Falso amigo: quitar

Espero que este ano académico tenha começado com muita energia para vocês. Com o início das aulas, podem chegar também novas dúvidas.

Algumas vezes queremos traduzir literalmente, não nos lembramos já das coisas aprendidas o ano passado ou não sabemos bem se o verbo em que estamos a pensar vai ter o mesmo significado em português. Vamos aí com um que sei que vai ser muito útil.

Quitar é em português pagar ou satisfazer uma dívida: a empresa quitou-se das suas dívidas.

Se quisermos exprimir em português a ideia de extrair, obter ou mesmo eliminar….podemos usar o verbo Tirar.

  • tirei essas informações da net
  • tira o casaco, que está muito calor

Oxalá

Antes de ontem algumas das minhas melhores amigas participaram no concurso público para serem professoras de Português no ensino secundário. As vagas são poucas, apenas quatro, mas não me ocorrem pessoas mais preparadas ou que mereçam mais.

Contudo, nisto dos concursos existe uma dose de sorte bastante grande. Passei o dia a colocar Oxalás na minha cabeça, como se fosse eu a concursar. Estou a fazer figas! Mando um grande abraço e muita força para elas!

Afinal o que eu tenho é um desejo de que algo aconteça e interjeição Oxalá é usada para exprimir isto mesmo. Para sabermos a origem desta palavra temos que ir às raízes árabes, à expressão “‘in sha’ Allah“, cujo significado é “se Deus quiser”.

O Oxalá, como é uma interjeição, pode funcionar como uma resposta em si mesma.

-Achas que afinal vamos passar no teste?

Oxalá!!

Quando na nossa língua o Oxalá vai acompanhado de um verbo, este tem que estar conjugado e estar no modo Conjuntivo. Temos assim dois esquemas possíveis: uma hipótese mais provável e outra menos provável.

Vou dar uns exemplos para isto ficar mais claro:

Oxalá a Pabllo Vittar cante “Problema seu” (cá estou a considerar que existem muitas probabilidades de isto se concretizar)

Oxalá a Pabllo Vittar cantasse “Problema seu” (cá estou a pensar que não há muita hipótese)

Não podemos fazer é combinar o Oxalá com Infinitivo: Oxalá ter um carro novo*. Neste caso teríamos que dizer: Oxalá tenha/tivesse um carro novo.

Podemos ver muitas destas construções nesta música dos Madredeus.

Embora a palavra Oxalá seja muito conhecida na lusofonia, no Brasil a forma preferida é Tomara, Tomara que sim ou Tomara que não. E olhem que canção tão icónica temos por cá…

Por vezes, duas palavras com duas origens diferentes acabam por ter afinal o mesmo “aspeto”. Isto acontece com frequência no português, é um fenómeno que se chama Homonimia. Na língua iorubá, o substantivo Orinsalà também derivou em Oxalá. Como sabem, o Brasil é um país com muitas confissões religiosas. Uma das religiões mais conhecidas é o Candomblé, nesta fé o nome de Oxalá é reservado para o orixá (deus, santo) criador da humanidade e do mundo. Este orixá é reverenciado na festa do Bonfim em Salvador da Bahia.

População ou Povoação?

Vamos com algumas dúvidas que vejo quando leio o Twitter. Hoje debrucei-me com esta.

População é a demografia, o número de pessoas que habita um espaço. Há uma série de expressões relacionadas: população ativa, população flutuante, densidade populacional…

O continente mais populoso é o asiático, com 60% da população do planeta.

Podem fazer este quiz do RachaCuca sobre curiosidades da população mundial.

Povoação é sinónimo de lugarejo, um assentamento humano com muito poucas casas. Em Portugal é uma divisão administrativa que se integra na aldeia mais próxima.

Também é o ato de povoar.

Como curiosidade, há uma vila de São Miguel, nos Açores, que se chama Povoação. Se quiserem espreitar, vejam este link

Cientista ou Científico?

