Culturgal 2016

culturgal-550x400Todos os agentes culturais do país estão em pulgas para três dias de atividades e divulgação. Começa o Culturgal deste ano!

Selecionei cá algumas coisitas para vocês fazerem durante a sexta e o sábado.

-SEXTA:

-pelas 18h30 Inês Fonseca Santos e Marta Madureira apresentam o livro infanto-juvenil A palavra perdida. O livro conta a história do Manuel, que perdeu uma palavra e deverá descobrir qual é que era. O resumo da trama, acho que antecipa uma história muito bela.

-SÁBADO:

-Às 13h15 apresenta-se Nortear, o programa de difusão da cultura entre a Galiza e o Norte de Portugal. Querem saber as novidades do ano? Não percam esta apresentação.

-Às 17h, lançamentos Para além dos tópicos da Através Editora. Poderemos ver a apresentação de Mecanismo de Emergência Tiago Alves Costa, Bolcheviques com a coordenação da Teresa Moure, A imagem de Portugal na Galiza de Carlos Quiroga, A imagem da Galiza em Portugal de Carlos Pazos Justo e O penálti de Djúkić de Carlos Taibo.

Já durante os três dias, não esqueçam que a Através e a Ciranda à volta do português vão levar as suas bancas onde poderão antecipar algumas compras literárias de Natal…e também meter dois dedos de conversa com esta que escreve.

 

Desfazendo a raia

15178237_1186205751466650_7890264872438737125_n

A Gálix e a Ciranda à volta do português organizam hoje um evento sobre livro infantil e juvenil chamado Desfazendo a raia. O nome é já uma declaração de intenções, a Galiza e Portugal unem-se para criar uma ponte de livros, desfazer uma fronteira política.

O livro virado para o público mais miúdo vai ser visto de diferentes focagens: a crítica, a edição, a ilustração…o programa está a decorrer nestes momentos na Galeria Sargadelos de Compostela e haverá atividades até amanhã sábado. Querem saber quais são as inquietações a respeito disto na Galiza e em Portugal? este é o vosso evento.

À conversa com escritores na EOI de Compostela

image
A Escola de Idiomas de Santiago de Compostela começa hoje umas sessões de convívio Galiza-Portugal em volta do tema literário. Hoje teremos a presença de Pedro Guilherme Moreira. A sessão continua depois em dezembro na cidade invicta, para quem quiser fazer um bocado de turismo.

Advogado e escritor, o portuense foi dos primeiros advogados a ganhar o Prémio João Lopes Cardoso e como escritor, estreou-se em 2011 com o romance A Manhã do Mundo. Ele e a galega Ledicia Costas estarão esta tarde na Eoi numa sessão aberta para conversar com os que lá forem.

O escritor também estará na livraria Ciranda à volta do português hoje das 18h às 19h15 e amanhã das 11h30 às 12h30 para assinar livros.

Carlos Taibo na Ciranda

12072656_731568670282515_8922184073465474599_nSenti, por vezes nas minhas aulas, que precisava de um livro. Um compêndio de aspetos culturais para entender melhor Portugal. A questão foi quase divina, porque um dia pensei nisto e pouco tempo depois esbarrei com o livro do Carlos Taibo

O perito em teoria do decrescimento estará na Ciranda para, entre amigos, falar de dois dos seus livros:

  • Comprender Portugal (Catarata, 2015; em espanhol) é, em certo sentido, uma introdução à geografia, a história, a literatura e a cultura portuguesas. Nas suas páginas está presente também um capítulo que se interessa pela relação, nomeadamente a linguística, entre a Galiza e Portugal. É o Guia do Mochileiro das Galáxias de qualquer lusopata.
  • Poesias, de Fernando Pessoa (Catarata, 2014). Tem um toque de…retranca, por assim dizer. É um livro-brincadeira que recolhe a primeira, e singularíssima, tradução para galego da poesia portuguesa de Pessoa. Deve ter sido um trabalho sisudo e extenuante dada a enorme distância que existe entre esta(s) língua(s). (I’m ironic)Estes e mais símbolos nacionais amanhã, na Ciranda, pelas 20h. Não percam!

Olhares sobre Portugal: género, ciências sociais e literatura

12009579_893034810771433_2589248003559346226_nE começamos setembro com uma proposta muito corajosa, dessas que convidam a sair de casa, mas é para estarmos num local igualmente aconchegante.

As livrarias compostelanas Lila de Lilith e Ciranda à volta do português organizam entre 14 e 23 de setembro um ciclo de apresentação de livros e autores que toca vários temas, mas sempre de uma ótica que reúne as sensibilidades de ambas as empresas: feminismo e lusofonia.

A “comissária” desta exposição de ideias é Paula Godinho, que trabalha no Departamento de Antropologia e Instituto de História Contemporânea da FCSH da Universidade Nova de Lisboa. A visão da Paula seleciona autores e ideias condensados num programa que se irá desenvolver sempre de tarde, às 19h durante vários dias.

