Kleber Albuquerque

Amanhã não sejam burros e vão aonde têm que ir! Kleber Albuquerque está na Galiza!

12932648_837569009680378_9005144883197240498_nKleber Albuquerque é um cantor brasileiro autodidata e multidisciplinar. Começou a compor já na adolescência, juntando às letras próprias pedaços de poesias e narrativas de Gabriel García Márquez, Pessoa, Jorge Luis Borges…

Entre banda e banda de rock começou a participar de festivais de música brasileiros e num deles o compositor paulista J.C. Costa Netto ficou de olho nele. Desta união nasceu o seu primeiro disco, chamado 17.777.700. Tempo depois viriam outros com nomes igualmente curiosos: “Para A Inveja Dos Tristes”,
“O Centro Está Em Todas As Partes”, “Desvio” e “Só O Amor Constrói.

Com que nos irá deleitar nesta mini-tour na Galiza? com um lançamento de um disco novo com um nome carregado de poesia: 10 Coisas Que Eu Podia Dizer No Lugar
De Eu Te Amo.

E como amanhã é 1 de abril, o dia da mentira, suponho que por isso incorporaram uma mentira no cartaz. As datas, dias, horas e ruas estão certas, não assim o país 🙂

Escola do Rock de Paredes de Coura em Vigo

image

Paredes de Coura é conhecido por ter um dos melhores festivais deste mundo, mas talvez não saibam que este município vai muito à frente em muitas outras iniciativas.

A “Escola do Rock” é um projeto municipal que foi desenhado e tem a direção artística do Space Ensemble, permite a um conjunto de músicos portugueses em potência, desenvolver competências musicais e criativas, em especial na área da música rock.

Em volta desta escola há pequenos concertos, workshops, ensaios e muita experimentação. Já agora, tenho que dizer que a página tem um design impecável. Quanto temos que aprender!

A partir deste projeto nasce uma tour com o mesmo nome, um espetáculo que tem já circulação confirmada na Galiza, proporcionando assim uma hipótese única aos músicos participantes de entrar em digressão por algumas das melhores salas de além e aquém Minho.
O senão que uma pessoa como eu pode ver nisto é o espetáculo ser no mesmo dia que os Cantos na Maré, porque eu, sinceramente, gostava de ir às duas coisas. Programadores e programadoras culturais, por favor, amai-vos e uni-vos!

Voltamos ao ponto. A Escola do Rock estará em Vigo no sábado às 19h no Auditório Municipal. Vai dar barraca, migas!

<p><a href=”https://vimeo.com/117187676″>Escola do Rock [ Rock School ] Paredes de Coura 2014 (English subtitles)</a> from <a href=”https://vimeo.com/canal180″>Canal180</a&gt; on <a href=”https://vimeo.com”>Vimeo</a&gt;.</p>

Gonçalo Guerreiro na EOI de Lugo

image

Amanhã na EOI de Lugo despedem o trimestre com uma jornada de fados. Gonçalo Guerreiro, a sua voz e o seu gosto musical estarão na cidade das muralhas para encher de ritmos lisboetas as paredes da escola.
Ele é desses homens faz-tudo na cultura galego-portuguesa atual. Membro de Elefante Elegante, estamos mais habituados a vê-lo nos palcos a encenar e levar peças teatrais pelo mundo afora.

Nasceu em Lisboa em 1974. Concluiu o curso de formação de atores na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa depois de passar pela Real Escuela Superior de Arte Dramático de Madrid com uma bolsa do Ministério da Educação português.

Trabalhou como ator nas companhias portuguesas A Barraca e Teatro do Montemuro. Encenou espetáculos do Teatro Escondido, da Compagnie Imagerie e da Compagnie Blablablah na Bélgica.
É diplomado pela École Lassaad, em Bruxelas, onde herdou a pedagogia de Jacques Lecoq do Teatro de Movimento. Estudou Commedia dell’Arte com António Fava na Itália e Antropologia Teatral com Eugénio Barba na Polónia, Dinamarca e Portugal. Além da sua atividade pedagógica, Gonçalo Guerreiro é ator e co-diretor artístico do Elefante Elegante Teatro.

Vejam uma pequena amostra do que ele é capaz de fazer no âmbito musical.

Amanhã às 17h30!

Abrilada em Ferrol

11181886_10204268921751040_8206752642832093608_oAbril é sempre um mês de muito trabalho no Lusopatia, não podia ser doutra maneira.