Isto vai ser desses pequenos desvios que um corretor não vai ser capaz de sublinhar em vermelho. Talvez seja muito óbvio e possamos pensar rápido na resposta, mas cá vai ela, pelo sim, pelo não.

Cientista é a pessoa cuja atividade se desenvolve no domínio das ciências. É um substantivo.

Quem são as quatro cientistas portuguesas premiadas e os caminhos inovadores que estão a trilhar?

Deixo-vos cá uma notícia sobre as cientistas portuguesas premiadas. Nem tudo vai ser o Egas Moniz!

Científico/a é um adjetivo: O método científico é um conjunto de etapas ou passos que um cientista segue, numa sequência lógica e organizada, para estudar os fenómenos.

Se pensares, acontece o mesmo com:

Substantivo              Adjetivo

Documentário          Documental

Diplomata                 Diplomático

Feito e Facto

Como este ano decidi “hibernar” nisto de dar aulas, falta-me alguma fonte para fazer artigos. Felizmente, ainda me recordo de dúvidas que os meus alunos e alunas tinham. Outras vezes, as redes sociais também funcionam como inspiração.

Imagem de Os Lusíadas em quadrinhos de Luís de Camões/Fido Nesti

Hoje vi que alguém tinha esta dúvida. Vamos lá com ela.

Feito pode ser várias coisas:

  • é o particípio do verbo Fazer: o meu trabalho já foi feito
  • como substantivo é sinónimo de Façanha: Luís Vaz de Camões cantou nos Lusíadas os grandes feitos dos portugueses no mar.
  • o plural os feitos corresponde com a linguagem jurídica, quer dizer “os processos judiciais, os autos”

Esta palavra aparece em expressões como: meu dito, meu feito, que indicam uma ação feita de maneira imediata, sem intervalo quase entre o que foi acabado de dizer e o que foi feito.

Facto é um substantivo que indica uma coisa realizada. Aparece em muitas expressões fixadas: de facto, ao facto…sempre foste amigo meu, de facto, confio muito na tua palavra.

Falso amigo: casco

Casco é em português um sinónimo de Carcaça, Casca. Um casco, por exemplo, é uma parte das embarcações sem mastro. O Prestige era um navio monocasco que naufragou nas costas galegas.

Esta palavra também aparece na expressão Cascos de rolha, que usamos informalmente para nomear um lugar muito afastado.

Para indicarmos a parte mais antiga de uma cidade dizemos: a Zona nobre, a Zona antiga, a Zona histórica, a Cidade antiga, etc…

Se quisermos falar do centro administrativo e comercial de uma cidade, usamos a Baixa.

O acessório que nos protege a cabeça quando viajamos de mota chama-se Capacete.

Falso amigo: contaminar, contaminação

Com a correria da covid nas nossas vidas talvez algum ou alguma de vocês tenha lido ou ouvido um bocado mais estes termos de que vamos falar hoje. Todas as medidas que tomamos como lavar as mãos, o uso de máscaras, isolamento ou distanciamento são úteis para evitarmos a contaminação.

No português Contaminar tem o sentido de Corromper ou Contagiar. Por exemplo: o cientista tocou as provas do crime sem luvas e contaminou-as.

Nesta imagem vemos como as pessoas previnem a contaminação com a higiene e uso de máscaras.

Nesta outra figura podemos observar o risco de contaminação.

Deixo-vos cá também este vídeo onde é explicado como retirar luvas sem contaminar as mãos.

Quando falamos no ambiente, falamos de Poluir, Poluição: o naufrágio do Prestige poluiu as rias galegas.

A poluição na nossa língua não é apenas referida àquilo que danifica o ar (smog). Pode haver poluição luminosa, sonora, térmica, radioativa…

Falso amigo: classe

Com o decorrer dos meses chegam dúvidas que costumam ser “calendarizáveis”. A palavra Classe é uma dessas que vêm à tona quando agosto está para acabar. Vamos lá com ela.

classe é o resultado de uma classificação

A escolarização foi mais tardia em pessoas de classe baixa;

O lobo é um animal da classe mammalia, da ordem carnívora, da família canidae.

