Lá vem o alemão: palavras alemãs no português

Esta sempre foi uma das minhas músicas preferidas dos Mamonas Assassinas. Lá vem o alemão é um clássico, não deixa de ser engraçada a auto-censura que os Amor Electro fizeram com certas partes da letra, ai! A chegada do alemão nesta música é uma grande “encrenca”, uma das palavras alemãs que vamos ver logo a seguir.

Pronto, coloquei esta música como introdução para o tema de hoje, as relações lexicais alemão/português. Para começar, um bocadinho de história do Brasil: nos séculos XIX e XX, o Brasil recebeu um importante fluxo de imigrantes alemães. A imigração começou na primeira metade do século XIX, quando ainda não havia uma Alemanha formada, mas diversos reinos que formavam os Estados Alemães. O Sul do Brasil absorveu a maior parte desses imigrantes, que se dedicaram à agricultura familiar. Ainda hoje, nas regiões brasileiras em que imigraram, a influência alemã é visível.

Estima-se que haja 200 mil falantes de alemão no Brasil, concentrados principalmente nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Espírito Santo.

Dos cinco milhões de brasileiros que possuem ascendentes alemães,são poucos aqueles que ainda mantêm laços afetivos com a Alemanha. Embora assimilada, é inegável a contribuição da cultura germânica à cultura do Brasil, como por exemplo o Oktoberfest realizado em cidades como Blumenau, a Bauernfest em Petrópolis Rio de Janeiro, a Münchenfest em Ponta Grossa, a pommerfest em Santa Maria de Jetibá, e em diversas manifestações culturais que ocorrem sobretudo no sul do país, em São Paulo e no Espírito Santo.

Estas são algumas das palavras de origem alemã que temos hoje no português:

Chique: muitos e muitas de nós acreditávamos que era uma palavra de património francês, mas não. A palavra chegou ao português através do francês. Como explica a revista alemã Der Spiegel, muito antes de os costureiros franceses “arrasarem” nas passarelas, os alemães usavam termos como schicklich ou sich schickt para designar apropriado ou bem arrumado.

Fanta: eu que me declaro fã absoluta da Coca-cola (viciada, por melhor dizer) achei isto um dado interessante. Devido à escassez de matéria-prima, a Coca-cola da Alemanha não pôde mais produzir seu principal produto durante a Segunda Guerra Mundial. Para garantir a subsistência da companhia, foi desenvolvido então um novo refrigerante feito, na época, à base de soro de leite. Um concurso entre os empregados da companhia levou ao nome “Fanta”, pois o novo desenvolvimento era fantástico, do alemão fantastisch.

Encrenca: a palavra brasileira para “problema” tem por trás uma história.  Tudo começou com as prostitutas judias que foram para o Brasil no final do século XIX e começo do século XX. Elas falavam iídiche, a língua dos judeus da Europa Central. Quando achavam que um cliente tinha doença venérea, diziam ein krenke (krank significa “doente” em alemão). Nascia assim a palavra “encrenca”, usada desde então no português do Brasil para designar uma situação difícil.

Valsa: do alemão walzer. A valsa chegou ao Brasil com a transferência da corte portuguesa ao país, em 1808. A música foi apresentada em salões onde a elite do Rio de Janeiro dançava.

Chope: é como se diz no português do Brasil “fino” (no norte de Portugal) ou “imperial” (no Sul). Na origem não tem nada a ver com cerveja. É uma unidade de medida originada do alemão Schoppen, equivalente a cerca de meio litro.

Hamster_1293095cHamster: vem do alemão hamstern, que significa acumular. Já sabem que eles têm umas bochechas onde acumulam sementes e sementes…

Blitz: uma palavra muito usada no português do Brasil para controle policial (no português de Portugal nunca a ouvi) vem do termo blitz que significa “relâmpago”. A Blitz (ou guerra relâmpago) foi a campanha de bombardeamentos estratégicos realizada na Segunda Guerra Mundial pela aviação alemã contra o Reino Unido.

Níquel e Cobalto: Adorável história. Nickel e Cobalt eram dois gnomos que habitavam as montanhas alemãs, segundo crenças de mineiros da Idade Média. Os mineiros medievais acreditavam que estes espíritos maus eram responsáveis pelas impurezas na prata, ferro e cobre, minérios encontrados juntos ao níquel e cobalto.

Leitmotiv: do alemão, motivo condutor, em música, é uma técnica de composição introduzida por Richard Wagner nas suas óperas, que consiste no uso de um ou mais temas que se repetem sempre que se encena uma passagem da ópera relacionada a uma personagem ou a um assunto. Atualmente, o uso do leitmotiv não se restringe à ópera. Também é utilizado largamente no cinema e novelas.

Advertisements

5 thoughts on “Lá vem o alemão: palavras alemãs no português

  1. Xenial Carme! Moi interesante! A pintora brasileira que da clases ao meu fillo e ao meu home debe de ser descendente destes alemans dos que falas, polo seu físico.

    Bicos .

    ________________________________

  2. Eu, como brasileiro, ouço uma inusitada sonoridade alemã no português europeu. Em palavras em que há “ei”, como em “Oliveira”, ouço os lusitanos pronunciarem “OlivAIra”, “RibAIra”, “MontAIro”. Ou usar “Ya” ao invés de sim. Soa como alemão, queria saber de onde vem isso.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s