Férias ou Feiras?

Vamos com esse cavalo de batalha. Um osso dos difíceis para os meus alunos e alunas.

A situação é assim, estamos nas aulas pacatamente a meter conversa e…aparece de maneira constante esta dúvida. Vamos com isto, que não é assim tão complicado. Força!

As férias, assim no plural, são uns dias em que trabalhadores e estudantes descansam. São dias consecutivos, se for um dia à solta, dizemos que é um dia de folga. Para quem trabalhar no ensino ou quem estiver a estudar, é um conceito fácil de se entender: para uma professora ou estudante as férias são no Natal, no Entrudo, na Páscoa e no verão (as férias grandes).

Para o verão até tínhamos criada uma playlist especial neste artigo anterior. Lembram-se?

Uma feira costuma ser um grande mercado, muitas vezes ao ar livre, onde são vendidas mercadorias. Na minha terra, Padrão, tem uma periodicidade fixa. Todos os domingos (sem exceções, mesmo que seja 1 de janeiro, Natal…) há feira. Pimentos, polvo à feira, peixe, cestos, livros, queijos…e até uma viagem de carrossel podem ser comprados lá. Eu amo os domingos de manhã em Padrão.

Contudo, o meu amor a Lisboa obriga-me também a falar doutra feira importante: a feira da ladra. Terças e sábados, chova ou faça sol, lá estão os feirantes com as suas bugigangas. Trata-se da feira mais antiga da cidade. Além de ver e poder comprar objetos antigos, em segunda mão e tesouros da cultura alfacinha, o ambiente que lá se respira é espetacular.

Se a palavra “feira” estiver acompanhada de um numeral, então estamos a falar nos dias mediais da semana. Isto é, todos aqueles que não forem fim de semana: segunda-feira, terça-feira, quarta-feira, quinta-feira, sexta-feira. Por assim dizer “feira” é o apelido que acompanha esses numerais, mas muitas vezes usamos a versão curta: segunda, terça, quarta…

Existe então a palavra dia no português? existe, claro. Não se esqueçam dela! Aproveitem estes dias e ponham a conversa em dia!

Dez canções de Natal que não canta a Mariah Carey

Será que já ouviram neste ano a canção daquela artista dos EUA? então é que é Natal mesmo. 

O Natal é uma das minhas festas prediletas. Há autênticas iguarias, prendas e uma ode ao mau gosto constante sem qualquer tipo de complexo. Tudo é aceite: lantejoulas, cetim, grinaldas ruídas, veludo, muito plástico, coisas doiradas e luzes a piscar. Há uma palavra em alemão para isto: kitsch.

As canções que ambientam não são muito melhores do que o resto dos enfeites. Repetitivas e em falsete, são duas características que unem as canções natalinas, as janeiras e as músicas pop do Natal. Eu penso que Last Christmas pode ser usada para alterar mecanismos do córtex cerebral.

Pensei em fazer uma lista com canções na nossa língua. Tinha alguma coisa em mente, mas quando me estava a documentar, encontrei verdadeiros achados e foi impossível não querer partilhá-los.

Têm cá a minha apresentação, se carregarem nas bolinhas verdes, podem ver os vídeos.

Explico-vos um bocado as escolhas:

Popota em versão Popomodel
  • Luísa Sobral: está três vezes nesta lista porque é, sem dúvida, a dona disto tudo em Portugal (junto com a Áurea, mas esta última canta em inglês e então decidi não incluir). Querido Pai Natal, Canção de Natal Natal mais uma vez. Não é que ela faça discos de Natal tipo Michael Buble ou Luis Miguel, mas a rapariga sempre tem um espaço para este género de músicas. E eu, até gosto. Vejam os clips de vídeo, porque são muito estéticos.
  • Zeca Afonso: estou com dor de cotovelos. Quanto talento. Este homem tinha sensibilidade também para criar uma canção de Natal com toques da cultura popular como as janeiras. Esta faixa devia mesmo estar na seleção.
  • A Popota: no Natal há vários seres inesquecíveis: duendes, Pai Natal, renas…e o Continente tem, atenção, uma hipopótama. A Popota é uma autêntica celebridade do Natal português e cada ano tem um vídeo novo, tem até uma página com jogos, passatempos e conteúdos interativos para os miúdos. Coloquei-vos o clip do ano passado porque ela fez uma cover de uma música do Agir. Na Galiza a única hipopótama que nós temos é a imagem que o nosso espelho nos devolve depois de quase 15 dias de jantaradas continuadas.
  • Rui Veloso: os velhos rockeiros também sabem chegar ao coração das pessoas. A letra desta canção é incrível, penso que faz uma crítica com muito lirismo. O Rui fala do Natal dos mais humildes e há lá vários temas sociais colocados na mesa. Ouçam.
  • Anjos e Susana: a Susana deste vídeo é a mesma Suzy de Eu quero ser tua que representou a Portugal no festival de eurovisão de 2014. Sim, essa. Em 1999 cantava isto canção com os Anjos, uma boy band. Ela era um boneco de neve e tinha a certeza de que ia derreter. Os Anjos e ela juntos é como ver os Back Street e a Britney à portuguesa, era a década de 90 e as influências eram as que eram. Nunca chegaremos a saber porque é que a Suzy, de Figueira da Foz, pronuncia todos os T como Tch. Comentem-me as vossas epifanias.
  • Xuxa: para mim este é um vídeo muito caricata. A Xuxa vestida, enfim, da Xuxa, no meio de um exército de crianças e lá no fundo o Pão de Açúcar.
  • Tema de Natal do Meo: estou a ser mesmo repetitiva porque em 2014 já vos disse que era fã deste vídeo. Prometo que se eu achar algum que supere isto, deixo de pôr. Por enquanto, isto está ainda do topo. Maravilha.
  • Boss Ac: não podia faltar uma faixa de rap e o Boss Ac é o homem. Com Carta ao Pai Natal lança versos tão sublimes como este: 

Se és Pai Natal deves ser pai de alguém
Para mim Natal é a qualquer hora, basta querer
Gosto de dar e não preciso de pretextos para oferecer
E já agora para acabar, sem querer abusar
Dá-nos Paz e Amor e nem é preciso embrulhar

Já agora para acabar, Paz, Amor e Feliz Natal!