Falso amigo: rato

Em muitas partes do mundo já estão com os preparativos do ano novo chinês. Vi nas notícias ontem que Lisboa começou a festa este sábado no bairro onde vive e e trabalha a maior parte desta comunidade.

Podem ver como correu o desfile nesta ligação. É interessante ouvirem os depoimentos dos vários membros da comunidade chinesa. Por Martim Moniz já sabem que 2020 é o ano do Rato, o primeiro no zodíaco chinês. Representa, portanto, o começo de um novo ciclo.

Para quem acreditar nestas coisas, deixo o horóscopo nesta ligação.

Estes animais aparecem inúmeras vezes na nossa cultura. Ocorrem-me agora provérbios como:

-A curiosidade matou o rato

-A casa que não tem gatos tem muitos ratos

-Tanta vez vai o rato ao moinho, que um dia fica lá com o focinho

Temos até ratos famosos como o Mickey ou Mighty Mouse, que são testemunho da importância que tem este animal na nossa cultura popular.

Já noutras latitudes, como por exemplo na Índia, existe uma veneração em volta deste animal. No templo de Mata Karni, na cidade de Bikaner, no Rajasthan, vivem mais de 25 mil ratos soltos.

Existem algumas curiosidades sobre estes pequenos seres que devem conhecer. Eu ainda estou em dúvidas com se a ratazana é a fêmea do rato ou é que é uma espécie diferente. Digam-me lá coisas.

O periférico do computador? sim, também se chama de rato. Contudo, cada vez usamos mais tecnologia táctil e estes acessórios são menos vistos.

Chegados a este ponto e depois de toda a maçada…acho que já devem saber o motivo do post. Ainda não? Pronto, o rato na nossa língua designa estas realidades de que falei. Não usamos a palavra para nos referir a intervalos de tempo breves. Nesse caso dizemos: instante, bocado, momento

Falso amigo: rasgo

Não sei se viram alguma vez o Hulk a rasgar a camisa. Mas esta é uma das imagens da minha infância/adolescência. Esta mesmo, a do Hulk feio e rasca. Muito longe do charme da animação por computador.

O “Golias verde” acho que gastava todo o ordenado em comprar camisas e t-shirts, porque em cada surto de fúria ele rasgava e ia de tronco nu por todo lado.

Por questões pessoais, ando a me informar sobre a coordenação e motricidade fina e como adquirimos estas habilidades quando bebés. Há montes de exercícios que nos mandam fazer na creche, no jardim de infância…aos quais não damos importância nenhuma. Muitos deles servem para atingir estes objetivos. Por colocar um exemplo, rasgar papel é muito importante.

Imagino então que neste momento já podem supor o que é que significa RASGO. Trata-se da ação de RASGAR. Também pode ser a abertura numa superfície que se rompeu ou dilacerou, rasgadela, rasgão…

Se queremos falar em caraterísticas físicas, podemos usar a palavra traço ou feição.

Tiago Fragateiro em Tui

A música eletrónica é ainda uma área inexplorada no nosso blogue. Falamos pouco em djs.

Pode a techno ser lusopata? pode. A Lusopatia tem poucos limites e o Tiago Fragateiro chega do Porto para demonstrá-lo.

Segundo a alineaa.net ele está na cena musical há mais de 20 anos, primeiro como programador cultural nos melhores clubs do Porto e depois como dj.

Privou com DJ Yellow em Mindz Kontrol Ultra e isto permitiu-lhe encontrar logo a sua própria linguagem musical.

Os EPs que editou em nome próprio na Composite acabaram por servir de montra e atrair as atenções de labels conceituadas tendo já editado pela Ovum Recordings, Freerange Records, Plastic City e Compost Records.

Deixo-vos este showcase de exemplo. Quem me dera agora estar no BPM Festival em Portimão…ai!

Então, se quiserem imaginar que estão ao calor na praia, podem ir amanhã (dia 4) à discoteca Metropol em Tui. Mas não se esqueçam de comprarem antes as entradas!

