5 e começa “deitando foguetes”: Valentim Fagim, José R. Pichel e Quico Cadaval no mesmo dia. Ninguém vai ficar adormecido ou entediado. Os primeiros vão expor as ideias do livro O galego é uma oportunidade. Eu já vi esta palestra uma vez e repetiria sem pensar. Do segundo, Quico Cadaval…faz falta dizer alguma coisa? vão vê-lo, é o nosso griot nacional!
A seguir têm propostas de literatura e música: Corasons, o angolano Alberto Mvundi, Tasca e literatura…mas gostava de pôr em destaque, se me permitirem, os clássicos do cinema português do século XX. Parece que entre as escolhas está a mão das pessoas do Cineclube Padre Feijoo e deposito toda a minha confiança neles (não sei se já vos tinha dito que não tive muito boas experiências com cinema português)

Todas as atividades são de graça, exceto o visionado do filme América. Cheguem cedo, que os lugares podem acabar-se!!

A festa do fim do mundo

corasons

Ah pois é amigalhaços! parece ser que o mundo vai acabar na sexta-feira, assim que desejo a todos um bom pré-Natal, porque Natal, ao Natal mesmo, acho que não vamos chegar. Já sei que há pessoas que não gostam de Natal, que chamam de Solstício e outras tangas, mas é a festa mais importante do ano na cultura europeia, é anterior ao cristianismo e eu gosto mesmo.

Esta quadra chega com muita boa coisa para lusópatas ferrenhos como a gente, na quinta-feira, no Teatro Colón da Corunha (eu já fui muito feliz nesse sítio) há uma festa, a Corasons, onde mais de vinte artistas do país, do Brasil, Portugal e Angola vão apresentar as músicas que nos unem, na sexta 21 e no sábado 22 a festa continua no auditório da Ramalhosa, no município de Teu. São mais de vinte artistas, ora nem mais, unidos na amizade e juntinhos por causa da grande Uxía Senlle, promotora do espectáculo. Mas a ideia surgiu da fotógrafa Isabel Leal, que no seu site Quem vê Corações recolhe textos e fotografias de “corações ao acaso” que se observam na natureza ou pintados. A Uxía propôs à Isabel Leal fazer uma exposição e surgiu a ideia de fazer um concerto de músicas que falam do coração.

Pois é isso que se pretende, falar do coração, já há um concerto gravado na Ilha de Arousa com estes artistas todos a fazer o seu melhor, e teremos um livro-disco que tenha também as fotografias e ainda um documental de Francisco Abelleira. E já agora, se o mundo não terminar na sexta, o lusopatia não se faz responsável.