Dandara dos Palmares

Hoje é comemorado o Dia da Consciência Negra no Brasil. De facto, este tema foi um dos nossos primeiros post. Nele falamos um bocado da figura do Zumbi dos Palmares, agora até podemos fazer uma ampliação dessas figuras histórias brasileiras. Na luta contra o racismo e a discriminação, falaremos hoje da Dandara dos Palmares.

A Dandara (?-1694) liderou o maior grupo de resistência contra a escravidão no Brasil: o Quilombo dos Palmares. Podem ver mais informações sobre ela nesta ligação.

Viva Dandara!

Aniversário

Hoje o Lusopatia faz anos. É dia de festa e os nossos circuitos soltam faíscas!

Para festejar vamos deixar uma série de vocabulário útil:

  • aniversário, dia de anos, fazer anos: é o dia em que se completa um ou mais anos sobre a data de um acontecimento, pode ser o nascimento de uma pessoa, de uma entidade…Atenção! a expressão é FAZER ANOS, não é usado o verbo Cumprir para isto.
  • convites, convidar, convidados/as: se organizarmos uma festa, podemos enviar convites ou dá-los aos nossos convidados.
  • prendas, presentes: são as coisas oferecidas. Quando queremos poupar um bocado e dar presentes entre um grupo, podemos fazer o jogo do amigo oculto e manter o nosso anonimato.
  • na mesa pode haver copos, guardanapos, pratos, faca, colher, garfo, toalha de mesa…
  • o prato fundamental de uma festa de aniversário é o bolo, normalmente vai acompanhado de velas. Sopramos as velas e depois cantamos Parabéns pra você. No Brasil a canção é ainda mais interminável…O título da canção tem a ver com aquilo que dizemos às pessoas aniversariantes: Parabéns!
  • a sala pode estar enfeitada com guirlandas, balões, luzes

Temos agora mais um ano. Mas não nos sentimos velhos. Velhos são os trapos!

Cineuropa 2019

Começa o Cineuropa. Desta vez, na edição 33, temos novo pessoal na capitania, mas o festival conserva toda a sua magia.

O Lusopatia faz uma folha de navegação para quem quiser estar a par de todo o conteúdo lusófono. Falaremos dos prémios, dos filmes e dos espetáculos…o critério é a língua aparecer. Confiram!

PRÉMIOS

Neste ano o prémio Cineuropa 2019 será para a realizadora Rita Azevedo Gomes. No Lusopatia estamos muito felizes, porque ela ocupa e ocupará sempre um espaço entre os nossos post. É só pesquisarem entre os nossos artigos e verão que ela já andou na Numax, no Encontro de Mulheres da Lusofonia…

A entrega será no dia 16 às 20h.

Muitos parabéns, Rita!

FILMES

Um dia mais com vida (quinta 14, 19h15), Raúl de la Fuente, Damian Nenow; Espanha, 2018, Animação. Kapuściński é um reporter polaco que em 1975 viaja a Angola. Lá conhece a guerrilheira Carlota, que vai mudar a sua vida para sempre e propiciará uma mudança profissional: ele agora será um escritor.

-Tras las luces (sexta 15, 16h), Sandra Sánchez, 2011, Espanha, Documentário. A diretora segue a vida da Lourdes, uma feirante que anda nas feiras com uma atração de carrinhos de choque.

Danses macabres, squelettes, et autres fantaisies/ danses macabres, sketetons and other fantasies (sábado 16, 20h), Pierre León, Rita Azevedo, Jean-Louis Shefer; França, Portugal, Suíça, 2019, Documentário. E se a dança da morte não fosse só realmente a posta em cena da morte na Idade Média? e se fosse a criação da Europa moderna?

A vingança de uma mulher/A woman’s revenge (quarta 20, 22h), Rita Azevedo, Portugal, 2012, Drama. O filme não é novo entre as nossas linhas, recordam-se? Podem ver a sinopse nesta ligação.

Vitalina Varela (domingo 24, 22h, e segunda 25, 18h15), Pedro Costa, Portugal, 2019, Drama. O filme conta a história de uma mulher de 55 anos que chega a Lisboa depois do enterro do seu marido.

A portuguesa/The portuguese (quarta 27, 20h15), Rita Azevedo, Portugal, 2018, Drama. Um dos filmes mais reconhecidos da realizadora portuguesa. A fita leva-nos à Idade Média, onde a nova esposa de Lord Von Ketten vive num castelo da Ilátia à espera de o seu homem voltar da guerra. Podemos ver como é que ela passa o seu tempo, nesse embaraço do jogo do amor.