Férias ou Feiras?

Vamos com esse cavalo de batalha. Um osso dos difíceis para os meus alunos e alunas.

A situação é assim, estamos nas aulas pacatamente a meter conversa e…aparece de maneira constante esta dúvida. Vamos com isto, que não é assim tão complicado. Força!

As férias, assim no plural, são uns dias em que trabalhadores e estudantes descansam. São dias consecutivos, se for um dia à solta, dizemos que é um dia de folga. Para quem trabalhar no ensino ou quem estiver a estudar, é um conceito fácil de se entender: para uma professora ou estudante as férias são no Natal, no Entrudo, na Páscoa e no verão (as férias grandes).

Para o verão até tínhamos criada uma playlist especial neste artigo anterior. Lembram-se?

Uma feira costuma ser um grande mercado, muitas vezes ao ar livre, onde são vendidas mercadorias. Na minha terra, Padrão, tem uma periodicidade fixa. Todos os domingos (sem exceções, mesmo que seja 1 de janeiro, Natal…) há feira. Pimentos, polvo à feira, peixe, cestos, livros, queijos…e até uma viagem de carrossel podem ser comprados lá. Eu amo os domingos de manhã em Padrão.

Contudo, o meu amor a Lisboa obriga-me também a falar doutra feira importante: a feira da ladra. Terças e sábados, chova ou faça sol, lá estão os feirantes com as suas bugigangas. Trata-se da feira mais antiga da cidade. Além de ver e poder comprar objetos antigos, em segunda mão e tesouros da cultura alfacinha, o ambiente que lá se respira é espetacular.

Se a palavra “feira” estiver acompanhada de um numeral, então estamos a falar nos dias mediais da semana. Isto é, todos aqueles que não forem fim de semana: segunda-feira, terça-feira, quarta-feira, quinta-feira, sexta-feira. Por assim dizer “feira” é o apelido que acompanha esses numerais, mas muitas vezes usamos a versão curta: segunda, terça, quarta…

Existe então a palavra dia no português? existe, claro. Não se esqueçam dela! Aproveitem estes dias e ponham a conversa em dia!

Falsos amigos sobre o Natal

Chegou uma das minhas épocas preferidas do ano. Estive a pensar na quantidade de falsos amigos que existem em volta desta festa. Será porque cada vez entram mais realidades modernas e a nossa língua na Galiza sofre mais esse choque.

Seja como for, noutros post explicamos algumas palavras de uso comum e tradições. Hoje vamos limitar-nos ao vocabulário que dá confusão com uma pequena compilação animada. São conceitos que podem aparecer na consoada, na troca de presentes, nas compras, nas férias…e onde normalmente a pressão do castelhano é maior.

Apresentamos um placar de cortiça com post-it, cada bilhete tem uma palavra escrita. Se carregarem mesmo no escrito podem ver o significado em língua portuguesa.

Se quiserem continuar a aprender mais, deixo-vos neste link um jogo de bingo com vocabulário natalino.

E se não me encontrarem por cá em dias…boas festas e boas entradas!

Eu podo

Não sei se vocês gostam de jardinagem. Eu reconheço-me mão verde mas só com as suculentas e catos, que são um tipo de plantas para pessoas preguiçosas ou desajeitadas. Na Galiza com a humidade ambiental quase nem falta faz regar. Já conheço pessoas que estiveram um ano enganadas a dar água a plantas de plástico.

Enfim, noutro patamar bem diferente estão as roseiras. Eu nunca tive, mas pelos vistos são difíceis de podar, porque há montes de artigos na net sobre a sua poda. Coloco-vos este exemplo aqui de Compo.

E agora estarão a dizer…”mas qual é o objetivo deste artigo, não percebo!”. Fácil: chamar a atenção sobre o facto de que PODO é a primeira pessoa de singular do Indicativo do verbo PODAR e não do PODER. Eu podo, tu podas, ele/ela poda… Esta é a típica forma verbal que, se passarmos um corretor ao texto, o corretor não deteta, porque realmente é uma palavra existente no português e, no sentido estrito, estamos a ortografar bem.