Durante o nosso período escolar, por exemplo, estudamos muitas classificações. A dos seres vivos, a dos minerais…

Quem não estudou muitas (muitas) vezes a classificação das palavras?

Outro significado pode ter também o de Distinção ou Requinte.

Os passageiros terão a nova sensação de viajar com classe. 

Vejam cá a ironia dos Gato Fedorento numa agência publicitária de Chelas..

Quando falamos dos estudos usamos a palavra Aula para cada uma das sessões em que o professor ou professora explica diversos assuntos aos alunos e alunas: vou a aulas de grego moderno às terças

Se quisermos especificar o grupo de pessoas com que vamos às aulas, dizemos Turmaquando estudava na escola, em terceiro havia duas turmas: 3ºA e 3ºB, eu estudava em B.

Adestrar ou Treinar?

O vocabulário pode ser um dos desafios quando aprendemos uma língua. Implementar novo léxico e lembrá-lo. Pôr em prática aquilo que aprendemos.

Algumas vezes, quando a aprendizagem é autodidata temos um outro entrave: vamos ao dicionário, consultamos, parece que sabemos o significado, mas…alguma coisa não bate certo. Falta-nos por saber o contexto de uso dessa palavra. E aí o corretor online não ajuda.

Hoje quero-vos falar deste par.

Adestrar é ensinar alguma coisa a um animal com determinados fins. Podemos adestrar um cavalo, por exemplo, para se tornar mais calmo, atento ao cavaleiro, etc. Podemos adestrar um cão para ele estar mais adaptado à vida doméstica, para ser cão guia…

É importante sabermos que no uso Adestrar é um verbo normalmente associado a animais.

Adestrei o meu cavalo para o concurso de hipismo.

O caráter do teu cão tem mudado muito com os adestramentos.

Etimologicamente partilha origem com Destro, aquele que escreve com a mão direita.

Treinar vem do francês traîner. Este verbo significa também ensinar ou aprender determinada ação prática, quer dizer, tornar apto a desempenhar uma atividade.

Demorei a ser fluente em italiano, tive que treinar muito.

Pode ser até preparar-se para a prática de um desporto.

Nas quintas tenho treino de futsal

Acho que durante as semanas de confinamento toda a gente viu algum desses vídeos com pequenos treinos para manter a forma física em casa, né? Deixo-vos este link

Fazemos agora a mesma indicação que com o verbo anterior. Reparem em que Treinar é usado quando falamos em pessoas.

Falso amigo: aportar

Com a chegada do verão para alguns e algumas é mais comum o contacto com o mar. De facto, não há muitos anos, fizemos este post com expressões idiomáticas relacionadas com o mar, a água, os navios e as navegações.

O mar tem um poder terapéutico e traz muitos benefícios para o nosso estado de espírito, disposição. Mas aqui há gato. Se estou a escrever este artigo é porque algo me deixou mal disposta. Vamos lá ver.

O verbo Aportar é desses que também estão no campo semântico do mar. Quer dizer regressar ao porto, entrar num porto.

Os refugiados aportaram em Leixões

Pode ser um sinónimo de ancorar.

O herói Ulisses aportou na ilha Eeia, a ilha de Circe

Podem ver neste vídeo como, aos olhos de umas crianças, a ilha da Madeira foi descoberta. Vale a pena ver o desafio!

Então pessoal tomem cuidado aí. Algumas vezes aparece este verbo nos vossos textos, mas não com estes sentidos anteriormente referidos e, assim, não dá.

Por exemplo, ontem vi no Twitter isto: eles têm de aportar provas*

E como podemos então substituir esse Aportar? dou-vos cá umas sugestões:

  • contribuir, dar um contributo…
  • fornecer, prover, munir…
  • achegar, pôr ao alcance…