Amanhã em Ferrol a EOI, Rádio Filispim, Artábria e o Ateneo Ferrolán cooperam para rememorarem com um vasto programa o aniversário do 25 de abril.

De 24 a 28 de abril temos várias propostas culturais que tocam este evento histórico de diversas maneiras: documentários sobre o Zeca Afonso e a fuga de Peniche, teatro e um programa de rádio com músicas especiais é a combinação perfeita para três dias de agenda. Vejam lá o programa na imagem.

Quem por lá estiver, será uma pessoa com sorte.

Recreios, músicas emergentes além da raia

recreios_logo-300x75Até que enfim! num dia ensolarado como o de hoje tenho muita emoção ao dar este género de notícias.

Qualquer pessoa que fosse à escola sabe que estar 6h fechado e sentado é muito opressivo. É por isso que o  momento do recreio é como tocar o céu, um horizonte aberto onde podemos esticar as pernas, falar em voz alta e estar pelo menos 20min sem mais responsabilidade que a de sermos felizes.

Descobri que há uma plataforma chamada Recreios fundada pelo pessoal de Desconcierto Cultural (os gestores da Romaria Pop em Compostela e tantas outras iniciativas musicais) que visa trazer bandas de música independente portuguesa. Música fora de clichés folclóricos, música nova, canções que são uma lufada de ar fresco, por outras palavras, canções que são um recreio.

Romper com estereótipos e dar a imagem de um Portugal criativo e com uma visão musical ampla era uma das minhas teimas. Muito obrigada, Recreios, obrigada mesmo.

Na página deles há uma espécie de depoimento, onde confessam que Portugal é aquele desconhecido que anda por perto e que, no fundo no fundo, desejamos conhecer mais e melhor. Mesmo a calhar com as intenções deste blogue.

Recreios tenciona ser um ciclo e o primeiro ato será musicado pelos Coelho Radioactivo e Paus. Dos segundos já falámos nalguma ocasião.

coelho-radioactivo

Coelho Radioactivo é o projeto de João Sousa. Uma proposta de folk experimental vinda de Aveiro. Desses concertos onde os músicos fazem música com bugigangas de todo o tipo.

27Paus é uma banda que eu vi ao vivo. Experimentalismo em estado puro, mas com o suficiente talento como para terem tocado com os Radiohead. Hardcore, psicodélia e ritmos tropicais podem fazer da noite compostelana um momento de relax e divagações variadas.

E agora toca falar do quando e do onde. Esta sexta-feira, às 21h na Zona C em Compostela têm um encontro com a modernidade.

Bueno.sair.es

bueno_sair_es_1373281437“Banda de canções, nome de marca. Dá shows, faz conteúdos múltimédia, produtos online e offline. Procuram-se sucessos.” parece um anúncio por palavras, mas é a apresentação de uma banda: bueno.sair.es

Nesta quarta-feira, em Ourense, no café Miudiño temos um concerto lusópata para quem gostar de música powerpop. Bueno.sair.es não é apenas uma banda independente, eles definem-se como “uma banda independentemente”

Como a música está sob creative commons, já não me poderão dizer que foram e não gostaram se me virem pela rua. Podem ouvir todas as músicas e descarregá-las aqui. Pronto, eu ouvi e gostei. Pode ser um plano perfeito para um dia de chuva, mas tenham em conta que irão para a caminha tarde, porque o concerto começa às 23h.

 

Ukiemana em Tominho

cartaz minho reggaeHoje temos um encontro marcado no Minho Reggae, em Tominho. Todos os naty-dreads podem ir por lá e abanar a cabeça.
A minha história com o reggae começa na adolescência, mas não como um ato de rebeldia ou contestação, foi por acaso. Ainda recordo esses primeiros arrepios de emoção quando em adolescente ouvi os Kussondulola no Xabarín Club. Era reggae e era reggae na minha língua. Uma coisa muito parecida acontece anos depois com Ukiemana. Falam de Jah, do leão, das tribos…e consigo perceber.
A banda conta com 10 anos de estrada, tendo nascido na primavera de 2002 na cidade de São Lourenço, Serra da Mantiqueira. Desde então partilhou os mesmos palcos com bandas de renome nacional e internacional.
Ukiemana faz Roots Reggae mineiro. Nos últimos tempos têm-se reafirmado no cenário brasileiro de maneira independente, através de fãs espalhados por todo o país.
Nas suas músicas, tal como no reggae acontece, há uma mensagem de paz e esperança que é transmitida em letras profundas e num ritmo pulsante e forte. Aborda temas como o amor, a positividade e a espiritualidade, no roots do reggae jamaicano, unificado na ancestralidade da sagrada música.
Ukiemana vai fazer com que o pessoal dance hoje na praia fluvial de Goiám, em Tominho.