Vou aproveitar e lembrar a conjugação do verbo PODER para o Presente do Indicativo, que por ser um verbo irregular sempre parece um osso duro de roer:

E com isto, já de passagem, falo de outro desvio: ele ou ela posse*.

A palavra Posse em português não é um verbo. É um substantivo que refere o estado de quem possui uma coisa, de quem a detém como sua ou tem o gozo dela. Normalmente é usado em registo culto ou é própria de expressões técnicas.

Por exemplo:

-aparece muito em linguagem jurídica posse de armas, posse de drogas

-em linguagem técnica desportiva: estar em posse da bola

-outras expressões: estar em posse da razão, tomada de posse (de um cargo)…

Ari(t)mar 2019

Isto é já amanhã, amigas. Um dos eventos mais importantes a nível lusopata e esta que escreve não vai poder lá estar. É com grande pena (de mim mesma) que escrevo este artigo.

É escusado dizer o que é o Ari(t)mar, isto já toda a gente (que presta) sabe. Música e poesia das duas margens do Minho, unidas e entranhadas.

Cabe a mim fazer de apresentadora neste artigo e falar da gala e dos premiados. Lá no Auditório da Galiza, o mestre de cerimónias será este ano o Carlos Blanco, portanto, já sabem que a dose de humor está garantida. Realmente é um dos grandes ingredientes do evento.

O prémio à embaixatriz da amizade Galiza e Portugal é para a nossa Uxia, que tanto merece depois de anos como capitã do Cantos na Maré, festival que deu a conhecer tantas bandas lusófonas na nossa terra. Muitos parabéns, Uxia!

E da Uxia passamos a outras duas mulheres premiadas na categoria de melhor poema. Não poderia ter mais orgulho em falar neste artigo de tão bons referentes femininos. Da nossa parte está a Susana Sanches Arins, que a sinto “mais da nossa parte” do que nunca, obviamente por muitas questões, uma delas a ortográfica. A Susana ganha com Isso é o amor. Este é um ano de prémios para ela. E mais que merece!

Da parte portuguesa temos a Marta Chaves, que ganha com o poema Fachada. Podem ler uma entrevista à autora nesta ligação.

Na cena musical a seleção musical dos finalistas não foi muito arrojada (tradição e pop). Digo sempre, salvo exceções raras, a música que aparece não é muito representativa daquela que passam nas rádios portuguesas. Este ano temos às galegas Tanxugueiras com Que non mo neguen, com um videoclip bem fixe que podem ver aqui.

Do lado português ganharam Os azeitonas com Efeito do Observador. Eu tenho um fraquinho por eles há tempo. Quem és tu, miúda é uma dessas músicas que me acompanham.

O clipe de vídeo da canção premiada também é desses que vale a pena ver pela qualidade estética. Altíssima qualidade, já agora.

Uma vez já ganhou o rap. Quando poderá haver espaço para kizomba, kuduro, trap…? disso também temos na nossa língua.

Aqueles e aquelas afortunados têm um encontro amanhã, às 21h no Auditório da Galiza. Ari(t)mem!

Dandara dos Palmares

Hoje é comemorado o Dia da Consciência Negra no Brasil. De facto, este tema foi um dos nossos primeiros post. Nele falamos um bocado da figura do Zumbi dos Palmares, agora até podemos fazer uma ampliação dessas figuras histórias brasileiras. Na luta contra o racismo e a discriminação, falaremos hoje da Dandara dos Palmares.

A Dandara (?-1694) liderou o maior grupo de resistência contra a escravidão no Brasil: o Quilombo dos Palmares. Podem ver mais informações sobre ela nesta ligação.

Viva Dandara!

Aniversário

Hoje o Lusopatia faz anos. É dia de festa e os nossos circuitos soltam faíscas!