Exponho cá o programa para vocês conferirem:

14 de setembro:
. Fotobiografia de Alves Redol – de António Redol (com a presença do autor)
. Alves Redol – O olhar das ciências sociais – coordenado por Paula Godinho e Antonio Mota Redol (com a presença dos coordenadores e de Luísa Tiago de Oliveira, autora de um texto da obra)

15 de setembro
. Militares e Política: O 25 de Abril – de Luisa Tiago de Oliveira (com a presença da autora)

17 de setembro
. Call centers – Trabalho, domesticação e resistência – de João Carlos Louçã (com a presença do autor)

18 de setembro
. Gente comum, uma história na PIDE – de Aurora Rodrigues (com a presença da autora)

21 de setembro
. Antropologia e Performance – organizado por Paula Godinho (com a presença da organizadora)
. Festas de inverno no nordeste de Portugal: património, mercantilização e aporias da “cultura popular” – de Paula Godinho (com a presença da autora e apresentação de Luzia Oca)

22 de setembro
. O mar é que manda: Comunidade e perceção do ambiente no litoral alentejano – de Paulo Mendes (com a presença do autor)
. No Rasto da Draga – exploração mineira e protesto popular numa aldeia da Beira Baixa (1912-1980) – de Pedro Gabriel Silva(com a presença do autor)

23 de setembro
. Frontera y Guerra Civil de España. Dominación, resistencia y usos de la memoria – de Dulce Simões (com a presença da autora)
. Saal e autoconstrução em Coimbra – de João Baía (com a presença do autor)

Maria Fernanda Garbero de Aragão na Ciranda

imagesEntre tanta agenda de concertos e teatro já achávamos em falta alguma palestra.

Amanhã Maria Fernanda Garbero de Aragão estará na livraria Ciranda. Graduada em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora, esta estudiosa brasileira é um vulto no cenário cultural. Tem grande parte das suas pesquisas em estudos de género, dedicando-se, sobretudo, à compreensão da formação de atores políticos que romperam com as expectativas da esfera privada para, de perspetivas diversas, escandalizar a cena pública.

O seu projeto de pesquisa atual propõe leituras de experiências a partir das composições da mãe e da maternidade, tanto na literatura, quanto na atuação social, tendo a desconstrução mítico-afetiva como caminho para a reivindicação uma voz coletiva e empoderada.

Amanhã pelas 18h na Ciranda encarará um tema quase consubstancial ao Brasil: a violência sob diferentes perspetivas, porque ela também é uma marca na literatura brasileira.

A palestra, intitulada Era uma vez um conto de violência: mulher e literatura no Brasil, promete não deixar ninguém indiferente.

 

II Jornadas de português na Ciranda

Um ano depois da primeira experiência com estas jornadas, a Ciranda visa fazer desstes cursos já uma tradição.11081003_653325938106789_1947924963166341868_n

Dada a aprovação da lei Paz Andrade para o aproveitamento do ensino do português na Galiza, cada vez mais pessoal tem mais interesse por conhecer procedimentos e recursos para pôr em andamento uma matéria de Língua Portuguesa no seu centro de ensino.

O cartaz deste ano trata diversos aspectos, desde a focagem lúdica à colaborativa. Tudo isto com os melhores docentes e ainda com o plus de ser uma atividade homologada pela Conselharia de Educação.

 

Curso de estratégias comunicativas em português

10570313_653194598119923_5569152224349560579_nÉ guia turístico e está farto de falar portunhol? Não está certo/a de comunicar o que realmente quer dizer? Este curso é para si.

O próximo dia 11 a Ciranda organiza um curso virado para este setor. Porque receber visitas não é assim tão simples e os guias também devem dar uma imagem de qualidade e não a ideia de…”enfim, vamos desenrascar e falar mais ou menos galego”.

Em cada visita damos também uma imagem de nós mesmos e é importante darmos o nosso melhor.

O curso fornece das ferramentas básicas comunicativas para recebermos turistas e explicarmos a Galiza mais monumental sem passar muitos apertos.

Alinham, então?

Mais uma vez…Ondjaki

angolegoEstavam a pedir, estavam a desejar isto desde a última vez que o Ondjaki veio à livraria Ciranda. Parece que aquela apresentação do livro soube a pouco e agora vamos voltar a ter o Ondjaki connosco.

Amanhã na livraria compostelana Ciranda haverá uma mesa redonda com Felisa Rodríguez Prado, Carlos Quiroga e o escritor angolano de Os Transparentes. Angolano de nascença e angolego de coração (como diz este cartaz da FSCH), o escritor e os professores da USC conversarão com os assistentes sobre literatura angolana.

O ato está marcado às 20h, mas quem já estiver na experiência anterior, sabe bem como são as horas e o tempo para o nascido em Luanda. O melhor será a história criada para justificar a demora. Não conhecem ainda o Ondjaki e as histórias dele? impossível! Vejam como interage com os leitores e leitoras no mundo 2.0.

Conversas e amigos…todos bem recebidos no aconchegante local da Ciranda.

Luandino Vieira na livraria Ciranda

Vieira-460x250O autor de Luuanda vai visitar Compostela e a livraria Ciranda amanhã. Não sei o que se passa, mas a Ciranda e Angola têm uma relação muito especial, este vai ser já o segundo escritor angolano em pisar a livraria em menos de um ano.

Luandino Vieira estará pela primeira vez na capital nacional. Anteriormente já tinha havido um encontro marcado com ele, mas infelizmente não pôde estar connosco. Desta vez teremos tempo de ouvi-lo, que nos conte coisas da editora Nossomos e as atividades da associação poética Porta XIII.

Que imensa sorte ter a oportunidade de passar umas horazitas com um vulto da literatura em português e uma figura tão importante na independência de Angola.