Mr Miyagui em Vigo

Quatro membros de uma gangue muito perigosa da cidade de Viana do Castelo decidiu, após a sua prática de karate regular,  unir-se para formar uma banda. Artes marciais, skate, punk e rock são as suas melhores chaves na defesa.

There’s no destiny…enjoy the ride é o título do último disco da banda vienense Mr Miyagui. O nome do álbum é uma completa declaração de intenções, eles tocam por divertimento, porque gostam de tocar e é isso o que os realiza.

Dispostos a percorrer estradas, chegam a Vigo para o festival Marisquiño.

As críticas que rolam pela net, só fazem com que a vontade de os ver cresça. Concertos com karatekas, surfistas e skaters que não deixam indiferente a niguém. Artes marciais e espetáculo juntos num palco.

Podem vê-los em Vigo no dia 11!

Desfado nos sentidos com Ana Moura

Ana Moura

Ana Moura

Verdade seja dita, não gosto de fado, é melhor que se diga antes de ser cruelmente julgada, mas como o fado é a expressão musical portuguesa mais reconhecida internacionalmente, chega só darmos uma vista de olhos pelo site da nossa convidada no Lusopatia, Ana Moura, para percebermos a magnitude da projecção internacional da fadista santarense, a digressão não deixa canto do mundo por visitar. Ana Moura chega a Compostela, ao Auditório da Galiza, e vai apresentar o novo trabalho “Desfado” às 21 do dia 22 de Fevereiro, ainda há bilhetes à venda.

Fadista que gosta de “várias canções” e que já colaborou com os Rolling Stone e Prince, vai surpreender no Auditório da Galiza, a próxima sexta-feira, o público galego, que vai desfrutar do novo fado, o fado tradicional e até os temas em inglês. Porque no novo disco, “Desfado”, e como o nome indica, foge um bocadinho ao tradicional e tem temas escritos pelo Manel Cruz dos Ornatos, Pedro da Silva Martins dos Deolinda e pela Luisa Sobral, entre outros. Uma bela chance para sentir a alma e a “garra” da Ana Moura no seu melhor, a embrulhar na voz de fadista as palavras dos melhores poetas.

Um quebra-cabeças a resolver

A JIGSAW

Temos boas notícias para os amantes da música, o dia primeiro de Março de 2013 temos uma cita na capitalina Sala Capitol, às 21, para um concerto de uma das mais promissoras bandas da nova música portuguesa, chegam-se à frente os A Jigsaw. A formação de Coimbra vem acompanhada por uma banda espanhola, o Arizona Baby, e prometem dar uma boa noite de música em grande.

Infelizmente, e como em quase tudo, na Galiza não contamos com um sistema próprio de programação cultural, e tudo o que cá chega passa pelo filtro de Madrid, os A Jigsaw estão, aos poucos e sem dar por nada, a fazer-se com um lugar no circuito indie espanhol. É uma banda folk-blues caracterizada por um som multi-instrumentista, e tiraram o nome da música “jigsaw you” da genial banda flamenga dEUS, com o seu primeiro álbum “Letters from the Boatman” atingiram em 2008 o top do índice A3-30 da Antena 3. O segundo álbum aparece em 2009, e titula-se “Like The Wolf”, já em 2011 lançam o “Drunken Sailors and Happy Pirates”, que atrai muita atenção internacional, sendo segundo os próprios um álbum conceptual, e o conceito é a construção do individuo. A utilizar 27 instrumentos em palco, com uma música agora mais virada para o folk e com canções que contam pequenas histórias e desenham um imaginário, é por isso, se calhar, que a banda tem uma vasta trajectória em musicar filmes, tanto de realizadores portugueses como estrangeiros.

Depois de andarem por toda a Europa, chegam pela segunda vez à Galiza, e como temos fama de barulhentos, e até podemos ser, já lhes advirto que o silêncio é indispensável num concerto dos A Jigsaw, espero que estejam com pica para resolver o quebra-cabeças.