Falso amigo: ração

A vida dos nossos animais de estimação tem mudado muito nos últimos anos.

Antigamente cães e gatos comiam as sobras do almoço familiar. Hoje os donos optam mais pela ração. Não sei se esta fórmula é fruto da sociedade mercantilista em que vivemos ou é que é mesmo mais saudável para as nossas mascotes comer ração. O que é que acham? Será que gostamos mais das coisas que são apresentadas em pacotes e sacas?

A veterinária Sílvia Parissi expõe as razões de a ração animal ser, segundo ela, mais adequada neste artigo. Quem estiver interessado no mundo dos bichinhos pode dar uma espreitadela ou ver este vídeo com dicas. Eu só sei de animais da Nintendogs e esses comem sempre o mesmo.

Alguma coisa nas suas cabeças fez um clique? vamos com as conclusões…

Então, como podem ver, pode existir um conflito no nosso imaginário com esta palavra na interação, por exemplo, num restaurante. O que é que podemos dizer se nós só queremos metade de um prato? como podemos perguntar quantas porções de comida há num prato?

As comidas, como os medicamentos, podem ser dosificadas. Então diremos a palavra “dose” e não “ração”, que como sabemos é só para animais.

Para quem gostar de tomar muitas comidas mas em pequenas quantidades, sempre estará a estratégia de pedir petiscos. Experimentam-se muitos sabores desta maneira.

E já em último lugar e como estamos a dar estratégias em restaurantes, não podia faltar este vídeo do nosso guru. Muita atenção à técnica de encher pacotes com miolo de pão!

As nossas letras II: Ç

Um dos dias do ano mais especiais no calendário galego é o Dia das Letras Galegas. Não é uma festa religiosa, nem gastronómica, nem fazemos rituais de fertilidade: comemoramos o nascimento de um livro e a existência de uma língua. Fixe, pois não?
Cada ano é dedicado a uma pessoa, um escritor/a galego/a que tenha morrido há mais de dez anos. Se eu seguisse a tradição, deveria começar agora a falar de Paz Andrade, mas não vou fazer isso, desculpem lá. No Dia das Letras Galegas vou ser, se me permitirem, mais literal, vou falar de uma letra galega.
Se ela fosse um super-herói, seria evidentemente o meu adorado Clark Kent: jornalista e Super-homem. O super-poder desta letra é, como no Super-homem, a sua duplicidade. O Ç cedilhado não deixa de ser um C, são duas caras da mesma moeda.

A cedilha é um pequeno z num C. A grafia atual teve origem na escrita gótica medieval ʒ, porque o alfabeto latino já não dava soluções para os sons novos das línguas romances.

Um dos super-poderes cedilha é o de resolver definitivamente o problema da pronúncia ambígua do C latino. De facto, se o Ç precede um A, um O ou um U é pronunciado [s], ao contrário do C, que é pronunciado [k], quando precede as mesmas vogais. Desta forma, o sinal respeita os vínculos com o passado (a presença da cedilha deixa clara a sua origem etimológica) e torna a escrita menos ambígua. Por outras palavras, a cedilha é utilizada na nossa língua, no catalão e no francês sob a letra C para gerar o som [s] antes de A, O e U.

vocêVamos ver duas normas muito importantes com o Ç:
-não existem palavras que comecem/acabem por Ç.
-como dissemos antes, Ç só pode ir com as vogais A, O, U: caça, poço, açúcar.
(-podem ver mais regras aqui.)

Coitadita letra Ç, por favor, nunca deixem computadores a um estudante Erasmo…

E para fãs da cedilha, uma proposta têxtil.

Falso amigo: prenda

Que melhor época que um Natal que já foi para falarmos nisto.
Se ao ouvirem a palavra “prenda” vocês pensam em roupas, há qualquer coisa que não bate certo.
Uma prenda é um presente, uma coisa que oferecemos a alguém no dia de anos ou por exemplo no Natal. Vai normalmente num embrulho: papel lindo, fitas às cores…e assim mantemos a surpresa até o final.

(para não fazer confusão pensem em que cada parte em que se divide o conjunto das nossas roupas é uma “peça”)

Neste vídeo, o Bruno Aleixo, o nosso Ewok predileto, explica como celebra estas festas em casa e canta também as janeiras para a senhora professora. Podemos assim espreitar os costumes do Portugal da época e ver o uso da palavra de hoje.

Conseguiram saber qual é a prenda de Natal que o pai dele tem escondida? (podem ver a resposta no globo de conversa no ângulo superior direito deste artigo ou nos comentários)

6 ideias lusópatas para este Natal

Pensaram já na prenda perfeita para qualquer lusópata neste Natal? adornaram a casa? ainda não têm nada!?
Lusopatia dá umas dicas que podem resolver a situação de nervosismo final nesta contagem decrescente.

1)A loja Imperdível da Agal. Têm muita coisa fixe, podem comprar livros, colantes, mapas, bandeiras, sacas, filmes, CD e mesmo t-shirts para fãs do Ç, NH e LH. Podem dar uma vista de olhos, porque cá há sempre boas ideias e o sistema de pagamento é seguro.

2)Se quiserem mais livros e fazer a estreia de novas tecnologias podem optar por descarregar livros em PDF na Alfarrabio. Esta é hoje a maior base de literatura em português de acesso livre.

3)Numa casa lusópata tem de haver um galo de Barcelos, pois não? Traztraz Serviços Raianos envia-os às casas, mas estes galos são muito especiais: estão em branco e nós é que devemos pintar. Os marcadores podem ir incluídos ou não. Acho muito divertido!

4)Se forem mais tradicionais podem também fazer um presépio e ainda (isto como novidade) podem rever conceitos de Geometria em casa. Procurem uma tesoura, cola e paciência!
http://hoin.blogspot.com/2009/12/presepio-para-montar.html

5)Mais ornamentos para a casa, desta vez com a técnica do origami, que é sempre melhor que cortar uma árvore e ocupa pouco espaço.

6)Isto é a cereja no bolo! Sabem que podem criar vocês próprios um pin do Bruno Aleixo? No Clube de fãs do Bruno Aleixo podem descarregar esta fotografia, imprimi-la e colocar depois um imperdível por trás. Fogo!