Para festejar vamos deixar uma série de vocabulário útil:

  • aniversário, dia de anos, fazer anos: é o dia em que se completa um ou mais anos sobre a data de um acontecimento, pode ser o nascimento de uma pessoa, de uma entidade…Atenção! a expressão é FAZER ANOS, não é usado o verbo Cumprir para isto.
  • convites, convidar, convidados/as: se organizarmos uma festa, podemos enviar convites ou dá-los aos nossos convidados.
  • prendas, presentes: são as coisas oferecidas. Quando queremos poupar um bocado e dar presentes entre um grupo, podemos fazer o jogo do amigo oculto e manter o nosso anonimato.
  • na mesa pode haver copos, guardanapos, pratos, faca, colher, garfo, toalha de mesa…
  • o prato fundamental de uma festa de aniversário é o bolo, normalmente vai acompanhado de velas. Sopramos as velas e depois cantamos Parabéns pra você. No Brasil a canção é ainda mais interminável…O título da canção tem a ver com aquilo que dizemos às pessoas aniversariantes: Parabéns!
  • a sala pode estar enfeitada com guirlandas, balões, luzes

Temos agora mais um ano. Mas não nos sentimos velhos. Velhos são os trapos!

Cineuropa 2019

Começa o Cineuropa. Desta vez, na edição 33, temos novo pessoal na capitania, mas o festival conserva toda a sua magia.

O Lusopatia faz uma folha de navegação para quem quiser estar a par de todo o conteúdo lusófono. Falaremos dos prémios, dos filmes e dos espetáculos…o critério é a língua aparecer. Confiram!

PRÉMIOS

Neste ano o prémio Cineuropa 2019 será para a realizadora Rita Azevedo Gomes. No Lusopatia estamos muito felizes, porque ela ocupa e ocupará sempre um espaço entre os nossos post. É só pesquisarem entre os nossos artigos e verão que ela já andou na Numax, no Encontro de Mulheres da Lusofonia…

A entrega será no dia 16 às 20h.

Muitos parabéns, Rita!

FILMES

Um dia mais com vida (quinta 14, 19h15), Raúl de la Fuente, Damian Nenow; Espanha, 2018, Animação. Kapuściński é um reporter polaco que em 1975 viaja a Angola. Lá conhece a guerrilheira Carlota, que vai mudar a sua vida para sempre e propiciará uma mudança profissional: ele agora será um escritor.

-Tras las luces (sexta 15, 16h), Sandra Sánchez, 2011, Espanha, Documentário. A diretora segue a vida da Lourdes, uma feirante que anda nas feiras com uma atração de carrinhos de choque.

Danses macabres, squelettes, et autres fantaisies/ danses macabres, sketetons and other fantasies (sábado 16, 20h), Pierre León, Rita Azevedo, Jean-Louis Shefer; França, Portugal, Suíça, 2019, Documentário. E se a dança da morte não fosse só realmente a posta em cena da morte na Idade Média? e se fosse a criação da Europa moderna?

A vingança de uma mulher/A woman’s revenge (quarta 20, 22h), Rita Azevedo, Portugal, 2012, Drama. O filme não é novo entre as nossas linhas, recordam-se? Podem ver a sinopse nesta ligação.

Vitalina Varela (domingo 24, 22h, e segunda 25, 18h15), Pedro Costa, Portugal, 2019, Drama. O filme conta a história de uma mulher de 55 anos que chega a Lisboa depois do enterro do seu marido.

A portuguesa/The portuguese (quarta 27, 20h15), Rita Azevedo, Portugal, 2018, Drama. Um dos filmes mais reconhecidos da realizadora portuguesa. A fita leva-nos à Idade Média, onde a nova esposa de Lord Von Ketten vive num castelo da Ilátia à espera de o seu homem voltar da guerra. Podemos ver como é que ela passa o seu tempo, nesse embaraço do jogo do amor.

MÚSICA

Maria de Medeiros and The Legendary Tigerman (quarta 13, 20h30, Auditório da Galiza) o guitarrista e a atriz e cantora fazem este troca-troca de músicas de cinema no trabalho 24 milla baci.

Com toda esta informação…não quero agora ninguém perdido!