MÚSICA

Maria de Medeiros and The Legendary Tigerman (quarta 13, 20h30, Auditório da Galiza) o guitarrista e a atriz e cantora fazem este troca-troca de músicas de cinema no trabalho 24 milla baci.

Com toda esta informação…não quero agora ninguém perdido!

César Lacerda na Galiza

César Lacerda é um cantor, compositor e músico mineiro. O mês de novembro inicia para nós com uma pequena digressão de concertos deste artista, como podem ver na imagem. Vigo, Vilar de Santos, Ourense, Lugo e Compostela são as terras escolhidas para acolher os seus concertos.

O brasileiro tem quatro trabalhos publicados: Porquê da voz; Paralelos & Infinitos; O meu nome é qualquer um e Tudo tudo tudo tudo.

A carreira de Lacerda vem certificada por dois fatores. O primeiro é como ele se apresentou noutros países. Já tocou em espaços muito conceituados como a Casa da Música em Portugal, o Bahnhof Ehrenfeld Club na Alemanha, o TramJazz na Itália, e o Festival Romerias de Mayo em Cuba.

O segundo argumento para acreditar no seu talento são as suas parcerias com o Paulinho Moska ou Gal Costa.

Contudo, o argumento principal e de mais valor, longe de apoiar-nos no que ele tem feito fora ou com quem ele tem trabalhado, é a sua própria música. Confiram:

Ele canta Me adora e temos mesmo que adorar…

Armazenados em Vigo

No Centro Cultural Camões de Vigo, no dia 17 deste mês às 19h poderemos ver a encenação da peça Armazenados.

A companhia de teatro Art’Imagem do Porto vem a palco com este texto do David Desola onde se fala das leis do mercado, da desumanização das pessoas e a identificação destas com um produto. A dignidade humana e o conceito de trabalho na nossa sociedade são questionados de maneira óbvia na peça.

Será mesmo que o trabalho dignifica as pessoas?

Falso amigo: colégio

Está na hora de regressarmos às aulas, com todos os traumas que isso supõe para algumas pessoas.

Em criança nunca gostava da pergunta aquela “e quando começas as aulas?”, vinha sempre da boca de uma pessoa adulta, talvez cansada de me aguentar, e parecia quase uma ameaça.

A vida adulta levou-me a ser professora, portanto, ainda não deixei de ouvir a mesma pergunta nestas datas. O “e quando é que começas as aulas?” é agora num tom de “quando deixas já de estar de férias, pelo amor de Deus? quantas férias é que pode ter uma professora?”

Este regresso às aulas, contudo, vai ser o mais especial da minha vida. Começo um novo caminho como professora de português no ensino secundário na Galiza. Não pode ser um mal começo, de tão desejado que ele é.

Quero dizer-vos com isto que o meu orgulho é trabalhar no ensino público, numa escola. Todo o meu percurso académico foi sempre em instituições públicas: escola primária, escola secundária, universidade pública. Agora vejo a escrivaninha do outro lado, sem ninguém fardado.

Então, olho aí quando dizem que os vossos filhos “voltam ao cole”. Não acho que os colégios na Galiza tenham assim tanta inscrição. Não será que “regressam às aulas” às aulas de uma escola?

Um colégio é em Portugal um estabelecimento de ensino particular, normalmente privado. Alguns deles pertencem a ordens religiosas ou militares. Podem até funcionar como internatos.

Não sei se alguma das pessoas que me lê viu alguma vez os Morangos com Açúcar. Até onde eu sei, há pouco passavam a série na TVG, ainda continua? Se alguma das pessoas sabe de que estou a falar, o Colégio da Barra vai vir logo à tona. O episódio do incêndio foi um grande drama à altura desta novela.

Já repararam em que na maioria das séries ambientadas no mundo escolar o cenário é sempre um colégio e não uma escola? O mundo da classe média não é assim válido para a ficção?

6 filmes da Netflix na nossa língua

Lá por julho escrevemos um post especial com dicas da Netflix. O intuito era treinar a nossa compreensão oral noutras variedades da língua. O artigo teve muito sucesso e a empolgação trouxe novas ideias. Portanto, hoje estamos cá para falar sobre filmes.

Esta é uma recomendação de seis filmes que eu vi e gostei, porque não me atrevo a falar sobre aquilo que não visualizei. Sei que há mais opções e até podem falar-me nos comentários doutras obras que tenham visto.

Se já viram outros posts com animações minhas, sabem que há uma maneira de navegar por eles: podem expandir no botão da direita. Cada imagem tem informação adicional (+) e um trailer.

