Victor/Victoria. O género

Acho que todos e todas conhecem este título cinematográfico, pois não? Vou refrescar memórias…
A história acontece em Paris em 1934. Victoria Grant é uma cantora lírica que está no desemprego e conhece Carroll Todd, um cantor homossexual que tinha sido recentemente demitido. Ela tem dificuldades económicas e por isso articula um plano com o Carroll: far-se-á passar por um homem. Mascara-se e adota o nome de Victor para trabalhar como transformista num cabaré. Mas a farsa corre o perigo de ser descoberta quando ela se apaixona por um gângster.
Victor/Victoria desenvolve uma ideia, para mim, muito atraente: a transgressão de género, de identidades, de regras…
A história retorce os limites entre homem e mulher e oferece uma visão nova: o género pode ser uma performance.

O género gramatical pode ser também transgredido. A incorporação da mulher a trabalhos anteriormente desempenhados só por homens fez abrir um debate não só laboral, mas também linguístico. Existe um masculino genérico? existe uma linguagem não sexista? Língua é pensamento e durante anos ocultamos a presença da mulher no discurso.

Vamos retomar o fio da meada. Como se forma o género gramatical? quero transgredir esta explicação, se me permitirem.
Tradicionalmente sempre explicamos como uma palavra é flexionada de masculino para feminino. Vou fazer ao contrário. Um truque de magia nunca antes visto: de feminino para masculino! obrigado obrigada

  • A regra principal é que as palavras que no feminino acabam em -a, no masculino acabam em -o: amiga/amigo. Vamos dar agora umas exceções à regra, como sempre!
  1. Existe um grupo de palavras que no feminino têm o final em -a, mas no masculino acabam em consoante: inglesa/inglês, senhora/senhor, boa/bom.
  2. As palavras que no feminino acabam em -eia, no masculino acabam em -eu: ateia/ateu. (exceções: ré/réu, judia/judeu)
  3. As palavras femininas em -ã, são em masculino em em -ão: capitã/capitão. Se estivermos a falar em aumentativos ou despetivos, isto muda: solteirONA/solteirão, mocetONA/mocetão.
  4. Existe um bloco de palavras, com irregularidades também, como em todas as línguas: galinha/galo, rainha/rei, duquesa/duque, fêmea/macho…
  5. E este é o grupo de palavras que vai por livre: as palavras invariáveis: ela está contente/ele está contente, ela está só/ele está só…
Anúncios

2 thoughts on “Victor/Victoria. O género

  1. Acho que hai muito de cultural nos papeis que desempenham os dois sexos na sociedade, mas não hai que esquecer o componente biológico. Estou a ler este verão um livro também feminista: Jane Eyre (antes vi o filme em branco e preto com Joan Fontaine)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s