Tentei que a seleção fosse bastante variada quanto a géneros: biopics, documentários, ficção científica, romance… Infelizmente, só encontrei filmes brasileiros. Espero que, aos poucos, mais países da CPLP tenham produção na Netflix.

Quem é que faz as pipocas?

Falso amigo: coma

Uma das coisas que mais chamou a minha atenção nas aulas de Linguística do primeiro ano de Filologia foi estudar a afasia bilingue.

Não sei se sabem, mas há pessoas que estão em coma e acordam tempo depois a falarem outras línguas. Mesmo línguas com que não tiveram muito contacto. Isto é que é a afasia bilingue. Ocorre alegadamente quando uma área do cérebro que aprende uma língua está danificada, enquanto outra permanece ilesa.

O coma também pode produzir o efeito contrário em pacientes políglotas. Quer dizer, as pessoas acordam e só conseguem falar numa língua. Chama-se afasia monoglótica.

O cérebro é maravilhoso e as áreas de Wernicke ou Broca, aquelas ligadas à fala, sempre me pareceram quase mágicas.

Neste momento devem já imaginar a que me estou a referir com coma. Vou fazer agora uma revisão de conceitos do que isto significa em português.

  • Coma: estado sem consciência que pode ter diferentes graus de gravidade.

  • Coma: Presente do Conjuntivo ou Imperativo do verbo Comer. Coma mais fruta fresca.

  • Então que palavra usamos para (,)?Para o signo ortográfico que marca uma pausa breve na escrita usamos a palavra vírgula.

A etimologia da palavra é simples. No latim virgula era o diminutivo de virga, “verga, vara, trave, ramo”. O nome, como o de tantos atos da revolução da escrita, é uma metáfora.

  • Lembrem também que quando fazemos uma comparação ou uma oração de modo, usamos sempre a conjunção como. A Joana é tão alta como a sua irmã /Faz isso como tu quiseres/ Ele não fala como tu/ Assim é como nós cozinhamos este prato sempre

Arthus Fochi em Compostela

Arthus Fochi estará amanhã em Compostela no Festival Feito a Man. Poderemos vê-lo às 21h na Praça da Quintana (se chover, no Teatro Principal). Trata-se de um carioca filho de pai guarani paraguaio e suponho que destas raízes vem a sua curiosidade musical e vontade de fusão com os diversos países da América do Sul. A sua criatividade de poeta-cantor passa pela música brasileira, o jazz e o rock.

O compositor faz a sua primeira turnê pela Europa, com paragens em Lisboa, Compostela e o Porto. É, portanto, a sua primeira vez na Galiza.

No Brasil tem uma carreira assente, com três álbuns publicados: Êxodo urbano, Suvaco do mundo e atualmente trabalha na divulgação de Arthus Fochi e os Botos da Guanabara, gravado ao vivo. Contudo, em Compostela os e as espetadoras verão um trabalho mais intimista com o espetáculo Ano Sabático: um projeto em parceria com outros músicos graças ao qual tocará com o produtor musical e pianista Guilherme Marques.

Mato Seco em Bueu

Esta é uma boa notícia para todas aquelas pessoas que gostarem do reggae. A banda brasileira Mato Seco chega amanhã a Bueu ao Aturuxo no marco dos concertos que vêm preparar o caminho para o Minhoreggae.

A história destes brasileiros não é fácil assim de acompanhar nas redes. Ao que pude saber, com duas décadas de carreira musical e três trabalhos de estúdio, os Mato Seco são uma das bandas mais reconhecidas dentro deste estilo musical no Brasil. As suas canções Brilho Oculto, Tudo nos é dado, Pedras Pesadas, Resistência ou Caminho da Luz são autênticos hinos para todas as pessoas de filosofia rastafari. Estou feliz por ter sabido isto, porque amo reggae e sempre é bom alargar a lista de nomes. Natiruts, Chimarruts, O Rappa ou Cidade Negra estão há anos no meu Spotify. Está na hora de incluir os Mato Seco então.

Como é que foram os seus inícios? Sete amigos da infância de São Caetano do Sul juntaram-se em 2002 para criar música de resistência. O assunto era difícil porque nenhum deles sabia tocar, mas depois de muito esforço e aulas com profissionais eis o resultado.

Segundo li, o nome vem da sua filosofia de vida. Entendem que tudo faz parte de um ciclo. Um mato pode ser verde, ter vida e depois secar, para servir de adubo a outras plantinhas. Isto pode ser visto como um símbolo de resistência e assim é como eles querem que vejamos a cena. E falando em resistência…

O Mato é Seco, mas não morto. Jah Bless!